Excesso de estímulos prejudica as decisões dos consumidores, avalia WGSN Bruno Mello 6 de fevereiro de 2023

Excesso de estímulos prejudica as decisões dos consumidores, avalia WGSN

         

Momento pós-pandemia exige atenção para os gatilhos sensoriais utilizados pelas marcas, que podem provocar efeitos contrários aos desejados

Publicidade

Do ponto de vista psicológico, os anos de isolamento social, em função da pandemia, desencadearam uma série de alterações sensoriais marcantes, capazes de modificar comportamentos e reações a estímulos específicos. No momento atual, de retorno aos trilhos da normalidade, tais mudanças são facilmente observáveis: para muitos, as vozes parecem mais altas, e as luzes de cada ambiente parecem mais intensas. 

Naturalmente, esta hipersensibilidade, associada ao excesso de estímulos, afeta também o comportamento do consumidor. Impulsionadas pela competição característica da era da economia da atenção, marcas tendem a bombardear os consumidores com informações. No entanto, como flocos de neve em uma avalanche publicitária, cada estímulo irá compor um todo massivo, que ao atingir o público, poderá causar uma sobrecarga sensorial. Sobrecarregados e em busca de alívio, os potenciais clientes podem optar por adiar ou até mesmo cancelar decisões de compra.

Da parte do consumidor, a necessidade de distanciamento reflete na tentativa de redução do tempo de utilização de aparelhos eletrônicos – grandes portões de entrada para os estímulos digitais. “O excesso de estímulos impacta o consumidor em vários momentos, e por isso, ele acaba buscando escapes, momentos para descarregar o acúmulo e evitar novas sobrecargas. Muitas pessoas estão tentando reduzir a quantidade de digital que consomem, como as redes sociais”, ressalta Mirela Dufrayer, Líder de Marketing LATAM na WGSN, em bate-papo com o Clube Mundo do Marketing

Em sua participação no Clube, Mirela Dufrayer discorre sobre medidas que podem ajudar as marcas a encontrar formas de lidar com o consumidor hiperestimulado. Clique aqui para acessar:

Leia também: Coca-Cola e as perguntas para melhorar a Jornada do Consumidor

* Com supervisão de Priscilla Oliveira


Publicidade