Startup quer eliminar apps de relacionamento com um experimento Bruno Mello 26 de abril de 2023

Startup quer eliminar apps de relacionamento com um experimento

         

Pear busca conectar jovens presencialmente e buscar contato perdido após a era digital

Publicidade

Os jovens estão se cansando dos aplicativos de namoro no Reino Unido. Para atender esta demanda, uma startup vem buscando reconectar as pessoas presencialmente de uma forma discreta e simbólica: um anel escrito Pear (“pêra”). O acessório turquesa foi projetado para mostrar a estranhos que quem o utiliza é solteiro. O experimento busca mostrar que Tinder ou Grindr estão ultrapassados. No entanto, os solteiros devem usar o anel para nesta experiência social e demonstrar a sua disponibilidade em encontrar um parceiro.

O detalhe é que a peça custa 19,99 libras, ou pouco mais de R$ 125,00. “Se 1,2 bilhão de solteiros em todo o mundo usassem um pequeno anel verde no dedo para mostrar que são solteiros, não precisaríamos de aplicativos de namoro. A conexão na vida real é a missão”, diz um comunicado no site da Pear.

Por valor, o usuário recebe três anéis de pêra em três tamanhos diferentes, além de “um número de associação exclusivo” e um convite para o “PearFest”, além de acesso a “eventos gratuitos exclusivos em [sua] cidade”. Até agora, o “primeiro lançamento” de anéis esgotou, com a venda do segundo lote terminando.

Em alternativa ao anel, o Pear convida todos os solteiros interessados em levar o mundo dos encontros para a vida real a acrescentar o emoji de uma pêra à sua biografia nas redes sociais. Desta forma, outros utilizadores saberão que aquela pessoa está disponível para receber mensagens.

De acordo com pesquisa recente do aplicativo de namoro Inner Circle, três em cada quatro pessoas solteiras no Reino Unido preferem encontrar um futuro parceiro na vida real – e ainda assim, em média, só abordam alguém de quem gostam pessoalmente apenas uma vez a cada 2,4 anos. Apenas três em cada 10 pessoas disseram ter sido abordadas por alguém nos últimos três meses. A razão por trás dessas descobertas contraditórias? 61% das pessoas disseram que se sentem nervosas ao abordar alguém na vida real.

Leia também: Geração Z gasta mais com transporte por aplicativo, mercados e fastfoods, segundo estudo do Itaú Unibanco


Publicidade