Oferecer comodidade ao consumidor é a tarefa da estação para o Marketing. E, para isso, operações de todos os segmentos fazem investimentos cada vez mais expressivos em tecnologia. No setor aéreo, tanto os aeroportos quanto as companhias aéreas aumentaram os gastos com tecnologia da informação (TI) no ano passado, com valores de investimento estimados em US$ 10,8 bilhões e US$ 34,5 bilhões, respectivamente, conforme apontam os dados do relatório “Transporte Aéreo – Insights em TI – 2023”, divulgado pela SITA.

Os investimentos se refletem em recursos para a melhoria das jornadas dos passageiros, como o uso da biometria no embarque, a utilização de dados para a promoção de eficiências operacionais e soluções ecológicas para a otimização do consumo de energia e as emissões de carbono do setor, reconhecidamente, um dos mais poluentes do planeta.

Dados do relatório revelam que a biometria é uma aliada fundamental para ajudar a reduzir o congestionamento nos aeroportos. Em vista disso, 70% das companhias aéreas esperam ter um gerenciamento de identificação biométrica implementado até 2026 e 90% dos aeroportos estão investindo em programas importantes ou em pesquisa e desenvolvimento (P&D) nessa área.

A medida ganha ainda mais relevância com a recuperação pós-pandemia dos aeroportos. Segundo David Lavorel, CEO da SITA, a demanda por voos domésticos já supera os níveis pré-pandêmicos e, em algumas áreas, as companhias aéreas e os aeroportos aprenderam com o congestionamento e as interrupções observadas nos últimos dois anos.

Os Chief Information Officers (CIOs) do setor também estão investindo em ferramentas que possibilitam a continuidade de processos comumente afetados por interrupções que impactam diretamente a jornada dos viajantes. Buscando aumentar a eficiência e simplificar os processos para passageiros e funcionários, os CIOs estão adotando soluções de TI para inteligência empresarial (a maior área de investimento em tecnologia para companhias aéreas), inteligência artificial (IA) e compartilhamento de dados.

Isso porque a maioria dos entrevistados pela SITA classificou  o “uso de dados para melhorar a eficiência operacional” como um desafio comercial. Em vista disso, 97% das companhias aéreas e 82% dos aeroportos planejam investir em IA até 2026. Com efeito, Business Intelligence (BI) será a maior área de investimento em tecnologia para as companhias aéreas nos próximos três anos, com 73% investindo em grandes programas.

Outra frente de investimento para os aeroportos é formada pelo aprimoramento sistemas de gerenciamento de energia e de edifícios – uma prioridade fundamental para oferecer uma abordagem unificada sobre as oportunidades de reduzir emissões. O relatório estima que o investimento nestes recursos cresça mais do que qualquer outra iniciativa de sustentabilidade aeroportuária e, até 2026, mais da metade dos aeroportos planejam realizar esse tipo de investimento.

Lavorel ressalta que o compartilhamento avançado de dados e ferramentas analíticas permitirá que o setor una os stakeholders e identifique oportunidades de maior eficiência e operações otimizadas. Soluções como o gerenciamento total de aeroportos e BI para processamento de passageiros fornecem aos aeroportos e companhias aéreas uma visão em tempo real do gerenciamento de ativos e do fluxo de passageiros, permitindo respostas ágeis e colaborativas a quaisquer interrupções.

Leia também: WhatsApp passa a permitir reserva de assentos em avião e marcação de consulta

Clube Mundo do Marketing