Presentes no mercado brasileiro desde 1961, as famosas canetas Bic conquistaram o consumidor por sua simplicidade e versatilidade. Essas características contribuíram para a extrapolação da função primária da caneta, que se tornou um acessório multiuso em diversas situações. “Quem é um pouco mais velho, como eu, deve se lembrar da época em que costumávamos rebobinar fitas cassete com a Bic”, brinca Rodrigo Iasi, Diretor de Marketing da Bic, em bate-papo com o Clube Mundo do Marketing.

Provando-se companheiras fiéis em diversas ocasiões de uso, as canetas Bic estabeleceram conexões emocionais com os consumidores. A longeva relação de carinho da marca com os brasileiros ecoa na venda de 400 milhões de canetas por ano e se espalhou para todo o portfólio da marca, que também é conhecida por seus isqueiros e lâminas descartáveis. Atualmente, essa construção histórica, pautada pela simplicidade, representa o DNA da Bic em todos os seus produtos e mantém a marca em um lugar de destaque no mercado brasileiro.

Mas nem só de lembranças vive a marca francesa: de olho no potencial para a inovação, em 2023, a Bic promete trazer novidades em todos os setores para enriquecer a experiência dos consumidores brasileiros. “Temos novidades a caminho, e o time de Marketing está a todo o vapor. Lançar um produto envolve todo um trabalho prévio nos bastidores: temos que preparar os produtos, preparar o storytelling para o varejo e para o consumidor, as campanhas, a embalagem, o preço, a estratégia de distribuição”, revela o Diretor de Marketing.

Alavancas de crescimento para se manter no páreo

Inserida em diversos segmentos, cada qual com suas peculiaridades, necessidades e tamanhos, a Bic se mantém atenta tanto ao movimento dos consumidores quanto às ações dos concorrentes para se manter relevante no mercado. Para isso, a empresa tem alavancas de crescimento bem definidas para cada setor de atuação, o que contribuiu para a manutenção da presença da marca na vida do consumidor brasileiro. “A Bic é dividida em três categorias, três segmentos, e cada um deles equivale aproximadamente a um terço do faturamento. Cada categoria tem a sua dinâmica, o seu desafio e a sua alavanca de crescimento”, conta Iasi.

Uma destas categorias é o setor de papelaria. A empresa busca na inovação formas de expansão no setor. Para isso, a Bic investe na categoria de arte e criatividade, cujo foco principal é o público infantil – comumente, um público que não se encaixa no consumo das tradicionais canetas. “Os consumidores começam a utilizar canetas perto da adolescência, mas podem entrar na categoria com giz de cera, lápis de cor e canetinha. Normalmente, é assim que entramos nas casas e nas escolas. Temos players muito fortes no mercado brasileiro, e nesse segmento, a Bic ainda não é líder. Estamos ganhando participação de mercado e temos muito espaço para crescer”, prossegue o Diretor.

Nos últimos anos, a empresa vem desenvolvendo soluções criativas para as campanhas relativas à introdução e venda de outros produtos essenciais do portfólio, como os isqueiros e as lâminas descartáveis. “Há quase três anos, lançamos toda uma linha de isqueiros decorados, com estampa. Esses isqueiros são um pouquinho mais caros, mas as pessoas adoram, porque eles carregam o aspecto colecionável. Essa é uma alavanca de crescimento”, pontua.

No mercado de lâminas de barbear, mais acirrado do que os demais, a empresa francesa aposta no composto de Marketing para elevar seu percentual de Marketing Share – que atualmente, atinge a casa dos 30%. “Nossa estratégia passa pelo preço correto, dentro da proposta de valor da marca, aceleração de inovação – hoje, quem vai numa gôndola de supermercado pode encontrar várias soluções em lâminas da Bic – comunicação, tanto no ponto de venda quanto em toda a jornada dos consumidores, e, por último mas não menos importante importante, a distribuição”, conclui Iasi.

Global e local unem forças

Presente em mais de 160 países, a Bic se tornou referência global em todos os setores em que atua. O sucesso da marca passa pelo lançamento de operações e campanhas capazes de atender às peculiaridades e as nuances de cada país, a partir da observação de elementos culturais, hábitos e costumes.

Para tornar mais eficiente o processo de observação, a sede da empresa desenvolveu o setor Consumer Marketing Insights (CMI), que alimenta os escritórios locais espalhados pelo planeta com pesquisas de tendências, comportamentos e atitudes desenvolvidas individualmente em cada país. “Uma vez alcançado o entendimento, detectamos oportunidades nas necessidades dos consumidores, que podem ou não se refletir em produtos e serviços ou não. Caso reflitam, nasce um projeto, que começa a ser desenvolvido globalmente ou localmente”, explica o Diretor.

No Brasil, a empresa possui dados locais cruciais para a introdução e oferta de novas linhas de produtos. “Por hábito e por costume, metade do uso de fósforo no Brasil está na região nordeste. Aí está a oportunidade: sabemos que o isqueiro Bic acende 3 mil vezes. Para igualar essa capacidade, seriam necessárias 75 caixas de fósforo. Então, um isqueiro Bic representa uma economia de 30x. Assim, montamos a campanha Economize com Bic, voltada principalmente para o nordeste”, finaliza Iasi.

Durante o bate-papo com o Clube Mundo do Marketing, Rodrigo Iasi destacou a importância da escolha e da gestão dos canais de distribuição físicos e digitais para o sucesso da operação da Bic. O Diretor detalhou, também, a estratégia de produção e distribuição da marca no país. Clique aqui para acessar a conversa:

Leia também: BIC foca em experiência do consumidor e ações 360 para 2023