Meta cria novo modelo de linguagem de aprendizado de máquina Bruno Mello 24 de fevereiro de 2023

Meta cria novo modelo de linguagem de aprendizado de máquina

         

Ferramenta de pesquisa deve resolver alguns dos problemas que afligem os modelos de linguagem de IA

Publicidade

O sucesso do OpenAI vem chamando a atenção de diversas empresas, dentre elas a Meta, empresa-mãe do Facebook. Para se aproximar das ferramentas de aprendizado de máquina, Mark Zuckerberg lançou um novo gerador de linguagem AI chamado LLaMA.

A novidade não é como ChatGPT ou Bing e não é um sistema com o qual qualquer um possa conversar. Em vez disso, é uma ferramenta de pesquisa que a Meta diz que está compartilhando na esperança de “democratizar o acesso neste campo importante e em rápida mudança”. Em outras palavras: ajudar os especialistas a desvendar os problemas dos modelos de linguagem da IA, desde o viés e a toxicidade até a tendência de simplesmente inventar informações.

Para esse fim, a Meta está lançando o LLaMA (que na verdade não é um sistema único, mas um quarteto de modelos de tamanhos diferentes) sob “uma licença não comercial focada em casos de uso de pesquisa”, com acesso concedido a grupos como universidades, ONGs e laboratórios industriais.

A Meta afirma que a segunda versão menor do modelo LLaMA, LLaMA-13B, tem desempenho melhor do que o popular modelo GPT-3 da OpenAI “na maioria dos benchmarks”, enquanto o maior, LLaMA-65B é “competitivo com os melhores modelos”, como o Chinchilla70B da DeepMind e o PaLM 540B do Google. 

“Hoje estamos lançando um novo modelo de linguagem grande de IA de última geração chamado LLaMA, projetado para ajudar os pesquisadores a avançar em seu trabalho. Os LLMs se mostraram muito promissores na geração de texto, conversas, resumo de material escrito e tarefas mais complicadas, como resolver teoremas matemáticos ou prever estruturas de proteínas. A Meta está comprometida com esse modelo aberto de pesquisa e disponibilizaremos nosso novo modelo para a comunidade de pesquisa de IA”, disse o CEO Mark Zuckerberg em um post no Facebook.

Leia também: ChatGPT e AI no Marketing: artificialidade pode reproduzir a emoção das marcas?


Publicidade