O mercado de beleza vem sendo modificado pouco a pouco na sua abordagem perante ao consumidor. Depois da “beleza real”, que muitos adotaram nos últimos anos, ao incluir a diversidade de pessoas em suas campanhas, o setor deve ser ainda mais questionado quanto às características reais dos modelos utilizados. No Marketing de Influência esse é um movimento que vem crescendo e empurrará para que cada vez mais setores façam uso de personagens reais.

A tendência por padrões hiper-realistas foi apontada no relatório Top Beauty Trends for 2023 and Beyond, da WGSN. De acordo com a consultoria, os consumidores de beleza continuarão a exigir padrões hiper-realistas em toda a categoria de beleza e cuidados pessoais, levando a mudanças no nível da marca. 

Uma nova era de hiper-realismo estimulará o apetite por produtos que abordam tópicos “não sensuais”, com marcas e consumidores adotando e se divertindo com perfis realistas, disse o relatório. O mercado veria marcas criando produtos e soluções para questões “antes consideradas embaraçosas demais para serem discutidas”, disse, de espinhas e pelos encravados a suor sob os seios e bigodes com melasma. 

Mudança já começou

As pesquisas na web e tendências de mídia social estavam apoiando isso. No TikTok, os vídeos marcados como #BodyHairPositivity já haviam conquistado 100 milhões de visualizações e as pesquisas mundiais no Google por “manchas de espinhas” triplicaram de 2020 a 2022, de acordo com a WGSN. 

Clare Varga, diretora de beleza da WGSN, prevê que os consumidores rejeitem as narrativas de beleza que promovem modelos ideais. Em vez disso, esses consumidores se concentrariam em designs personalizados e inclusivos que atendessem a todos, disse ela. “Esse novo perfil de consumo está redesenhando o que significa beleza ao escolher marcas, varejistas e produtos que os façam se sentir bem-vindos, servidos e vistos”, avalia.

A Mintel também destacou a quebra de tabus como um movimento importante para moldar a beleza em 2023, alimentado por um aumento nas abordagens de autocuidado mais holísticas. Andrew McDougall, diretor de pesquisa de beleza e cuidados pessoais da Mintel, afirmou que “trata-se de marcas tendo uma conversa honesta com os consumidores, fornecendo-lhes produtos que atendem às suas necessidades e buscando informações e educação”.

Cabelos raspados, sobrancelhas por fazer, manchas na pele e tudo aquilo que antes era escondido ganhará o seu valor, segundo as análises de tendências.

Leia também: Setor de beleza e higiene segue em alta, avalia IPC Maps