<p>As vendas do varejo brasileiro cresceram 10,9% em julho deste ano, comparado com o mesmo período do ano passado. Segundo o IBGE, o resultado leva o acumulado do ano a uma expansão de 11,4% em relação aos primeiros sete meses de 2009. O desempenho do setor no Brasil ficou acima das principais economias do mundo. Nos Estados Unidos, as vendas do varejo aumentaram 5,23%, enquanto nos países da Zona do Euro houve alta de 1,1% no período.</p> <p>Nos primeiros sete meses de 2010, as vendas do varejo norte-americano acumularam alta de 6,1% e na Zona do Euro o avanço foi de 0,7%. Por aqui, o destaque de julho foram, mais uma vez, os setores de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com crescimento de 11% na comparação anual. “A massa salarial avançou 8,4% em julho e a inflação de alimentos está sob controle, o que influenciou diretamente o desempenho do segmento”, comenta Luiz Goes, Sócio-Sênior e Diretor da GS&MD – Gouvêa de Souza.</p> <p>Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria vivem um momento favorável, registrando expansão de 8,4% na comparação anual. Livros, jornais, revistas e papelarias também tiveram um desempenho positivo (7,4%), seguidos por outros artigos e uso pessoal e doméstico (9,4%). Entre os setores mais dependentes de crédito, o destaque ficou para equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, com crescimento de 20,3%, o maior do varejo em julho.</p> <p>Outros segmentos que se beneficiaram das condições de crédito favoráveis foram material de construção (14,9%) – no nono mês seguido de expansão – e móveis e eletrodomésticos (12,2%). Já tecidos, vestuário e calçados alcançaram alta de 12,5% em julho, o que levou o crescimento acumulado do ano a 10,5%.</p>