Um Senhor Mercado – os 40+ 1 de agosto de 2019

Um Senhor Mercado – os 40+

         

A inclusão etária é muito mais do que uma simples causa, um tema midiático ou uma ação institucional, mas sim uma necessidade premente do nosso mercado

Publicidade

Eu era criança, me tornei jovem, depois moço e, agora… senhor?! Tenho 50 anos e ainda não me acostumei quando me chamam desta forma. Estou muito longe de me sentir idoso, sênior ou ancião; para mim estes termos já estão totalmente envelhecidos. Se, em 1940, a expectativa de vida dos brasileiros era de pouco mais de 40 anos; em 2050 vai dobrar. Nesta mesma época, os 50+ serão quase metade da nossa população. Em termos globais, este grupo etário também assumirá o protagonismo demográfico já que, pela primeira vez na história da humanidade, será superior à quantidade de crianças até 14 anos.

A inclusão etária é muito mais do que uma simples causa, um tema midiático ou uma ação institucional, mas sim uma necessidade premente. Questões relacionadas à longevidade devem ser encaradas como uma prioridade diária, seja no que tange a uma equilibrada base familiar, seja no âmbito de uma sociedade plural e inclusiva.

No Brasil, os 50+ movimentam mais de R$ 1,8 trilhão e compõem a fatia da população com o maior poder aquisitivo. Relatórios comprovam, por exemplo, o destaque desta faixa etária nos e-commerces brasileiros, com 31% do total das compras, enquanto que, no “Black Friday”/2018, estes consumidores adquiriram 1,4 vezes mais celulares do que aqueles entre 18 e 49 anos.

A economia da longevidade, que se expande com enorme voracidade, também é ampla em sua abrangência, atingindo segmentos como viagens e entretenimento, moda e beleza, inovações e tecnologia, casas e ambientes.

Uma iniciativa que prolifera velozmente são as moradias inteligentes e compartilhadas (“cohousing”), algumas projetadas exclusivamente para 50+. Elas focam no senso de comunidade e propiciam privacidade, segurança, sociabilização e qualidade de vida, minimizando questões como a ociosidade, o isolamento e a depressão.

A tendência é desvincular cada vez mais o termo envelhecimento a doenças terminais e atrelá-lo ao bem-estar. O Google, por exemplo, fundou a Calico, empresa de pesquisas de mapeamento genético que tem como missão descobrir o gene da juventude, enquanto a recente “gerontecnologia” surgiu como uma especialidade, inter e multidisciplinar, que combina gerontologia e tecnologia a fim de propiciar soluções que beneficiem o dia a dia deste público.

Ser produtivo física e mentalmente se tornou iminente, gerando uma crescente demanda pela andragogia, tanto no sentido de obter uma capacitação para empregabilidade, como para exercer uma atividade empreendedora consciente e sustentável.

Recente estudo publicado pela Harvard Business Review revelou que, devido à experiência profissional que adquiriram ao longo dos anos, os 50+ obtêm taxas de sucesso empresariais bem superiores em relação às demais faixas etárias. Você sabia que a média de idade dos CEOs das empresas listadas na Bolsa é de 55 anos? E que Henri Nestlé iniciou a empresa com 52 anos, mesma idade de Ray Kroc quando abriu a primeira loja do McDonald’s? Já John Pemberton inaugurou a Coca-Cola com 55 anos e Charles Flint fundou a IBM quando tinha 61 anos.

No Brasil, também há casos muito interessantes: Assis Chateaubriand deu início à TV Tupi com 58 anos e Roberto Marinho inaugurou a Rede Globo aos 60 anos. Os exemplos são variados, como Alzira Ramos que, ao ficar desempregada com 60 anos, criou a Fábrica de Bolo Vó Alzira, hoje uma franquia com mais de 200 lojas; o empresário Permínio Moreira que, aos 68 anos, fundou a fintech Ekko e a patenteou em 180 países; e o youtuber Nilson Papinho que, aos 72 anos, mantém um canal com 4,8 milhões de seguidores.

O mercado 50+ já é uma realidade: representa US$ 15 trilhões globalmente, o equivalente a 50% do total do consumo. O direcionamento dos produtos especificamente para este nicho e a personalização das experiências oferecidas são formas de conquistar a confiança, engajar e fidelizar este consumidor. No caso do varejo, é possível inovar através de lojas mais acessíveis, gôndolas inteligentes, produtos com fácil usabilidade e rótulos bem legíveis. No entanto, as empresas ainda têm um longo caminho de amadurecimento. Nos EUA, por exemplo, menos de 1% dos carros novos são vendidos para quem tem menos de 25 anos e 75% para os 40+. Já no Reino Unido, esta faixa etária possui 75% do poder de consumo do mercado, mas só recebe 5% dos investimentos publicitários.

Este ano, o painel “The 50+ Goldmine: Sparking Creativity’s Coming of Age”, do “Festival de Cannes”, um dos principais da publicidade mundial, destacou justamente o negligenciamento do consumidor 50+, advertindo para o equívoco de propagandas com mensagens estereotipadas e para a significativa perda de receita por ignorarem as múltiplas oportunidades proporcionadas pela economia longeva. Apesar do alerta, o evento registrou exemplos positivos, como a marca de cosméticos Covergirl, que apresentou o desfile de uma modelo 70+, e a Gillette, que criou um aparelho de barbear para homens que não conseguem fazer suas barbas sozinhos. Uma das palestrantes, Bozoma St John, CMO da Endeavor, sublinhou: “Estamos falando sobre negócios, então precisamos prestar atenção em quem compra os nossos produtos. Por que esses consumidores são ignorados? Por que não focamos na conversão deles?”.

Trata-se de uma mudança de paradigma. Temos que abolir definitivamente o ageísmo, eliminando o preconceito generacional, e integrar as características mais relevantes de cada grupo etário para a construção de uma sociedade rica na diversidade, saudável em seus propósitos e fortalecida em seus valores.

Na prática, o público 50+ deve ser adjetivado como uma valiosa fonte de conhecimentos, uma inestimável disseminadora de experiências e uma riquíssima força econômica. Enfim, é uma “senhora idade”!

Mensagem da ONU: “Uma sociedade para todas as idades possui metas para dar aos idosos a oportunidade de continuar contribuindo com a sociedade. Para trabalhar neste sentido é necessário remover tudo que representa exclusão e discriminação contra eles” (Plano de Ação Internacional sobre o Envelhecimento/Madrid, 2002).


Publicidade