A criatividade tem sido uma habilidade cada vez mais valorizada e destacada em um mundo cheio de informação e desafios, principalmente em áreas como o Marketing e a Comunicação. Mas afinal, o que é preciso para ser uma pessoa criativa? É algo inato? Como a saúde mental pode impactar nesta característica? Como a neurociência se relaciona com isso?

Engana-se quem acredita que apenas artistas e grandes inventores são criativos. A neurociência defende que todos somos, basta explorar esta capacidade sem medo de errar. A criatividade está ligada à capacidade de relacionar analogias já existentes entre si, de modo a gerar novos significados e ideias inovadoras.

O cérebro do criativo

Diversas partes do cérebro são responsáveis pela criatividade, entre elas são destacadas o córtex frontal e o hipocampo. A primeira é considerada a área com funções referentes à memória e ao planejamento, já a segunda é responsável pela criação de ideias. Para cruzar as analogias na mente, são usados o córtex associativo e o córtex pré-frontal. Portanto, como o órgão é crucial para o processo, ele precisa estar saudável e feliz.

O cérebro de uma pessoa criativa precisa ser constantemente estimulado e exercitado, isso pode ser feito por meio do esforço de sair da zona de conforto, cultivar muitas ideias, registrá-las, e não se estressar tanto com o resultado final. Quando estamos relaxados surgem as melhores soluções, já notou?

A capacidade de imaginação do futuro faz parte do processo de criação de ideias, assim como a busca por muitas referências e repertório e uma vida com interações no mundo real. Não basta ficar preso ao mundo virtual para ser criativo. Conhecer pessoas e lugares diferentes ajuda bastante no processo da criatividade.

Um estilo de vida sadio é parte integrante da mente criativa. Sem uma boa saúde física e mental, o cérebro não trabalha suficientemente bem, o que pode prejudicar o processo. Sempre procure uma alimentação saudável com muitos alimentos naturais, sobretudo aqueles ricos em vitaminas do complexo B, que auxiliam na produção de energia das células cerebrais e melhoram o humor, como legumes, folhas verde-escuras, ovos e grãos integrais. Além disso, adicione a prática de exercícios físicos na rotina; tenha boas noites de sono e reserve espaço na agenda para o lazer e o ócio, os momentos de descontração são imperativos para uma vida de qualidade.

Um cérebro feliz e saudável é um cérebro criativo. Inclua as dicas anteriores em seus hábitos diários e não se esqueça de seguir o seu Ikigai (conceito japonês que incentiva as pessoas a encontrarem sua razão de viver para equilibrar a vocação e as paixões), no empenho por uma vida criativa.

*Dr. Sérgio Okamoto é médico especialista em Saúde Ocupacional e Superintendente Geral do Hospital Nipo-Brasileiro. O Hospital Nipo-Brasileiro foi fundado nos 80 anos da imigração japonesa no Brasil.