Em 2023, o número de marcas investindo mais de 1,5 milhão de reais em Marketing de influência dobrou em comparação a 2022. A força dos influencers no Brasil é bem conhecida: estima-se que, só no Instagram, o país abrigue aproximadamente 10,5 milhões de influencers, além de milhões que se destacam em outras plataformas, como YouTube e TikTok.

Em meio aos números, publicados na pesquisa “Quem te influencia?”, de autoria da MindMiners em parceria com a YouPix, surgem as perguntas: quais são as marcas mais lembradas por seu investimento em Marketing de Influência e qual é o impacto real deste esforço sobre o ímpeto dos consumidores?

Começando do começo, a pesquisa aponta que 51% do público entrevistado tende a se lembrar mais dos anúncios e publicidades que contam com um influenciador. Na percepção dos respondentes, O Boticário (6%) é a marca mais mencionada ou indicada por influencers. Fecham o Top 5 Natura (5%), Samsung (4%), Avon (4%) e Blaze (3%).

Não por acaso, a categoria beleza e cuidados pessoais aparece no topo do ranking de produtos adquiridos em função da influência, com 57% dos entrevistados afirmando já terem adquirido itens deste segmento após a recomendação de um influenciador.

Por outro lado, o impacto de uma recomendação tende a respeitar alguns estágios anteriores à compra. Neste contexto, a pesquisa aponta que 67% dos entrevistados são movidos a pesquisar melhor sobre os produtos e serviços de uma marca recomendada antes de adquiri-los. Apenas 16% dos respondentes disseram realizar compras no mesmo instante em que são impactados por um publi post.

Pontos de atenção

Lembrada de forma espontânea por 4% dos entrevistados pela MindMiners, a Avon estabeleceu importantes diretrizes para o trabalho com influencers. Em bate-papo com o Clube Mundo do Marketing, Juliana Barros, Diretora executiva de Marketing e Comunicação da Avon Brasil, destacou a busca por influenciadores que compartilham dos mesmos ideais da marca para a promoção de campanhas mais autênticas.

Os números da pesquisa endossam a importância deste esforço: 48% dos entrevistados disseram se sentir incomodados ao sentirem que um influencer se preocupa mais com os próprios lucros do que em criar conteúdos relevantes. Outros 28% citam o desgosto por publicidades que claramente não estão alinhadas com o estilo e com os valores do influenciador.

Perguntados sobre o que poderia melhorar nas campanhas de Marketing de Influência, 47% dos entrevistados disseram que gostariam de ver os influenciadores provando e testando os produtos durante a publi. Para 34%, os valores da marca devem estar alinhados aos dos influencers.

De acordo com a pesquisa, a autenticidade é o principal impulsionador do interesse das pessoas nos criadores de conteúdo como influenciadores. Para 49% dos entrevistados, o conteúdo do dia a dia é o formato preferido, seguido por dicas (44%) e caixas de perguntas em stories (37%).

Leia também: Das revistas ao WhatsApp: as estratégias da Avon para se conectar com o consumidor

Quem disse Berenice? - Clube Mundo do Marketing