Newsletter # 05 da NRF2011 ? Valor Agregado 13 de janeiro de 2011

Newsletter # 05 da NRF2011 ? Valor Agregado

         

Em Janeiro aconteceu, em Nova York, o maior evento de varejo do mundo, organizado pela NRF (National Retail Federation)

Publicidade

<p>Em Janeiro aconteceu, em Nova York, o maior evento de varejo do mundo, organizado pela NRF (National Retail Federation). Todas as aten&ccedil;&otilde;es estavam voltadas para saber a &ldquo;temperatura&rdquo; da economia americana e as medidas que as empresas americanas tomariam. <br /> <br /> A feira de exposi&ccedil;&atilde;o contou com aproximadamente 450 expositores, sendo que 95% deles estavam relacionados com tecnologia, 90% com algum tipo de solu&ccedil;&atilde;o envolvendo software e quatro patrocinadores &ldquo;Premium&rdquo;: IBM, Microsoft, Oracle e SAP. Isto mostra claramente a rela&ccedil;&atilde;o simbi&oacute;tica entre varejo e tecnologia.<br /> <br /> Todos os holofotes estavam apontando para o tema de mobilidade e o impacto que os celulares ter&atilde;o nos consumidores e no varejo nos pr&oacute;ximos anos. <br /> <br /> Contudo, algumas empresas mostraram solu&ccedil;&otilde;es que podem trazer resultados de curto prazo para os empres&aacute;rios: ferramentas de an&aacute;lise de informa&ccedil;&otilde;es e apoio na tomada de decis&otilde;es. Isto sim, trazendo &ldquo;VALOR AGREGADO IMEDIATO&rdquo; aos neg&oacute;cios, saindo do arroz-com-feij&atilde;o (sistemas transacionais) para modelos de an&aacute;lise de dados e modelos preditivos. Esta capacidade anal&iacute;tica permitir&aacute; que as decis&otilde;es saiam do n&iacute;vel individual (ou intuitivo) indo para os n&iacute;veis departamentais, permitindo estabelecer estrat&eacute;gias e focos. E, mais importante, saindo do n&iacute;vel de otimiza&ccedil;&atilde;o do &ldquo;bottom line&rdquo; para ter expans&atilde;o do &ldquo;top line&rdquo;, ou seja, crescimento com base s&oacute;lida e sustent&aacute;vel.<br /> <br /> Eu tinha um chefe que falava que os consumidores n&atilde;o valorizam uma tecnologia se eles puderem fazer a mesma coisa &ldquo;na m&atilde;o&rdquo;. At&eacute; pouco tempo atr&aacute;s era poss&iacute;vel gerenciar sua empresa &ldquo;na m&atilde;o&rdquo;, ent&atilde;o, a tecnologia tinha pouco valor agregado. Mesmo o BI (Business Intelligence) era visto como aliado fraco tentando consolidar alguns dos infinitos dados armazenados pelos ERPs (sistema de gest&atilde;o empresarial). A utiliza&ccedil;&atilde;o de modelos de preditivos faz com que o software fa&ccedil;a as an&aacute;lises e recomende as a&ccedil;&otilde;es e &eacute; isto que as empresas americanas est&atilde;o usando com maestria. Vou citar apenas um dos muitos exemplos que vi l&aacute;.<br /> <br /> Voc&ecirc; entra em um estabelecimento e seu celular se conecta ao sistema da loja sabendo quem voc&ecirc; &eacute; e acessando a montanha de dados acumulados e registrados atrav&eacute;s de seu cart&atilde;o de fidelidade. O sistema da loja est&aacute; ligado&nbsp;a todos os sistemas da empresa e ao site de clima e previs&atilde;o do tempo. Ent&atilde;o, com base no meu perfil de compra, estoque da loja e clima do tempo aparece no meu celular uma promo&ccedil;&atilde;o especial (e individual) com pre&ccedil;o diferenciado para um determinado vinho, um convite para participar da degusta&ccedil;&atilde;o e uma receita de pato que harmoniza perfeitamente com o vinho recomendado. <br /> <br /> Um conjunto de tecnologias que se complementam e se viabilizam pelo software de an&aacute;lise de dados e modelos preditivos. Coisas que &ldquo;n&atilde;o d&aacute; para fazer na m&atilde;o&rdquo;. Coisas que finalmente v&atilde;o mostrar aos usu&aacute;rios que tecnologia &eacute; VALOR AGREGADO e n&atilde;o CUSTO. Bom, pelo menos para quem souber entender e vender isto.<br /> <br /> Mas, ser&aacute; que at&eacute; agora TI foi s&oacute; um custo e n&atilde;o valor agregado para o varejo? SIM, segundo alguns palestrantes e participantes do evento.<br /> <br /> A tecnologia, at&eacute; hoje, foi implementada nos n&iacute;veis mais primitivos do varejo &ndash; reduzindo custos, mas n&atilde;o atuando como fator de valor agregado aos neg&oacute;cios. A tecnologia para o varejo &eacute; implementada em 3 n&iacute;veis:<br /> <br /> 1) N&iacute;vel de infra-estrutura &ndash; impressoras fiscais, POS (ponto de venda) e TEF (transa&ccedil;&otilde;es de pagamentos eletr&ocirc;nicos), atendendo basicamente um requisito legal<br /> <br /> 2) N&iacute;vel de transa&ccedil;&otilde;es &ndash; software de gest&atilde;o da loja (frente de loja e retaguarda), oferecendo basicamente um sistema cont&aacute;bil, financeiro e de gest&atilde;o de estoques<br /> <br /> 3) N&iacute;vel estrat&eacute;gico &ndash; este ser&aacute; o grande foco da tecnologia para o varejo nos pr&oacute;ximos anos. Daqui sair&atilde;o sistemas de apoio a decis&otilde;es com modelos preditivos capazes de analisar o desempenho da loja, perfil e h&aacute;bitos dos consumidores e recomendar pre&ccedil;os, promo&ccedil;&otilde;es, campanhas, aloca&ccedil;&atilde;o de funcion&aacute;rios, posi&ccedil;&atilde;o de produtos na loja (ou g&ocirc;ndolas). Neste momento, o software ser&aacute; um grande aliado para os neg&oacute;cios desempenhando um papel equivalente um grande n&uacute;mero de excelentes especialistas.<br /> <br /> No n&iacute;vel estrat&eacute;gico os sistemas de apoio a decis&atilde;o tamb&eacute;m podem ser classificados em n&iacute;veis come&ccedil;ando com relat&oacute;rios e indo para pesquisas (queries), alertas e an&aacute;lises estat&iacute;sticas. Seguindo para um n&iacute;vel mais sofisticado, os sistemas deveriam ter intelig&ecirc;ncia e oferecer previs&otilde;es (forecasting) atrav&eacute;s de modelos preditivos e recomenda&ccedil;&otilde;es de estrat&eacute;gias e otimiza&ccedil;&atilde;o de processos.<br /> <br /> Os modelos preditivos cobrir&atilde;o an&aacute;lises em 4 dimens&otilde;es:<br /> &bull; Clientes &ndash; o que querem, quando e como querem comprar<br /> &bull; Mercadorias &ndash; onde est&atilde;o e onde deveriam estar para melhorar as vendas<br /> &bull; Opera&ccedil;&otilde;es &ndash; otimizac&atilde;o de processos permitindo fazer mais, melhor e mais barato<br /> &bull; Recursos Humanos &ndash; quem contratar e onde alocar os profissionais<br /> <br /> Esta capacidade anal&iacute;tica permitir&aacute; que as decis&otilde;es saiam do n&iacute;vel individual (ou intuitivo) indo para os n&iacute;veis departamentais, permitindo estabelecer estrat&eacute;gias e focos. E, mais importante, saindo do n&iacute;vel de otimiza&ccedil;&atilde;o do &ldquo;bottom line&rdquo; para ter expans&atilde;o do &ldquo;top line&rdquo;, ou seja, crescimento com base s&oacute;lida e sustent&aacute;vel.<br /> <br /> Neste momento, o software ter&aacute; um papel fundamental deixando de ser um elemento de &ldquo;opera&ccedil;&atilde;o&rdquo; para ser um grande aliado nos processos de consolida&ccedil;&atilde;o, integra&ccedil;&atilde;o, otimiza&ccedil;&atilde;o e levando a empresa ao n&iacute;vel m&aacute;ximo de estrutura&ccedil;&atilde;o permitindo novas estrat&eacute;gias e modelos de neg&oacute;cios. Neste ponto inovar far&aacute; muito sentido porque ter&aacute; grande chance de sucesso com seus riscos minimizados.<br /> <br /> Atualmente a inova&ccedil;&atilde;o pode ser uma aventura j&aacute; que as empresas n&atilde;o t&ecirc;m os insumos de opera&ccedil;&atilde;o, consolida&ccedil;&atilde;o, integra&ccedil;&atilde;o e otimiza&ccedil;&atilde;o necess&aacute;rios para preparar um ambiente para algo novo como tamb&eacute;m n&atilde;o t&ecirc;m ferramentas para medir o sucesso e o retorno da inova&ccedil;&atilde;o.<br /> <br /> Tipicamente, o fundador de uma empresa &eacute; extremamente empreendedor, inovador e intuitivo. O software tamb&eacute;m ajudar&aacute; a dar sustenta&ccedil;&atilde;o &agrave;s decis&otilde;es que seriam tomadas de maneira intuitiva. Uma das metodologias prev&ecirc; que uma empresa ser&aacute; bem sucedida se tiver Dados, Integra&ccedil;&atilde;o dos dados (e n&atilde;o ilhas de informa&ccedil;&atilde;o), L&iacute;deres que valorizem an&aacute;lise de dados, Foco e Analistas capazes de analisar todos os dados coletados e junto com os l&iacute;deres desenharem novos modelos de neg&oacute;cios e diferenciais competitivos.<br /> <br /> Enfim, o software ser&aacute; componente fundamental e essencial para o sucesso das empresas de varejo.<br /> <br /> (*) Dagoberto Hajjar (dagoberto.hajjar@advanceconsulting.com.br) trabalhou 10 anos no Citibank em diversas fun&ccedil;&otilde;es de tecnologia e de neg&oacute;cios, 2 anos no Banco ABN-AMRO, e, 9 anos na Microsoft exercendo, entre outros, as atividades de Diretor de Internet, Diretor de Marketing, e Diretor de Estrat&eacute;gia. Atualmente &eacute; Diretor da ADVANCE &ndash; empresa de planejamento e a&ccedil;&otilde;es para empresas que querem crescer.</p>


Publicidade