L?Occitane quer triplicar faturamento no Brasil com novos produtos e lojas 24 de junho de 2010

L?Occitane quer triplicar faturamento no Brasil com novos produtos e lojas

         

Marca inicia operação própria no país e pretende sair de 53 pontos-de-venda para 150 em três anos

<p><img alt="L’Occitane quer triplicar faturamento no Brasil lançando produtos e abrindo lojas" align="right" width="307" height="210" src="/images/materias/loccitane_fachada.jpg" />Presente há 15 anos no Brasil, a L’Occitane começa a dar os primeiros passos de uma nova história. Desde julho de 2009, a operação brasileira é subsidiária da matriz, na França. O objetivo da empresa é sair das 53 lojas atuais para 150, em três anos, e triplicar o faturamento, que chegou a R$ 102 milhões no ano passado. Para isso, a marca pretende lançar 80 produtos no mercado nacional ainda este ano.</p> <p>Atuando em mais de 100 países, com 85 operações diretas e cerca de 1.300 lojas, a empresa de cosméticos tem crescido 35% anualmente e fatura quase € 700 milhões no mundo. Além da expansão, a estratégia com foco no mercado brasileiro inclui um investimento em Marketing até então inédito. Serão aproximadamente R$ 20 milhões usados em ações como mídia impressa, e-mail Marketing e treinamentos das equipes de atendimento.</p> <p>O ponto-de-venda é a principal ferramenta da marca. Nas lojas, os consumidores vivem as experiências proporcionadas pelo ambiente e pelos produtos. “Nossos valores são base para crescimento e desenvolvimento. A sensorialidade é o lado do bem estar, com fragrâncias únicas, texturas e embalagens diferentes”, conta Anna Chaia, Presidente da L’Occitane no Brasil.</p> <p><strong><img alt="L’Occitane quer triplicar faturamento no Brasil lançando produtos e abrindo lojas" align="left" width="300" height="189" src="/images/materias/loccitane_divine.jpg" />Produtos chegarão mais rápido ao Brasil</strong> <br /> Outros dois valores da companhia são a autenticidade e a rastreabilidade das matérias-primas utilizadas, desde o fornecedor à produção. A mudança na operação brasileira da L’Occitane, antes parte de uma distribuidora que tinha os direitos de venda, distribuição e uso da marca no país, representa estar em sintonia com o foco estratégico da multinacional. Uma das principais mudanças é a forma de lançamento dos produtos no mercado brasileiro.</p> <p>Se antes as novidades poderiam levar um ano, ou até dois, para chegar por aqui, agora, elas chegam com um intervalo de quatro a seis meses. É o caso do creme antissinais Divine, da linha Immortelle. O principal lançamento da marca no mundo este ano começou a ser comercializado no exterior durante o inverno europeu e estará disponível para os brasileiros a partir de setembro.</p> <p>A chegada do Divine (foto) no Brasil pretende aquecer as vendas da linha de cosméticos faciais. "Hoje, os produtos para tratamento facial são responsáveis por 10% do faturamento da L'Occitane. Queremos aumentar esta participação em 50%, chegando a 15% do faturamento total", diz Ana.<br /> <br /> <strong>Lojas terão mesmo portfólio da França</strong><br /> A importância do Brasil para a matriz é tanta que o ritmo de expansão será, em média, de duas unidades abertas a cada mês. Entre as lojas que serão inauguradas, algumas terão exatamente o mesmo portfólio de produtos encontrado na França. Outras serão adaptadas, de acordo com o tamanho de cada ponto-de-venda, que pode variar de 37m² a 85m².</p> <p><img alt="L’Occitane quer triplicar faturamento no Brasil lançando produtos e abrindo lojas" align="right" width="335" height="247" src="/images/materias/loccitane_interior.jpg" />“O segundo semestre está cheio de novidades. O portfólio da L’Occitane é bem diversificado e conta com fragrâncias, linhas masculina e feminina e de cuidados faciais. Podemos dizer que os lançamentos incluirão um pouco de cada categoria”, explica Patricia Tonetti, Diretora de Marketing da L’Occitane no Brasil, em entrevista ao Mundo do Marketing.</p> <p>Junto com os lançamentos, a companhia foca três pilares. “Começamos a investir em publicidade, com campanhas de mídia em revistas e nos principais jornais, e priorizamos tudo o que diz respeito à loja e à experiência vivenciada pelos consumidores. Outro ponto importante é o foco interno, seguindo os modelos e as práticas franceses para implementar a operação brasileira de forma bem-sucedida”, completa Patricia.</p> <p><strong>Sustentabilidade é marca da L’Occitane</strong><br /> O comando da matriz também inclui a gestão do varejo. “Dirigimos a estratégia. O que antes não era olhado, como o tíquete médio das lojas, quantos clientes tínhamos por dia e quais linhas eram mais vendidas, agora é percebido”, ressalta a Presidente da L’Occitane no Brasil, em entrevista ao Mundo do Marketing. O slogan “Beleza com história” é um exemplo da credibilidade e do foco no Brasil. Criada no país, a assinatura está em fase de teste no restante do mundo.</p> <p>Outra oportunidade para o mercado nacional inclui ainda uma característica da marca desde sua criação: a preocupação com o meio ambiente e a sustentabilidade. Fundada em 1976, na região da Provence, França, a L’Occitane é pioneira no uso de óleos essenciais naturais e de manteiga de karité para elaborar produtos das linhas para casa, cuidados faciais, corporais e perfumes.</p> <p><img alt="L’Occitane quer triplicar faturamento no Brasil lançando produtos e abrindo lojas" align="left" width="199" height="273" src="/images/materias/loccitane_Anna_Chaia.jpg" />Preocupada em unir tecnologia e sustentabilidade, desde 1982, a multinacional mantém um projeto na África, em que apoia uma comunidade de mulheres que produzem artesanalmente a manteiga de karité. A companhia também foi a primeira do segmento de cosméticos a lançar rótulos em braile. No aniversário de 30 anos, foi criada a Fundação L’Occitane, que cuida do cultivo de manteiga no continente africano, além de outros projetos como o investimento em ações para deficientes visuais.</p> <p><strong>Patentes exigem originalidade e inovação</strong><br /> O respeito à natureza é tema da comunicação da multinacional, que não utiliza modelos. “Não colocamos fotos de mulheres nas campanhas da L’Occitane. Sempre evidenciamos o ingrediente, o produto e a natureza, que é o nosso plano de fundo. Acreditamos que a beleza tem várias formas de expressão. Seria prepotente usar um único rosto para simbolizar”, acredita Ana (foto).</p> <p>A matriz conta com um departamento de ingredientes sustentáveis, onde são realizadas pesquisas e testes para o lançamento de linhas como a Oliva (foto abaixo), a primeira 100% certificada, com ingredientes de origem natural e orgânica. “Em respeito à terra utilizamos água reciclada na maior parte do tempo. Também reduzimos o transporte aéreo e mais de 95% da distribuição das mercadorias é feita por via marítima”, relata o francês Jean-Louis Pierrisnard, que entrou no grupo em 1986 e desde 2002 ocupa o cargo de Head de Pesquisa e Desenvolvimento da L’occitane.</p> <p>Pierrisnard foi o responsável pelo surgimento das principais linhas da marca, como Immortelle, Amêndoa, Manteiga de Karité, Verbana e Aromacologia. O creme Divine, por exemplo, é resultado de um trabalho de cinco anos com pesquisas nos Estados Unidos e na França e muitos testes. Todo o investimento em inovação levou a L’Occitane a conquistar nove patentes nos últimos anos. “Para conseguir uma patente, é necessário um produto realmente original”, conta.</p> <p><strong><img alt="L’Occitane quer triplicar faturamento no Brasil lançando produtos e abrindo lojas" align="right" width="287" height="232" src="/images/materias/loccitane_oliva.jpg" />Loja virtual será lançada ainda este ano</strong><br /> O foco em tecnologia, sustentabilidade e matérias-primas de qualidade é responsável por encarecer os produtos da marca. O creme Divine é vendido por € 80,00 na Europa e, por aqui, custará R$ 255,00. “O litro do óleo essencial de Immortelle custa € 1.200,00, enquanto o de lavanda sai por mais ou menos € 80,00”, justifica Pierrisnard.</p> <p>Para agregar valor aos produtos, além da qualidade, a L’Occitane aposta na relação do consumidor com a marca. “O grande diferencial da L’Occitane é a inovação e a experiência baseada nos valores da marca. Acredito que é uma composição de fatores: o atendimento, o serviço, o visual da loja, a liberdade de andar pelo ponto-de-venda, tocar e experimentar produtos”, aponta a Diretora de Marketing.</p> <p>Muitos consumidores costumam ser fiéis à marca e até mesmo a lojas específicas. “O contato é praticamente pessoal. Se o cliente dá liberdade, o gerente liga, comunica sobre as atividades”, comenta Patricia. Em abril, 50 mil consumidores dos 170 mil cadastrados para receberem e-mail Marketing foram convidados a irem às lojas L’Occitane para participarem de um SPA facial, que promovia lançamentos. “A troca de experiências é o verdadeiro relacionamento”, completa a executiva.</p> <p>Além das lojas, o SPA L’Occitane é outro braço da marca. O primeiro foi aberto em São Paulo e hoje há também um em Recife. Até o fim do ano, o Rio de Janeiro receberá uma loja em Ipanema e São Paulo terá o segundo SPA da empresa. Ainda em 2010, a L’Occitane também estará no e-commerce. “Nosso site transmite o posicionamento da marca. No segmento de cosméticos, as pessoas costumam consultar produtos, olhar lojas e ver endereço. A internet é cada vez mais uma ferramenta estratégica e até o fim do ano teremos uma loja virtual”, conta Patricia ao portal.<em><br /> <br /> *Com reportagem de Bruno Mello</em></p>