Investimento em comércio unificado gera receita seis vezes maior, avalia estudo da Manhattan Bruno Mello 31 de março de 2023

Investimento em comércio unificado gera receita seis vezes maior, avalia estudo da Manhattan

         

Levantamento contou com 124 varejistas de 11 segmentos diferentes

Publicidade

As empresas do varejo que apostam no comércio unificado são capazes de gerar um crescimento de receita até seis vezes maior que as demais. O dado foi revelado pela pesquisa “Unified Commerce Benchmark”, lançada pela Manhattan, empresa de soluções tecnológicas para comércio e cadeia de suprimentos, em parceria com o Google Cloud e a Zebra Technologies. O estudo destinado às especialidades do varejo, realizado pela Incisiv, avaliou 124 varejistas em 11 segmentos na implementação de 286 atributos-chave do comércio unificado.

Com base em informações reais de compras, devoluções e jornadas de clientes em canais digitais e físicos, a pesquisa revela os atributos comuns de varejistas de sucesso e as oportunidades para outros empreendedores do setor melhorarem os resultados e modernizarem as operações. Dos 124 varejistas avaliados, 15 se destacaram como líderes. São as marcas Sephora, MAC Cosmetics, Levi’s, Macy’s, Academy Sports + Outdoors, American Eagle Outfitters, Belk Inc., Crate & Barrel, Neiman Marcus, Nordstrom, Pandora, REI Co-op, Saks Fifth Avenue, UGG e Zales.

No ecossistema em rápida evolução, os varejistas precisam de visibilidade completa e informações sobre todos os aspectos de seus negócios, desde o back-end até o atendimento ao cliente. As soluções de comércio unificado combinam os sistemas front-end e back-end do varejista para estabelecer uma visão única do negócio.

Ela traz uma melhor base para a tomada de decisões e aprimora as experiências do cliente, ao mesmo tempo em que permite que as marcas identifiquem e respondam às tendências rapidamente, gerando um crescimento de receita até seis vezes maior. No entanto, consolidar sistemas e criar uma solução de comércio unificado coesa pode ser bastante desafiador. 

O estudo identificou os seguintes desafios comuns nos esforços dos varejistas para adotar esse novo modelo:

– Personalização  Os varejistas precisam ser capazes de identificar a intenção do comprador e criar uma experiência personalizada que atenda às suas expectativas. No entanto, apenas 38% dos varejistas estudados fornecem aos colaboradores de suas lojas acesso ao histórico de compras do cliente e listas de desejos em todos os canais. Apenas 20% dos varejistas forneceram recomendações e ofertas personalizadas de produtos. Como categoria, as marcas verticais nativas digitais (DNVBs) superaram os varejistas em geral, com 42% delas oferecendo recursos avançados de personalização – 16 pontos à frente do grupo geral pesquisado.

– Visibilidade do estoque em tempo real – A visibilidade do estoque alocável e vendável e a capacidade de localização avançada são essenciais para os varejistas que desejam fornecer uma experiência omnicanal perfeita. Apenas 29% dos varejistas estudados fornecem estatísticas de estoque em tempo real em suas páginas de detalhes do produto.

– Conveniência e Flexibilidade – Hoje, conveniência é mais importante do que apenas velocidade de entrega. A conveniência abrange o fornecimento de várias opções de pagamento e entrega e a capacidade de fazer alterações em um pedido após a venda. Apenas 15% dos varejistas estudados forneceram a opção de alterar o método de atendimento após a confirmação do pedido. Em média, apenas 27% dos varejistas fornecem a possibilidade de devolver as compras na loja online.

Visão dos especialistas

De acordo com o CEO da Manhattan, Eddie Capel, os compradores não veem os canais da mesma forma que os varejistas. O comércio unificado só consegue fornecer a experiência de compra altamente personalizada esperada pelos consumidores de hoje se houver verdadeira visibilidade da disponibilidade de estoque e flexibilidade durante e após a venda.

“Para cumprir a promessa do comércio unificado, os varejistas devem conectar experiências digitais e pessoais e todos os dados e sistemas que as permitem”, afirmou Carrie Tharp, vice-presidente de retail e consumer do Google Cloud. 

Para Giri Agarwal, diretor de estratégia da Incisiv: “O comércio unificado é o novo campo de batalha para os varejistas se diferenciarem. Nosso estudo 2023 Unified Commerce Benchmark mostra que os líderes que adotaram o comércio unificado oferecem experiências de cliente altamente diferenciadas e perfeitas em todos os canais, aproveitando a tecnologia e os dados para impulsionar o crescimento da receita. Os insights deste estudo não apenas ajudarão os varejistas a se manterem atualizados, mas também os ajudarão a se destacar”.

Leia também: E-commerce brasileiro lidera o ranking mundial de crescimento


Publicidade