A Gol passou a adotar o uso de tênis nos uniformes dos colaboradores, mudando um conceito adotado há anos na categoria. A novidade chega em parceria com a Yuool, fashiontech especializada em calçados. No lugar de sapato e salto alto, os funcionários da Companhia aérea poderão optar pelo uso do tênis da marca. Com a parceria, a Gol quebra um paradigma de décadas e passa a priorizar conforto e sustentabilidade.

A fashiotech é conhecida por seus produtos sustentáveis. Para a Gol, a Yuool desenvolveu um modelo exclusivo, com materiais específicos: um tênis com cabedal – que é a parte de cima do calçado – feito 100% de garrafas pet recicladas e solado de grafeno, o que traz maior resistência ao produto. Isso não só muda a cultura da vestimenta dos colaboradores, principalmente da tripulação, como segue uma demanda global de cuidado com o meio ambiente.

A Yuool usa cerca de 10 garrafas plásticas recicladas para cada par produzido. Portanto, no total serão  110 mil utilizadas para a ação com a equipe da Gol. Além disso, a matéria-prima é rastreada, permitindo saber se o material foi realmente reciclado e qual sua origem. 

Desde que entrou no mercado, em 2017, o propósito da Yuool é garantir conforto com produtos genderless. “Hoje, todos já entendem que as pessoas trabalham melhor quando se sentem bem. Ao firmar essa parceria, abrindo a possibilidade do uso de tênis aos colaboradores e revolucionando a cultura da vestimenta aérea, a Gol deixa sua marca na história e é muito gratificante fazer parte dela”, diz Eduardo Rocha Abichequer, co-fundador e CEO da Yuool.

A Companhia aérea já tem um histórico de pioneirismo dentro da aviação brasileira. “Tomamos a decisão de buscar essa novidade para nossas Águias, em parceria com a Yuool, justamente depois que eu e o corpo executivo estivemos em algumas de nossas bases conversando com os colaboradores. Os aeroportos estão ficando mais modernos e aumentando de tamanho. O tênis trará mais leveza e comodidade às caminhadas”, afirma Jean Nogueira, Chief People Officer da GOL. 

Leia também: O que a tecnologia pode fazer pela moda?