Depois de enfrentar algumas dificuldades no último ano, o varejo começa 2024 com as tradicionais liquidações! Entre algumas das grandes varejistas – exceção feita à Magazine Luiza, Casas Bahia e MercadoLivre – há um comportamento inusitado: boa parte ainda não anunciou ações grandiosas. Os pequenos e médios varejistas, por sua vez, aproveitam a ocasião para queimar estoques, fazer o capital girar, ganhar fôlego para investir em novos produtos e tentar acabar com itens cujo apelo de vendas estão muito ligados a datas comemorativas, por exemplo.

Para alavancar as liquidações também pelos canais digitais, recomendo que sejam adotadas estratégias especiais. A progressão de descontos, por exemplo, costuma funcionar muito bem, especialmente nos casos de ações do tipo ‘compre 2 e leve 3’, ‘50% de desconto na segunda peça de igual ou menor valor’, além de envios de brindes. Claro, para determinar a melhor estratégia é necessário avaliar o custo-benefício que cada uma dessas ações pode trazer.

É importante definir um prazo para duração da liquidação ou queima de estoque. A duração precisa ficar clara aos clientes, bem como as condições em que elas ocorrem, produtos contemplados, etc. Esses detalhes são extremamente importantes, porque ao proporcionar uma boa experiência ao consumidor, torna-se provável que a sensação de realização de um bom negócio influencie diretamente na realização de outras compras mesmo em períodos em que não houver campanhas do gênero vigentes.

Além de tudo isso, é importante trabalhar na divulgação das ações promocionais propostas. Há, inclusive, diversos canais que podem ser aproveitados para isso. O e-mail marketing, por exemplo, oferece uma oportunidade única não só de fazer uma comunicação clara e objetiva, mas de personalização das ofertas praticadas. A ferramenta torna possível, por exemplo, entregar ao cliente uma oferta especial relacionada a um produto que já tenha lhe atraído anteriormente.

Ao personalizar a comunicação com o cliente, a loja online não só eleva a experiência de compra oferecida, como passa a experimentar um aumento sensível na taxa de conversão de vendas. A consequência, claro, é o aumento do faturamento e a fidelização dos clientes, com o estabelecimento de um vínculo de confiança.

Liquidar estoques não precisa ser uma iniciativa meramente comercial. Há inúmeras oportunidades, nessa ação considerada tão tradicional e convencional para os estabelecimentos comerciais. Basta planejar com cuidado e buscar as oportunidades, que muitos dos concorrentes não estão enxergando. Preparados!?

*Felipe Rodrigues é especialista em e-commerce, fundador e CEO do ENVIOU – plataforma especializada em ferramentas e soluções para automação do marketing para e-commerce