É fato que dados são essenciais para o marketing moderno. Eles são responsáveis por permitir que as empresas entendam melhor seus clientes, seus comportamentos e suas necessidades e, com base nessa compreensão, elas podem criar estratégias de marketing mais eficazes e direcionadas. A produção, circulação e armazenamento de dados nas redes digitais, principalmente com o aumento do consumo através dos dispositivos móveis, já é medido hoje em Zettabytes (ZB), algo que equivale a 1 trilhão de Gigabytes. As projeções do IDC – The Digitalization of de World, são de que, até 2025, o total de dados gerados, capturados e replicados no mundo chegará a 175 ZB e continuará a crescer exponencialmente. Só para se ter uma ideia do que isso representa, se fossemos armazenar toda essa quantidade de dados em DVDs (lembra deles?) teríamos uma pilha que daria a volta na terra 222 vezes!

Esse volume inimaginável de informação tornou-se fundamental para o Marketing Digital, que se baseia em tais dados para elaborar estratégias assertivas levando em conta o comportamento dos consumidores e suas preferências. Por isso, hoje, lidar bem com as informações geradas e armazenadas na rede, apesar de um desafio, é questão de sobrevivência para as empresas de qualquer porte ou setor.

A pergunta que se faz, então, é: como as organizações vão conseguir gerenciar tamanha quantidade de dados? A solução passa pelos Data Warehouses, sistemas que vem fazendo a diferença na atuação em  Marketing. Para quem ainda não está familiarizado com ele, um Data Warehouse é uma forma de armazenar dados projetada para suportar todo o processo de tomada de decisões em uma organização.

Ele é um repositório centralizado que coleta, armazena e organiza grandes volumes de dados de diferentes fontes dentro de uma empresa. O objetivo principal de um Data Warehouse é fornecer um ambiente otimizado para análise e relatórios, permitindo que os usuários realizem consultas complexas e obtenham insights estratégicos.

Entre os benefícios práticos desse sistema podemos citar a integração de dados de várias fontes diferentes – como bancos de dados operacionais, sistemas de CRM (Customer Relationship Management) e de ERP (Enterprise Resource Planning). Além disso, os DW garantem desempenho rápido e eficiente em consultas analíticas complexas, utilizando índices, agregações e outras técnicas de otimização, e são capazes de implementar medidas de segurança rigorosas para garantir que apenas usuários autorizados tenham acesso aos dados sensíveis da organização.

Ter sua marca assistida por um DW é poder contar com uma dimensão ampla, profunda e detalhada sobre os dados produzidos por sua empresa e seus clientes. Com ele é possível também armazenar todo o histórico de dados produzidos, o que, na prática, faz grande diferença para uma análise mais criteriosa de suas estratégias.

Com a consulta a esse histórico, conseguimos prever campanhas, checar quais estão com as melhores performances e gerar relatórios mais detalhados com insights que direcionam suas estratégias com maior clareza e assertividade. Os DW também possuem a capacidade segmentar clientes com base em dados demográficos, comportamentais e outras variáveis e são eficientes para avaliar o desempenho de produtos e serviços. Tudo isso significa maior facilidade e segurança para antecipar as mudanças de mercado e avaliar o retorno sobre investimento (ROI) de várias iniciativas.

As empresas que ainda fazem uso de ferramentas mais tradicionais para o armazenamento de dados, como servidores físicos e planilhas, não devem perder mais tempo em se atualizar. Só assim conseguirão ter uma visão ampla e objetiva sobre o volume cada vez maior de informações que terão de administrar. Vale ressaltar que, para além da facilitação na administração de grande volume de dados, o uso de WD é uma tendência imprescindível para quem deseja estar à frente no mercado.

*Bruno Cunha Lima é engenheiro e sócio-fundador e COO da Kipiai, empresa voltada para trazer inteligência ao Marketing Digital