Pensar na diversidade de opções de plataformas de entretenimento como um facilitador na hora de escolher o tipo de conteúdo a ser consumido em ocasiões específicas sempre pareceu algo natural – até agora. De acordo com o relatório Reinvent for Growth, divulgado pela Accenture, a forma de encarar as experiências de entretenimento está mudando.

Seis em cada sete consumidores em todo o mundo desejam uma plataforma completa, capaz de simplificar as experiências de entretenimento. Além disso, 41% dos entrevistados pela pesquisa afirmaram que pagariam por uma plataforma única para seus serviços de entretenimento. Na prática, para consumar o desejo do consumidor, o mercado teria que oferecer serviços como os da Netflix (monopolizando o catálogo de todos os demais serviços de streaming on demand), Amazon, Spotify e outros em uma única plataforma.

Por trás do desejo dos consumidores, estão alguns fatores cruciais. John Peters, diretor geral da prática de Mídia e Entretenimento na Accenture, pontua que existe um limite para o que as pessoas estão dispostas a pagar pelos serviços de entretenimento, além de um nível de complexidade e número de opções com os quais estão preparados para lidar.

Para aliviar as dores dos clientes, o diretor sugere que as empresas reformem os ecossistemas de entretenimento, de modo a alcançar índices significativos de crescimento ao mesmo tempo em que ajudam os consumidores a obter tudo o que precisam.

Ajude o cliente ou…
Números adicionais do relatório endossam a recomendação de Peters, principalmente no segmento de serviços de streaming: 35% dos consumidores cancelaram ao menos um dos cinco principais serviços de streaming de vídeo on demand nos últimos 12 meses, e 26% planejam cortar um ou mais ao longo do ano.

Estes cortes estão diretamente ligados à frustração enfrentada pela maioria dos consumidores na hora de interagir com os catálogos dos serviços contratados. 76% dos entrevistados relataram frustração ao encontrar algo para assistir, porcentagem 6% maior do que a registrada em 2021.

Além da frustração, há também a sensação de sobrecarga: 55% dos consumidores afirmam sofrer com a sensação, causada pelo número excessivo de serviços disponíveis, e 26% disseram que podem levar mais de 10 minutos para escolher uma plataforma.

Diante deste cenário, Imran Shah, diretor geral do grupo de Comunicação, Mídia & Tecnologia da Accenture, conclui que o futuro do setor de mídia está nas plataformas agregadas. Cultivadoras de audiência, essas plataformas são capazes de criar e monetizar o conteúdo em várias formas, como vídeo, música e games, unindo serviços e tendo como foco a relação conteúdo/custo e a garantia de inclusão em pacotes agregadores de público.