Confiança ou relutância: como os brasileiros enxergam o avanço da Inteligência Artificial Bruno Mello 17 de abril de 2023

Confiança ou relutância: como os brasileiros enxergam o avanço da Inteligência Artificial

         

Estudo da KPMG aponta que 84% dos brasileiros confiam nas ferramentas de IA; no entanto, relutância e desconfiança também influenciam a percepção da amostra

Publicidade

Comumente, confiança e relutância são termos opostos, mas não necessariamente excludentes. Essa afirmação se aplica bem à percepção dos brasileiros a respeito da Inteligência Artificial. O estudo “Confiança na inteligência artificial”, desenvolvido e publicado pela KPMG, aponta que 84% dos entrevistados no país enxergam na IA uma ferramenta confiável; por outro lado, 19% disseram estar relutantes sobre o uso desse recurso.

Entre os dois extremos, o recheio da amostra é composto por 56% dos brasileiros. Essa população se diz disposta a confiar na Inteligência Artificial – o que significa que, em algum momento após experimentarem as novas tecnologias, eles devem engrossar ou o lado da total confiança, ou o lado da relutância.

Nesse cenário diverso, a relação do brasileiro envolve pitadas de otimismo, medo ou preocupação. Mesmo assim, o panorama geral sugere que os brasileiros nutrem expectativas boas ou moderadas em relação aos benefícios da IA: enquanto 93% dos entrevistados enxergam o avanço da tecnologia com bons olhos, apenas 49% expressam medo e 47% relatam algum tipo de preocupação.

Analisando a fundo a natureza das preocupações, o estudo destaca os principais fatores para a relutância do público. 66% dos brasileiros se preocupam com questões de segurança cibernética – afinal, é consenso que a Inteligência Artificial trará avanços em campos positivos e negativos. Nesse sentido, encaixa-se, ainda, os 63% que relatam preocupação quanto à manipulação ou uso prejudicial da IA. Finalmente, 57% dos entrevistados afirmam se preocupar com a possível perda dos postos de trabalho para a automação.

Para Ricardo Santana, sócio-líder de análise de dados da KPMG no Brasil, os bons índices de confiança dos brasileiros sobre o emprego da Inteligência Artificial estão relacionados à rápida implementação da tecnologia, que já se tornou onipresente na vida cotidiana e no trabalho, e está melhorando previsões, otimizando produtos e serviços, estimulando a produtividade e aumentando a inovação. Por outro lado, Santana destaca que os brasileiros não estão cegos para os riscos da IA, e a preocupação pode ser explicada pelo sentimento de que o impacto social da ferramenta ainda é incerto.

Leia também: 5 previsões do setor de varejo para 2023 segundo a NRF


Publicidade