15 tendências de design que transformarão a relação das pessoas com as marcas em 2024 Bruno Mello 30 de janeiro de 2024

15 tendências de design que transformarão a relação das pessoas com as marcas em 2024

         

Estudo da CBA B+G apresenta movimentos que devem nascer, se transformar ou se intensificar nos próximos 12 meses

15 tendências de design que transformarão a relação das pessoas com as marcas em 2024
Publicidade

Meio ambiente, Empoderamento, Bem-estar, Sociedade e Acesso são os cinco pilares que ditarão as tendências em design no ano de 2024. Os dados são do relatório “Useful Design Trends”, realizado pela CBA B+G, que realiza uma análise contínua do comportamento humano, das transformações corporativas, evoluções tecnológicas e novas demandas e necessidades sociais.

O estudo apresenta 15 tendências ao redor desses pilares. Por meio delas, são apresentadas ações que devem nascer, se intensificar e/ou perdurar para além dos próximos 12 meses, com exemplos práticos de soluções e aplicações já realizadas por marcas e empresas que possuem, por meio de seus produtos e serviços, um poderoso agente de transformação e progresso.

Luis Bartolomei, sócio e CEO da CBA B+G, destaca que em um mundo em que a mudança é a única constante, a capacidade de discernir modismos passageiros de tendências duradouras é mais importante do que nunca. “Isso é especialmente verdadeiro no campo do design, onde o impacto de uma tendência pode ir muito além da estética, moldando nosso ambiente, a sociedade e até mesmo nosso senso de identidade”, afirmou.

No total, a análise abrange mais de 40 setores e 90 estudos de caso, garantindo uma perspectiva global e uma visão ampla, abrangente e diversificada do cenário do design. Confira abaixo um resumo de cada uma das 15 tendências.

Meio Ambiente

1. O Básico Reimaginado

A inovação material pode não ser um tema inovador em si, mas as novas camadas de complexidade que esse debate está recebendo são. À medida que as indústrias buscam implementar modelos circulares, começamos a entender a logística envolvida para garantir uma cadeia de produção eficiente e mais verde. Nesse contexto, as marcas estão percebendo que se tornar uma pioneira envolve desenvolver um modelo renovável e escalável, desafiando os limites do que entendemos como inovação material.

2. Vida Útil Estendida

Estamos caminhando para uma economia em que o valor de um produto é cada vez mais medido por sua durabilidade, reparabilidade e sustentabilidade. Ao fazer com que seus produtos durem mais ou dar-lhes uma segunda vida, as marcas não estão apenas respondendo à demanda do consumidor, mas também estabelecendo um novo padrão para a produção e o consumo responsáveis.

3. Futuro Ancestral

A fusão do velho com o novo nunca foi tão relevante. À medida que enfrentamos desafios globais sem precedentes, há um reconhecimento crescente da sabedoria e das práticas dos povos indígenas e originários. Essas tradições, muitas vezes esquecidas ou marginalizadas, estão agora na vanguarda das soluções sustentáveis. Marcas e iniciativas globais estão incorporando essas práticas não apenas como uma homenagem ao passado, mas como um caminho crítico para o futuro.

Empoderamento

4. Padrão Universal

A inclusão continua a ganhar força. As marcas estão redefinindo a representação da deficiência, reconhecendo um nicho emergente. No entanto, a abordagem está evoluindo. Em vez de apenas adaptar produtos para alguns, a ênfase está no design universal – criando para todos, independentemente de seus desafios únicos, sejam problemas de mobilidade, deficiências visuais, autismo ou tremores de Parkinson.

5. Fora da Caixa

O mundo pós-pandêmico é caótico. O isolamento social trouxe maior espaço para experimentar modos e estilos de vida. Por outro lado, a construção da identidade virtual tornou-se mais importante. A perfeição não faz mais sentido. Ao rejeitar as normas e a estética tradicionais, a Geração Z abraça o caos, a imperfeição e a originalidade – e as marcas podem experimentar e ousar ainda mais, permitindo que seu público saia da zona de conforto.

6. Morte do Gênero

O discurso contemporâneo sobre identidade de gênero está mais intenso que nunca. Especialmente dentro das Gerações Z e Alfa, a noção de classificação binária de gênero é cada vez mais vista como ultrapassada e restritiva. Para permitir que os indivíduos se libertem de estereótipos, as marcas devem apoiá-los em suas jornadas, mostrando uma nova forma de se dirigir ao público que não prioriza a classificação de gênero. O conceito de neutralidade de gênero no design pode ser colorido, variado e celebrar o vasto espectro da expressão humana.

Bem-estar

7. Menopower

Até 2025, a menopausa deve evoluir de um tópico de saúde de nicho para uma força dominante. Com um bilhão de mulheres entrando globalmente na perimenopausa, o aumento das soluções centradas na menopausa é inevitável. Cada vez mais mulheres estão desafiando o estereótipo ultrapassado de que a idade dita a capacidade física e intelectual. Essa tendência sintetiza uma atitude transformadora em relação ao envelhecimento, alimentada pelo empoderamento feminino.

8. Sex Education

Na última década, fronteiras sociais outrora rígidas em torno da sexualidade começaram a abrandar, particularmente no que diz respeito às mulheres e à comunidade LGBTQIA+. À medida que a positividade sexual se torna mais arraigada na sociedade, marcas também estão intensificando seu posicionamento. Essa mudança não se restringe a nichos de mercado. Marcas em vários setores estão reconhecendo a natureza entrelaçada da sexualidade e bem-estar, particularmente evidente na perspectiva holística da Geração Z e da Geração Alfa.

9. As Drogas Boas

A narrativa em torno das substâncias psicotrópicas está evoluindo. Elementos antes estigmatizados, como cannabis e psicodélicos, estão em transição para mercados legais. Em essência, o domínio do bem-estar testemunha a crescente demanda por soluções mais suaves e inspiradas na natureza – que atendam perfeitamente às nossas necessidades físicas, mentais e emocionais, tudo envolto em uma aura premium.

Sociedade

10. A.I.: Criatividade Turbinada

A inteligência artificial está redefinindo a forma como as pessoas percebem e abordam os relacionamentos. Em nossa visão, a IA não impacta apenas o trabalho de design, atividade que exige um alto grau de criatividade, mas também transforma o pensamento estratégico de empresas e clientes que buscam eficiência e melhores resultados. A grande questão que surge é: a IA pode substituir a intuição humana? Marcas e designers devem abordar a IA com uma mente aberta, mas também com cautela, garantindo que a tecnologia seja usada de forma responsável e autêntica.

11. Escolhas Inteligentes

Para um mundo mais sustentável, saudável e compassivo, a chave não está apenas nos gestos grandiosos, mas nos hábitos cotidianos que cultivamos. E marcas estão assumindo papéis ativos na formação do comportamento do consumidor em direção a escolhas mais sábias. Cada vez mais empresas estão integrando o design comportamental em suas estratégias, mas as marcas devem liderar pelo exemplo. Autenticidade e transparência são cruciais.

 12. Juntos é Melhor

A crescente necessidade de conexão e senso de pertencimento está levando ao surgimento de comunidades que se concentram em torno de experiências, origens e interesses compartilhados. Em meio ao caos digital, diversas marcas e plataformas estão surgindo como exemplos, criando espaços onde os indivíduos podem encontrar sua tribo, compartilhar suas histórias e apoiar uns aos outros.

Acesso

13. Use com Sabedoria

Globalmente, os consumidores estão lidando com o aumento do custo de vida. Crises energéticas, imobiliárias e inflacionárias impulsionam a escalada dos preços – e muitas marcas estão evoluindo em resposta. Além de oferecer descontos ou preços mais baixos, elas têm se posicionado como aliadas do consumidor, sinalizando compreensão e solidariedade nestes tempos desafiadores.

14. Guerra da Micromobilidade

À medida que as sociedades visam reduzir as pegadas de carbono, há uma mudança visível no cenário tradicional dominado por carros para soluções de mobilidade diversificadas e ecológicas. Embora os veículos elétricos sejam anunciados como o futuro, os holofotes também estão voltados para métodos alternativos de deslocamento, como ciclismo, caminhada e transporte público. Neste contexto, marcas de diversos setores, da tecnologia à moda, podem formar parcerias com soluções de micromobilidade.

15. Web3 para Todos

Na crescente era da Web3, a internet está passando por uma mudança transformadora em direção a um cenário mais democrático, transparente e descentralizado. Essa mudança de paradigma não é apenas técnica, mas ética, alinhando-se estreitamente aos princípios ESG e anunciando um novo padrão em interações e transações digitais. As marcas agora estão explorando maneiras inovadoras de se conectar com os consumidores, aproveitando a transparência do blockchain para construir confiança e lealdade. À medida que navegamos nessa nova era digital, o foco muda de meras transações para a criação de experiências significativas, éticas e colaborativas em um mundo conectado, mas descentralizado.

Leia também: 5 previsões imprevisíveis para 2024, segundo Vitor Elman

5 previsões imprevisíveis para 2024


Publicidade