Consumo doméstico brasileiro cresce e deve atingir R$ 6,7 trilhões em 2023 Bruno Mello 20 de julho de 2023

Consumo doméstico brasileiro cresce e deve atingir R$ 6,7 trilhões em 2023

         

Pesquisa IPC Maps 2023 também identificou um crescimento de 5% para o perfil empresarial no país e a ampliação da participação econômica das grandes cidades

Consumo doméstico brasileiro cresce e deve atingir R$ 6,7 trilhões em 2023
Publicidade

Com base na atual expectativa de alta do PIB em apenas 1,2%, as famílias brasileiras deverão gastar cerca de R$ 6,7 trilhões ao longo deste ano, o que representa um aumento real de 1,5% em relação a 2022. Essa é a conclusão da pesquisa IPC Maps 2023, especializada no cálculo de índices de potencial de consumo nacional.

Segundo Marcos Pazzini, sócio da IPC Marketing Editora e responsável pelo estudo, a movimentação ainda é baixa em comparação ao incremento de 4,3% verificado no ano passado, quando a economia se reergueu dos reflexos negativos da pandemia, somado aos repasses de valores significativos, por meio de programas sociais, à população mais carente.

Por outro lado, o levantamento indica a ampliação em 5% do perfil empresarial no País, resultando em mais de 1 milhão de novas unidades nos setores de indústria, serviços, comércio e agribusiness. Pazzini lembra que, de 2022 para 2023, a quantidade de empresas subiu 3,5% no interior e 6,7% nas capitais e regiões metropolitanas, contra 5% da média nacional.

Em função disso, houve uma ligeira alta na participação das 27 capitais no mercado consumidor (de 29,07% para 29,08%), após anos de quedas consecutivas. Em ascensão, também, estão as regiões metropolitanas, que passaram a responder por 16,92%, enquanto o interior reduziu sua presença para 54% no cenário nacional.

A pesquisa IPC Maps coletou dados analisando cenários específicos. Veja alguns deles:

Publicidade

Perfil básico e base consumidora

Dos 216,3 milhões de cidadãos brasileiros, 183,4 milhões moram na área urbana e são responsáveis por um consumo per capita de R$ 34 mil, contra R$ 15,1 mil gastos pela população rural.

Tradicionalmente, a classe B2 lidera o panorama econômico, representando cerca de R$ 1,5 trilhão dos gastos. Junto à B1, pertencem a 21,8% dos domicílios, assumindo 42,2% (mais de R$ 2,6 trilhões) de tudo que será desembolsado pelas famílias brasileiras.

Presentes em quase metade das residências (47,8%), C1 e C2 totalizam R$ 2,1 trilhões (33,1%) dos recursos gastos. Já o grupo D/E, que ocupa 27,8% das moradias, consumirá cerca de R$ 622,7 bilhões (10%).

Embora em menor quantidade (apenas 2,6% das famílias), a classe A vem, cada vez mais, se distanciando socialmente dos menos favorecidos e ampliando sua movimentação para R$ 911,8 bilhões (14,6%). Já na área rural, o montante de potencial de consumo deve chegar a R$ 496,3 bilhões (7,4% do total) até o final do ano. 

Perfil empresarial

Entre abril de 2022 a abril de 2023, a quantidade de empresas no Brasil cresceu 5%, totalizando 22.173.770 unidades instaladas. Destas, mais da metade (13.678.653) são Microempreendedores Individuais (MEIs), responsáveis pela criação de mais de 530 mil novos CNPJs no período.

Dentre as companhias ativas, a maioria (12,4 milhões) refere-se a atividades relacionadas a Serviços; seguida pelos segmentos de Comércio, com 5,5 milhões; Indústrias, 3,5 milhões; e Agribusiness, contando com mais de 791 mil estabelecimentos.

Em relação à distribuição de empresas no âmbito nacional, a Região Sudeste segue no topo, concentrando 51,8% das corporações, seguida pelo Sul, com 18,5%. Já no rol das regiões que estão perdendo presença, estão o Nordeste com 16,5% dos negócios, o Centro-Oeste, com 8,4%, e o Norte, com apenas 4,7% das organizações existentes no País.

Faixas etárias

A população de idosos continuará crescendo no país, chegando a 33,6 milhões em 2023. Considerando a faixa etária economicamente ativa, de 18 a 59 anos, essa margem está praticamente em 130 milhões, o que representa 60% do total de brasileiros, sendo mulheres em sua maioria.

Perdendo espaço, estão os jovens e adolescentes entre 10 e 17 anos, que somam 23,5 milhões, sendo superados por crianças de até 9 anos, grupo que manteve a média de 29,4 milhões.

Hábitos de consumo
Sobre as preferências dos consumidores na hora de gastar sua renda, o destino principal continua sendo a categoria de veículo próprio, cujas despesas chegam a comprometer 11,7% do orçamento familiar, em detrimento de outros segmentos, como alimentação e bebidas no domicílio, que respondem por 10,3% da renda domiciliar.

Ainda assim, os itens básicos são prioridade, com grande margem sobre os demais. Nesse sentido, 25,3% dos gastos destinam-se à habitação (incluindo aluguéis, impostos, luz, água e gás), 18,6% são endereçados a outras despesas (serviços em geral, reformas, seguros etc.), 6,7% são destinados a medicamentos e saúde e 4,6%  são utilizados para alimentação e bebidas fora de casa.

Também se destacam os gastos com materiais de construção (3,8%), educação (3,5%); vestuário e calçados (3,4%); recreação, cultura e viagens (3,3%), higiene pessoal (3,2%), móveis e artigos do lar e eletroeletrônicos (1,5%), transportes urbanos (1,4%), artigos de limpeza (0,5%), fumo (0,4%) e, finalmente, joias, bijuterias e armarinhos (0,2%).    

Leia também: Inflação reduziu em 25% o poder de compra do consumidor na América Latina


Publicidade