Receitas comerciais dos clubes brasileiros aumentaram 31% em 2023 Bruno Mello 18 de junho de 2024

Receitas comerciais dos clubes brasileiros aumentaram 31% em 2023

         

Cenário considera projeções sobre a participação da Red Bull no futebol nacional; empresa austríaca representou 21% dos investimentos comerciais na Série A

Receitas comerciais dos clubes brasileiros aumentaram 31% em 2023
Publicidade

Foto: NELSON ALMEIDA l Crédito: AFP via Getty Images

As receitas comerciais dos clubes que disputam a Série A, compostas pelas verbas de publicidade e patrocínio recebidas ao longo da temporada, registraram um aumento estimado em 31% no ano passado em comparação a 2022.

O dado, divulgado no Relatório Convocados, idealizado pela Galápagos Capital, considera um cenário de alta injeção financeira da Red Bull no RB Bragantino, time dirigido pela empresa austríaca no Brasil.

Projeções levantadas no relatório sugerem um crescimento de R$103 milhões nas receitas comerciais do Bragantino – o maior entre todos os clubes brasileiros. Em 2023 a empresa austríaca representou 21% do total dos investimentos comerciais na Série A.

Avaliando o período correspondente aos últimos quatro anos, o clube de Bragança Paulista representou 16,8% do total de receitas comerciais, abaixo apenas do Flamengo, que obteve 17,3%.

Publicidade

Cabe ressaltar que, sem os investimentos da Red Bull, o índice de crescimento das receitas comerciais, considerando os dados fornecidos pelos demais clubes da Série A, cairia para 18%.

receitas comercias serie A ex-red bull

Outros destaques 

O Corinthians aparece na segunda posição no ranking de maiores saltos nas receitas comerciais entre 2022 e 2023. Entre verbas de publicidade e patrocínio, a equipe do Parque São Jorge captou R$215 milhões no ano passado, um aumento de R$70 milhões no período de análise.

Grêmio (+R$47 milhões), Botafogo (+R$38 mi), Athletico e Vasco (ambos +R$20 mi) também registraram crescimentos notáveis no ano passado. Cabe ressaltar que, no ano passado, a equipe gaúcha ganhou projeção internacional ao contratar o atacante uruguaio Luis Suárez, enquanto o Botafogo dominou boa parte do Campeonato Brasileiro.

Liderando a frente de reduções na receita comercial, o Flamengo registrou um decréscimo de R$31 milhões em comparação a 2022. Mesmo assim, o rubro-negro continuou a ocupar a segunda posição no ranking de maiores aportes (R$242 milhões), atrás, apenas, do RB Bragantino (R$375 milhões).

Segundo colocado no ranking de decréscimos, o Atlético Mineiro registrou redução de R$18 milhões nas receitas comerciais em 2023 – fato curioso, considerando a inauguração da Arena MRV em abril daquele ano. São Paulo (-R$11 mi) e Palmeiras (-R$8 mi) também reportaram quedas significativas.

Participação do futebol no mercado publicitário 

Entre 2019 e 2023, a participação do futebol no mercado publicitário nacional cresceu 1,43%. Dados divulgados pela eMarketer em parceria com a Dentsu indicam um investimento publicitário estimado em R$68 bilhões no país. O futebol participou de 2,62% deste montante.

Os investimentos na modalidade se dividem em três partes bem definidas, sendo as transmissões de partidas a principal delas, com 49% das receitas captadas. Parcerias comerciais representam 36% do volume financeiro, enquanto as ações e ativações dos matchdays representam 21% do aporte.

Leia também: Ranking: Adidas e Nike são as marcas mais lembradas pelos torcedores brasileiros

Clube Mundo do Marketing


Publicidade