Profissionais de Marketing estão desanimados com falta de diversidade e inclusão Bruno Mello 15 de junho de 2023

Profissionais de Marketing estão desanimados com falta de diversidade e inclusão

         

Apesar disso, brasileiros acreditam que país já avançou nessas questões, mas ainda precisa melhorar

Profissionais de Marketing estão desanimados com falta de diversidade e inclusão
Publicidade
Prime Day Amazon

As últimas descobertas do censo global de diversidade, equidade e inclusão (DE&I) de uma coalizão de 10 organizações globais de Marketing e publicidade e marcas líderes pintam um quadro sombrio de moral no setor, com quase um em cada sete trabalhadores do setor dizendo que deixariam a indústria devido à falta de progresso. O executivo-chefe da WFA, Stephan Loerke, diz que devemos ver a situação como um copo “meio vazio”.

A pesquisa foi realizada por uma coalizão que inclui WFA, Kantar, Cannes Lions e Effie Worldwide – bem como mais de 160 organizações em nível local, tornando-a a maior colaboração individual da indústria de marketing até hoje. O censo também é apoiado por empresas líderes de todo o ecossistema de marketing e publicidade, incluindo BP, Diageo, Dentsu, The Estée Lauder Companies, Havas, KraftHeinz, L’Oréal, McCann, Meta, Reckitt e WPP.

O censo anterior, em 2021, revelou grave discriminação entre aqueles com características protegidas que trabalham na publicidade. Os resultados, baseados em quase 13 mil respostas de 91 países, apontam para maiores formas de discriminação entre certos dados demográficos, incluindo identidade de gênero, sexualidade, etnia e deficiência.

16% das mulheres (quase uma em cada seis), 17% das pessoas LGBQ+ (uma em cada seis), 22% das minorias étnicas (mais de uma em cinco) e 24% das pessoas com deficiência (quase uma em quatro) dizem que provavelmente deixarão o setor. Profissionais mais jovens (25-34 anos) e cuidadores também são ligeiramente mais propensos a sair do que a média global (18% contra 14%).

Enquanto quase três em cada quatro (72%) entrevistados globalmente reconheceram as tentativas do setor de melhorar as experiências de vida de grupos-chave nos últimos anos, 30% disseram que as coisas eram as mesmas de quando o último censo foi realizado em 2021.

Publicidade

Onde está acontecendo? 

As respostas variaram muito de país para país. Sete em cada 10 concordaram que as coisas melhoraram na Espanha (70%) e no Brasil (69%), mas apenas três em cada 10 concordaram na Suécia (30%), Japão (32%) e Polônia (32%).

No Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), 9% dos entrevistados disseram que as coisas pioraram. Globalmente, aqueles em cargos de chefia eram mais propensos a relatar que as coisas melhoraram (58%) em comparação com gerentes (49%) e funcionários juniores (42%).

Os três países que registraram as maiores melhorias foram Nova Zelândia (aumento de 10 pontos percentuais para 71%), África do Sul (aumento de sete pontos para 61%) e Irlanda (aumento de seis pontos para 68%), enquanto as três maiores quedas foram registradas em Hong Kong SAR (queda de seis pontos para 61%), Conselho de Cooperação do Golfo (queda de quatro pontos para 57%) e Holanda (queda de quatro pontos para 63%).

Leia também: Neurociência e soft skills: o que isso tem a ver com o profissional de Marketing? 

*Com informações do The Drum


Publicidade
Prime Day Amazon