Últimas Notícias

Publicidade
Publicidade
Pesquisa

Mais da metade dos latino-americanos compram mais produtos online do que pessoalmente

Pesquisa da Latam Intersect mostra os hábitos de compra dos consumidores ao usar as mídias sociais

Por Redação - 01/08/2022

Os consumidores da América Latina possuem diferentes atitudes no comportamento de compra online. Alguns confiam mais nas redes sociais para adquirir algo bens do que outros. Alguns hábitos, no entanto, são similares. Quase um quarto (22,5%) dos latino-americanos tende a comprar produtos de beleza e cuidados pessoais ao fazer compras pelas mídias sociais, enquanto outro quarto (23,1%) dos entrevistados opta por móveis domésticos, de acordo com uma nova pesquisa realizada pela premiada agência de relações públicas LatAm Intersect PR, que tem operações em toda a América Latina.

Ao comparar as plataformas de mídia social mais populares entre os consumidores de seis das sete nações mais populosas da América Latina, a pesquisa revelou que os consumidores da região tendem a ver o Instagram e o Facebook como as plataformas de mídia social onde têm maior probabilidade de comprar algo que eles não achavam que precisavam com cerca de um quarto (25,3% para Instagram e 26,7% para Facebook) dos entrevistados escolhendo uma das duas maiores empresas de propriedade da Meta.

No entanto, ao analisar os tipos específicos de produtos que as pessoas tendem a comprar, a pesquisa revela algumas diferenças significativas entre os países. Por exemplo, 22,8% dos mexicanos tendem a comprar produtos de “beleza e cuidados pessoais”, mas isso cai para 17,6% dos argentinos.

Categorias mais confiáveis por países

Brasileiros, peruanos e argentinos têm uma alta proporção de consumidores que preferem comprar produtos eletrônicos pelas mídias sociais, com cerca de um quinto (21,2% dos brasileiros, 19,5% dos peruanos e 19,3% dos argentinos) dos consumidores desses países escolhendo este tipo de produto, em comparação com apenas 12,5% dos consumidores mexicanos.

No Chile e na Colômbia, há uma parcela significativa da população que compra comida com mais frequência usando as mídias sociais, com pouco menos de um sexto (13,5% colombianos, 14,9% chilenos) dos entrevistados de ambos os países escolhendo esse tipo de produto. No entanto, os peruanos compram mais ‘comida’ usando as mídias sociais e quase um quinto (18,8%) opta por comprar esse tipo de produto com frequência.

Embora produtos de beleza e mobília sejam os produtos mais populares comprados pelos latino-americanos nas mídias sociais, o que nossa pesquisa nos mostrou é que quase todos os tipos de produtos são comprados com alguma regularidade em toda a região.

Maior confiança no social commerce

A pesquisa também mostra que os latino-americanos estão muito online, com mais da metade (51,6%) de todos os entrevistados dizendo que compram mais produtos pela internet do que pessoalmente. Embora isso varie um pouco de país para país, com quase dois terços (65,5%) dos brasileiros dizendo que compram mais online do que pessoalmente,
enquanto menos da metade (44,2% dos colombianos e 46,1% dos peruanos) dos colombianos e peruanos são mais compradores online do que offline.

O que também é interessante ao olhar para os hábitos de compra de mídia social dos latino-americanos é como eles utilizam diferentes redes para diferentes propósitos. Por exemplo, enquanto o Instagram e o Facebook são os mais populares para compras por impulso, o YouTube teve uma pontuação alta quando os entrevistados foram questionados sobre quais redes eles usam para saber mais sobre um produto antes de comprá-lo, com um quarto (25,4%) dos latino-americanos preferindo o rede de hospedagem de vídeo para este fim.

O Instagram teve uma pontuação alta para a plataforma na qual os consumidores descobrem novos produtos, mas também houve algumas variações regionais entre as outras plataformas menos populares em geral. Para aprender sobre novos produtos, o TikTok obteve uma pontuação alta no México e no Peru, em comparação com outros países, com cerca de um sexto (13,6% dos peruanos e 18,2% dos mexicanos, respectivamente) dos entrevistados desses países escolhendo a mais nova plataforma de mídia social para descobrir novas marcas. Enquanto o WhatsApp
serve ao mesmo propósito para um em cada dez (10,6%) dos colombianos. 

Para Livia Gammardella, coordenadora de planejamento e estratégia da LatAm Intersect PR,  ao pensar nos motivos pelos quais os consumidores usam redes diferentes para finalidades diferentes, podemos inferir que certas redes são mais eficazes que outras na promoção de determinados tipos de produtos. As plataformas mais atraentes visualmente que têm fotografias e imagens como parte fundamental de seu UX (experiência do usuário) também parecem ser os veículos perfeitos para vender os itens mais populares da América Latina, que são produtos de beleza, móveis e eletrônicos, segundo avaliação da especialista.

Leia também: Instagram e Facebook são as redes sociais preferidas dos usuários da América Latina