Últimas Notícias

Publicidade
Publicidade
Digital

Como os marketplaces podem ajudar as franquias?

Apostar nas ferramentas de marketplace colabora para manter operação das franquias e gerar insights sobre planos de expansão

Por Redação - 02/09/2021

A pandemia colocou alguns modelos de negócio em situação de xeque, enquanto alavancou o potencial de alguns outros. Nesta aparente contradição, podemos fazer uma breve comparação entre o setor de franquias, que sofreu uma baixa de 10,5% no faturamento em 2020 segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e os marketplaces, grandes responsáveis por alavancar as vendas do e-commerce no último ano. 

O que se deve ter em mente sobre esses negócios é que eles não são excludentes e que algumas soluções dos marketplaces e sellers centers podem colaborar para que as franquias mantenham as vendas em dia e ainda proporcionam conveniência ao consumidor. No entanto, alguns passos para trás são necessários.

Leia mais: Marketplace, por que é a hora de surfar nessa onda?

Mudança de cultura no modelo de franquias

A primeira medida que o franqueador deve ter em mente é uniformizar a comunicação com o público para evitar ruídos e insatisfação do consumidor. 

Como cada franqueado acaba gerenciando seu negócio de maneira isolada, muitas vezes com iniciativa digitais próprias, isso pode causar uma confusão no consumidor que não reconhece um padrão na linguagem, preços, disponibilidade de produtos e outras variáveis. Esse é um dos principais desafios que o franqueador precisa sobrepor antes de ir para o passo seguinte: a criação do marketplace da marca.

Uma vez que a comunicação for devidamente ajustada, a rede de franquias deve modelar sua operação seguindo a lógica do marketplace, construindo primeiramente a plataforma da própria marca onde ela irá dialogar diretamente com o público. Isso ajuda, novamente, a evitar ruídos de falhas na relação com o consumidor. Com a plataforma de pé, o passo posterior é trazer os franqueados para dentro dessa operação.

O passo mais estratégico nesse momento é compreender cada unidade da franquia como um seller em potencial e devidamente cadastrá-los no seller center. Essa ação visa dar a acesso a dados relevantes como disponibilidade e estoque, a atuação da loja em relação àquela praça, além de outras informações mais específicas como horário de funcionamento - visto que ainda estamos vivendo um período de restrição de movimentação por conta da pandemia da covid-19.

Leia mais: Seller Center: conheça a tecnologia que fomenta o crescimento em escala de Marketplaces

Cada unidade, um ponto de distribuição distinto

Uma vez que as unidades estão cadastradas no seller center, você pode ativá-las para realizar as entregas ou funcionar como um verdadeiro centro de distribuição para o consumidor, o que pode acelerar a entrega e aumentar a satisfação do cliente. Tal medida também ajuda as próprias unidades a escoar os produtos que ainda estão no estoque e que precisam ser vendidos tanto pela questão da saúde financeira do negócio, quanto pela necessidade de troca de coleção.

Entre as principais vantagens de se adotar essa operação está a geração de insights. O modelo de negócio das franquias é baseado em capilaridade e presença física em determinadas praças. Para crescer, é preciso que haja interesse do consumidor sobre o que a franquia pode oferecer para que a franqueadora leve seu negócio para aquela região.

Contudo, ainda vivemos um momento delicado para pensar em expansão física e o digital representa uma melhor aposta para o crescimento das vendas e manutenção da própria operação dos franqueados. Uma vez que a empresa coloca seu marketplace no ar, disponível 24/7 e com possibilidade de atender todo o país, ela pode começar a vislumbrar o potencial de determinadas praças que ainda não são atendidas por alguma unidade da franquia. Dessa forma, os marketplace podem atuar como ferramentas potencializadoras para um até um futuro plano de expansão mais assertivo.

Nesse ponto, uma dúvida pode surgir: como ficam franquias cujo produto principal é um serviço ao invés de um produto físico. Os marketplaces, embora tenham se tornado cada vez mais sofisticados em termos refino da informação, são bastante orientados para mercadorias físicas, o que ainda não comporta o universo dos serviços, onde o fator humano ainda é essencial para a entrega completa da experiência de compra.

Leia mais: Tecnologia oferece recursos logísticos que ajudam lojistas na gestão de fretes grátis

Marketplace para compras B2B entre franqueados

Outra maneira pela qual os marketplaces podem ajudar as franquias a tornarem a operação mais uniforme é por meio de uma central única de fornecimento online. Esta plataforma reúne todos os fornecedores e insumos que os franqueados precisam adquirir - de material gráfico a softwares - para estarem alinhados à proposta da marca. 

Dessa maneira, o franqueador consegue manter uma padronização entre os fornecedores disponíveis e assegurar que os franqueados tenham ao mesmo tempo mais autonomia no processo de compras de insumos, sem descaracterizar a operação.

Conheça o Seller Center para a sua Rede de Franquia: 

Inovando no segmento de seller center, a empresa brasileira Conecta Lá atende às necessidade de franquias. Oferecendo uma prestação de serviço do tipo SaaS – Software as a Service – a empresa é a única no mercado nacional que oferece esse tipo de solução.

Conheça o Conecta Lá