Indústria de alimentos registra queda na geração de empregos em 2019 | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Indústria de alimentos registra queda na geração de empregos em 2019

Em 2018, empresas de alimentos e bebidas responderam por mais de 20% dos empregos da indústria, mas crise econômica diminui em 0,7% no primeiro semestre deste ano

Por | 18/09/2019

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

A indústria da alimentação no Brasil representa 22,5% dos empregos e da mão de obra do setor industrial, segundo dados da JT Estatísticas e Análises de Mercado, publicado em agosto deste ano. Considerando a agroindústria e as fábricas de produtos alimentares e de bebidas, em 2018, foram 1,61 milhão de empregos diretos e mais 13 mil novos postos de trabalho.

Porém, entre janeiro e março deste ano as companhias que formam a cadeia industrial de alimentos do país reduziram em 0.7% a geração de novos empregos se comparado ao primeiro trimestre de 2018, segundo dados coletados pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia). 

Ainda de acordo com a entidade, em 2017, das cerca de 36 mil organizações que compõem a indústria brasileira de alimentação, 80% eram microempresas, contra apenas 2% das grandes companhias. 

A pesquisa ainda mostra que a tecnologia está modernizando cada vez mais processos industriais e isso requer mão de obra mais qualificada. Para saber mais sobre a pesquisa "Indústria da Alimentação: Mercado e Tendências", acesse este link

Indústria de Alimentos

Comentários


Acervo

Pesquisar por Tags

Inteligência Inteligência

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss