Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Crise tem impacto direto no equilíbrio emocional das mulheres

Dificuldade para realizar os desejos dos filhos contribuem para deixar as consumidoras frustradas, culpadas e depressivas. Dado é da pesquisa “Consumo Feminino em Tempos de Crise”

Por | 14/10/2016

roberta.moraes@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Que a crise mudou o comportamento de consumo dos brasileiros, não é novidade, mas os impactos que a recessão econômica está provocando vão além. A inadimplência, inclusive, tem deixado 66% dos devedores deprimidos, como mostra levantamento da SPC Brasil.

Nas mulheres, a dificuldade em realizar os desejos dos filhos ou a culpa por ter gasto um pouco além de devido têm despertado sentimentos como culpa, frustração, impotência, insegurança, tristeza e depressão. Depois de ter alcançado muitas categorias nos últimos anos, ficou mais difícil abrir mão delas neste momento. O dado faz parte da segunda fase do estudo "Consumo Feminino em Tempos de Crise", realizado pela Ferraz Pesquisa de Mercado, com o objetivo de entender como as mulheres estão passando por este período de recessão econômica.  

Desde a primeira versão em 2015, o levantamento qualitativo aponta que as consumidoras das classes AB passaram a ter comportamento de classe C, enquanto estas estão abrindo mão de produtos e serviços, buscam estratégias para economizar ainda mais e renda extra. Neste ano, inclusive, com a piora da situação - aumento da inflação e desemprego, por exemplo - a ordem é "se virar". Para as mulheres, a crise deixou a vida mais difícil e trabalhosa e elas passaram da economia para a privação.

Visita a vários supermercados
Para tentar não estourar o orçamento, as consumidoras da Classe A/B agora visitam vários supermercados em busca de promoção. Para as mulheres da Classe C os encartes com a ofertas se transformaram em um grande aliado e elas também estão andando mais para conseguir fazer as compras. Em busca da melhor relação custo benefício, promoção, desconto e parcelamento podem ser determinantes na decisão de compra.

Por conta dessas novas necessidades e por ter que mudar os hábitos de consumo, as brasileiras da Classe AB estão com a sensação de que estão paradas no tempo, estagnadas. As da Classe C, a percepção é ainda pior: elas acreditam que estão retrocedendo. Independente da classe social, o objetivo é o mesmo para todas: manter o padrão de vida e para isso estão reduzindo o consumo e os cortes estão sendo feitos em diversas áreas. Outro sentimento compartilhado é o medo de contrair dívidas e não poder honrar os compromissos.

Para não cair em tentação, elas abriram mão do cartão de crédito. O dinheiro de plástico agora é utilizando apenas em casos mais urgentes, como a compra de um remédio ou quando não há outra opção. As compras por impulso, que aconteciam devida à facilidade do modelo de pagamento, praticamente não existem mais. As mudanças, no entanto, não foram apenas para pior. As entrevistadas afirmaram que o lado bom da crise é despertar o consumo consciente e que elas têm o desejo de continuarem mais criteriosas quando a situação melhorar. Depois da recessão, as marcas terão um desafio ainda maior para conquistar essas consumidoras que descobriram que podem se adaptar diante de qualquer adversidade.

Veja mais sobre o novo comportamento das brasileiras, como o adiamento de compra de artigos mais caros, como geladeira e troca de carro, na pesquisa "Consumo Feminino em Tempos de Crise", disponível no Mundo do Marketing Inteligência. Conteúdo exclusivo para assinantes.

 





Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss