Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Redes sociais influenciam os hábitos de compras das mulheres

Seis em cada 10 brasileiras admitem que são impactadas pelos posts dos amigos, segundo estudo realizado pelo SPC Brasil. Facebook e WhatsApp estão entre os canais mais citados

Por | 25/02/2016

bianca.ribeiro@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

As redes sociais e mídias digitais estão influenciando cada vez mais os consumidores na hora de adquirir algum produto. Segundo estudo realizado pelo SPC Brasil, que avalia o perfil de consumo das mulheres brasileiras, 64,8% das entrevistadas admitem que já mudaram seus hábitos de compra por causa das redes sociais. Ou seja, o fato de acompanhar posts, dicas e comentários teve algum efeito sobre o cotidiano e comportamento de consumo delas.

Ainda de acordo com os dados obtidos, as redes sociais são utilizadas por 94,3% das consultadas. A plataforma mais popular é o Facebook, citada por 89,2%, seguida pelo Youtube, com 43,4% e pelo Instagram com 34,4%. A pesquisa também levantou temas que mais mobilizam as postagens, compartilhamentos e acompanhamento das mulheres nas redes. Entre eles estão: culinária (65,1%), moda (46,8%) e beleza (40,3%). Em contrapartida, o tema finanças pessoais está entre as áreas menos acompanhadas entre as brasileiras, citado por 9,2% das entrevistadas.

Segundo o estudo, mais da metade das mulheres entrevistadas (52,6%) costumam fazer avaliações ou comentários na internet sobre os produtos que compram, sendo que três em cada 10 (32,4%) o fazem independente de a compra ter sido considerada boa ou ruim. E somente 20,2% fazem quando o produto é ruim. Dentre as mulheres que possuem este hábito, os itens mais avaliados são: os celulares (63,0%), as roupas (56,6%), calçados (45,8%), alimentos (32,8%) e equipamentos de TV, DVD e som (30,6%).

Com o aumento do uso de smartphones, os aplicativos também ganham cada vez mais espaço no consumo das mulheres. O levantamento mostra que cinco em cada 10 entrevistadas (49,9%) fazem uso de APPs no dia a dia, sobretudo as pertencentes às classes C, D e E (45,1%). Dentre as mulheres que usam essa ferramenta, os mais populares são aqueles que servem para compras de roupas online (24,4%), pedir comida delivery (11,2%), auxiliar a dieta (9,6%) e chamar táxi (9,5%). Já os APPs que auxiliam o planejamento do orçamento são citados por 8,8% das entrevistadas.

Considerando os diversos canais que são utilizados para obter informação, o estudo aponta que a internet já ultrapassou parte dos meios mais tradicionais como jornais e revistas, assumindo um papel cada vez mais importante na vida das brasileiras. Ainda assim, a televisão lidera, sendo mencionada por 68,4% das mulheres. Logo após foram citados o Facebook (64,7%), o Whatsapp (48,0%) e os portais de notícias (42,0%).

Além de ocupar uma boa posição entre as fontes mais populares para obter informação, o Whatsapp também é citado como o meio de comunicação com maior média de horas dedicadas por dia: são quatro horas contra três diárias para o Facebook e 2,9 horas para a TV e duas horas para o rádio.  Ainda que os canais online e tradicionais sejam utilizados pelas mulheres para obter informações, nem sempre elas se sentem plenamente identificadas nesses veículos. Para 58,5% delas, as propagandas não refletem suas atitudes e quem elas são.

Entre as brasileiras que acreditam que o perfil de mulher presente na mídia não corresponde à realidade, 59,6% dizem que o fato disso não acontecer, é porque elas são muito diferentes fisicamente das mulheres reais, enquanto 32,1% dizem que é por se sentirem incomodadas pelas propagandas que as apresentam como objetos secais e 29,5% dizem que é pelo fato de que essas mulheres são sempre felizes com famílias perfeitas e isto não reflete na vida real.

A pesquisa analisou também, os segmentos em que a propaganda mais precisa se adequar para refletir a mulher de hoje e revela que os mais distantes do que as brasileiras pensam ser ideal são o de cerveja, de automóveis, e de moda e beleza. Quando questionadas sobre como gostariam de ser representadas na propaganda, as entrevistadas afirmaram querer ser retratadas como guerreiras (49,2%), reais e sem o padrão de beleza inatingível dos filmes e da TV (46,6%), dinâmicas (33,0%) e independentes (32,7%).

O estudo também investigou a influência do padrão estético das propagandas no consumo das mulheres e mostra que, ainda que 41,8% das entrevistadas acreditem que esse padrão da mídia não influencia no consumo delas, outros 53,7% das entrevistadas admitem comprar roupas e acessórios vistos na mídia para acompanhar as tendências, desde que esses produtos atendam ao gosto pessoal. Apenas 11,9% das mulheres brasileiras admitem que o padrão estético exerce muita influência nos hábitos de compra, uma vez que sempre compram os produtos ou serviços indicados.

Pesquisa, SPC, consumo, mulheres, redes sociais, Facebook, WhatsApp





Comentários


Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2015.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2017. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss