Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Publicidade

Instituto Beleza Natural oferece bolsa exclusiva para clientes

Ação para aumentar tíquete médio é comunicada por meio de totens, móbiles, adesivos e displays espalhados pelos 33 estabelecimentos da marca e tem duração até o dia 31 de dezembro

Por | 09/11/2015

bianca.ribeiro@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

O Instituto Beleza Natural está oferendo uma bolsa exclusiva para as clientes visando aumentar o tíquete médio neste fim de ano. A ação comunicada por meio de totens, móbiles, adesivos e displays espalhados pelos 33 estabelecimentos, nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, presenteará as consumidoras que realizarem serviços de estética.

A cliente que adquirir o serviço "Super-Relaxante" e levar para casa o kit dois, composto por shampoo, condicionador, máscara e dois cremes para pentear, ganha a bolsa que está disponível nas cores vermelha e vinho ou rosa e roxa. As que fizerem o serviço e comprarem o kit um, com apenas creme para pentear, poderão levar a bolsa pelo valor de R$ 24,90. A empresa oferece também a opção de comprar a bolsa separadamente por R$ 49,90.

Recentemente, a empresa renovou o modelo de quiosques, que ganhou design inovador que facilita a visualização da marca. Criado pela Modo Design, o modelo tem seis metros quadrados e conta com espaços otimizados, criando um local mais amplo para que as clientes visualizem melhor os mais de 50 produtos das linhas e tenham mais conforto.

Instituto Beleza Natural, brinde, fim de ano

Comentários


Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss