Google é a empresa mais inovadora do mundo | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Google é a empresa mais inovadora do mundo

Fast Company apresenta ranking com as marcas que mais inovam. Bloomerg Philanthropies e Xiaomi aparecem na sequência. Brasileira Braskem aparece na 41a colocação

Por | 14/02/2014

bruno.garcia@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

O Google é a companhia mais inovadora do mundo. A marca é apontada pelo ranking da Fast Company, que traz as 50 empresas que mais inovaram em 2013. A Bloomerg Philanthropies e a chinesa Xiaomi aparecem na sequência, ocupando a segunda e terceira colocação. Dropbox e Netflix estão em seguida. A brasileira Braskem aparece na 41a colocação, sendo destacada pelo trabalho na produção de etanol de cana de açúcar e de plástico verde. Algumas companhias que já estiveram no topo da lista perderam posições, como a Nike que ficou em 7°, e a Apple, que ficou em 14°, enquanto a Amazon está em 18°. Duas montadoras são citadas no ranking da Fast Company: a Dodge, em 11°, e a Tesla Motors, na 20° colocação. O ranking da Fast Company inclui também organizações sem fins lucrativos e governamentais, levando em conta os projetos que estas desenvolvem. Veja a lista com as 10 primeiras abaixo:

Marcas mais inovadoras
Google
Bloomerg Philanthropies
Xiaomi
DropBox
Netflix
AirBNB
Nike
ZipDial
DonorsChoose.org
Yelp

google,Inovação,ranking,Braskem,fastcompany

Aproveite e leia também: Geração Y está mais influente no consumo. Conteúdo exclusivo para assinantes Mundo do Marketing Inteligência. Acesse aqui.

Comentários


Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss