Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Últimas Notícias

Conexões entre fãs e marcas aumenta 15% em agosto

Dado do indexSocial registrou 20 milhões de contatos nas redes sociais. Pampers aparece pela primeira vez no Top 10 e Melissa cresce em engajamento

Por | 24/09/2012

isa@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

O mês de agosto apresentou 20 milhões de conexões entre fãs e marcas nas redes sociais. O número representa um aumento de 15% no relacionamento dos grupos no Facebook, Twitter ou Youtube, segundo o indexSocial. O destaque foi para um crescimento no engajamento da Melissa. O perfil, que ocupava a quarta posição do ranking no mês anterior, conquistou duas posições e ocupa o segundo lugar da tabela, atrás apenas do líder Brahma Futebol.

Em audiência, Guaraná Antarctica permanece na liderança, seguido por Skol e L´Oreal. Em share de engajamento, Brahma Futebol voltou a ocupar o primeiro lugar do ranking. O perfil da Pampers apareceu pela primeira vez na tabela de engajamento, com um crescimento de 0,4%. A Cerveja Antarctica, a Fiat e a Stella Artois também entraram para o Top 10 de engajamento em agosto. No ranking de audiência, pela primeira vez, o perfil da Dell entrou no Top 10, ocupando o sétimo lugar.

Um destaque, segundo o indexSocial, é para as cervejarias. Entre as 10 primeiras marcas do ranking, seis são perfis de cervejas: Brahma Futebol (1º), Skol (3º), Cerveja Bohemia (4º), Stella Artois (5º), Cerveja Antarctica (6º) e Budweiser Brasil (10º).

indexSocial,pesquisa,audiência,Melissa,Pampers,Skol,Guaraná Antarctica





Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss