Sinônimo de meia-calça, Trifil investe em produto e novo canal de venda 5 de setembro de 2011

Sinônimo de meia-calça, Trifil investe em produto e novo canal de venda

         

Marca amplia portfólio com modelos funcionais e estreia distribuição em farmácias

Publicidade
Prime Day

<p><img alt="" align="right" width="226" height="340" src="/images/materias/trifil_biofir.jpg" />Perto de completar 50 anos, a Trifil investe na diversificação do negócio e ampliação do portfólio de produtos. A marca, que foi responsável por reiventar a meia-calça no Brasil, lança quatro novos licenciamentos e as linhas de meia de compressão Bem Estar e Biofir. Além do varejo, há planos para a comercialização dos produtos em farmácias. O maior desafio da marca será vender em um setor inédito para a empresa e destacar as novidades nos pontos de venda.<br />  <br /> As linhas Bem Estar e Biofir são compostas de meias-calças e shorts que exploram o conceito de produto funcional. Os lançamentos têm a proposta de melhorar a circulação sanguínea, combatendo os sinais da celulite e reduzir medidas. Para criar um atrativo e fugir das tradicionais cores bege e cinza, a Trifil colocou estampas de flores e arabescos, aproximando os produtos do universo da moda.<br />  <br /> Essa estratégia tem sido explorada pela empresa desde o fim da década de 1990, quando a companhia percebeu que a meia-calça deixou de ser uma peça básica e se tornou um acessório de moda. Também foi nesse período que a marca começou a diversificar o seu portfólio de produtos para não ficar estagnada no mercado.<br />  <br /> <strong>Aposta em licenciamentos</strong><br /> A Trifil nasceu em 1963, com o nome de Scalina, e produzia uniformes na cidade de Cambuci, em São Paulo. A partir da década de 1980, a empresa entrou no setor de moda íntima e meias-calças, que hoje representa 44% das vendas. Atualmente, a maior força da Trifil está no varejo, que detém 60% dos negócios da companhia. Outro braço dos negócios são os licenciamentos.  <br />  <br /> A primeira licença obtida foi a da marca Adidas, na década de 1970, quando a empresa investiu na confecção de produtos esportivos. Esta foi uma das primeiras tentativas de diversificar a produção e ampliar a sua atuação no mercado brasileiro. A companhia só voltaria a investir em licenciamentos novamente em 2005, em parceria com as marcas Mormaii e Turma da Mônica, presentes até hoje no portfólio da empresa. Em 2010, foi a vez da Trifil apresentar a linha licenciada No Stress, voltada para o público adulto.<br />  <br /> Já em 2011, a aposta da Trifil são os personagens Penélope Charmosa, Looney Tunes(foto), Plush Poison e Princesas do Mar estampando as meias da coleção infantil. “É preciso ter uma oferta maior de licenças para este público, porque o ciclo de vida destes produtos é mais curto.  Outra vantagem é verificar qual apresenta o melhor desempenho no mercado, para manter a parceria”, explica André Duarte, Superintendente Comercial da Trifil, em entrevista ao Mundo do Marketing.</p> <p style="text-align: center"><img alt="" width="500" height="154" src="/images/materias/trifil_looney_tunes(1).jpg" /></p> <p style="text-align: left"><strong><img alt="" align="left" width="172" height="300" src="/images/materias/trifil_camiseta_masculino.jpg" />Comunicação voltada para a consumidora</strong><br /> O portfólio da Trifil conta ainda com produtos para o público masculino, como cuecas e meias esportivas, criados junto com a linha infantil. Entre os lançamentos para o verão de 2011, a empresa desenvolveu cuecas e camisetas modeladoras (foto), voltadas para os homens que também desejam reduzir as medidas do corpo. Embora haja um investimento na criação de produtos para atender as demandas deste público, a marca dialoga pouco com estes consumidores. <br />  <br /> Praticamente toda comunicação da marca é voltada para a mulher, responsável na maioria das vezes pela compra de moda íntima tanto para homens, como para crianças. Entre as iniciativas para divulgar os seus produtos nos pontos de venda, a marca conta com displays informativos. Quando o varejista permite, a companhia também procura criar espaços reservados nas revendas, destacando as coleções. <br />  <br /> A Trifil possui ainda duas lojas próprias em São Paulo, no MorumbiShopping e na rua Voluntários da Pátria, e outra em Ceilândia, Brasília. As unidades servem com laboratórios e todos os lançamentos chegam primeiramente a estes pontos de venda. A companhia também aproveita os locais para estudar a exposição de produtos e conhecer melhor o comportamento dos consumidores.  A constituição de uma cadeia de lojas próprias, entretanto, ainda não está prevista.<br />  <br /> <strong>Desafio de vender em farmácias<br /> </strong>Um dos planos da empresa neste ano é a comercialização da linha Bem Estar e Biofir nas farmácias. “Para alcançar este objetivo, a Trifil precisa primeiramente criar uma identificação maior do produto com o público, pois os consumidores ainda não associam a marca diretamente ao mercado de meias de compressão”, explica a José Scaroni, professor de Trade Marketing do curso de Pós-Graduação da ESPM, em entrevista ao portal.<br />  <br /> Além de criar este vínculo, a companhia terá que negociar com as redes de farmácias para conseguir mais espaço nos pontos de venda e criar meios para chamar a atenção para estes produtos. Uma das iniciativas tomadas para divulgar as meias terapêuticas é o diálogo com angiologistas e ginecologistas, destacando as qualidades cosméticas da linha Bem Estar. O objetivo é promover os produtos entre os profissionais da área de saúde, para que estes indiquem as meias de compressão para terapias leves.<br />  <br /> Outro canal de venda que tem sido explorado recentemente pela Trifil é o e-comerce. A marca criou há quatro meses uma loja virtual no site <a target="_blank" href="http://www.posthaus.com.br/moda/intima?ctg=Moda%20Intima&acao=produtos&cat=4&loja=68&anc=0&marc=0&mkt=WGP15062011TFTRIFILINTIMA&gclid=CLWEh7GbhqsCFcft7QodGCONPw">Post Haus</a>, especializado na venda de produtos têxteis pela internet.  “Com pouco tempo de atuação, a venda online representa ainda 0,5% da receita da empresa. A expectativa para 2012 é que este número cresça para 2%”, diz o Superintende Comercial da Trifil.<br />  <br /> <strong>Crescimento das vendas no inverno e no verão<br /> </strong>A internet também é um meio que a marca vem usando recentemente para se relacionar com os consumidores. Uma das ações para conversar com os internautas foi a realização de um concurso que premiou blogueiras e estudantes de moda com produtos da marca e um convite para o Salão Moda Brasil 2011. </p> <p style="text-align: left">A Trifil conta ainda com perfis no <a target="_blank" href="http://twitter.com/#!/trifilmoda">Twitter</a> e <a target="_blank" href="http://pt-br.facebook.com/Trifil">Facebook</a>, em que divulga produtos e ações promocionais. Para o lançamento da coleção de verão deste ano, o site da empresa foi modificado e apresenta cores quentes, reforçando o mote “O que o verão te inspira”. O resultado das vendas nesta estação também é outro motivo de comemoração para a Trifil.</p> <p style="text-align: left">“O inverno já foi o nosso maior negócio. Hoje, a situação está muito mais equilibrada. No primeiro semestre de 2010, as vendas alcançaram 52%. Já nos seis meses seguintes, obtivemos expansão de 48%. Entre os fatores que colaboram para este panorama estão as vendas de lingerie, produto que é comercializado durante o ano inteiro e representa 36% do faturamento, além de sazonalidades como volta às aulas, Dia dos Mães e Dia dos Pais”, afirma Duarte.</p>


Publicidade
Prime Day