Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Banco de promoção, incentivo, inovação e, claro, de Eventos

O que não falta no Banco de eventos é serviço para envolver os consumidores com as marcas que eles promovem

Por | 01/12/2006

bruno@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Banco de promoção, incentivo, inovação e, claro, de Eventos

Por Bruno Mello
bruno@mundodomarketing.com.br

Por 20 anos Vitor Oliva foi o Rei da Noite Paulistana. Há 18 anos, porém, ele mudou o fuso horário de seu trabalho e fundou o Banco de Eventos, que logo se tornaria referência para o mercado de marketing promocional brasileiro. Em 2005, mais mudança: deixou a direção geral na mão da sócia Andréa Galasso para ser o CEO da Clube, holding que tem sob seu guarda-chuva o próprio Banco de Eventos, a Rio360 Comunicação, a Samba e a Bigger. Além disso, nas horas vagas, Vitor (foto) cuida de seus cavalos de raça.

Entre os que galopam com mais envergadura está justamente o Banco de Eventos, uma mistura de raças com ousadia, inovação, criatividade e qualidade de corridas. E são muitas. A empresa que até 2000 era conhecida por seus eventos de grande repercussão e resultados para as marcas, hoje disputa cabeça a cabeça nas áreas de convenções, ações promocionais, incentivos, estandes, projetos/eventos proprietários (hi-end), Relações Públicas e Imprensa.

As mudanças no Banco passam, também, pelas voltas em 360º que o mundo dá e pela evolução constante e acelerada da comunicação. "O marketing promocional ser cada vez mais valorizado pelas empresas é um claro sinal de que existe uma mudança do consumidor", aponta Andréa Galasso. Antenados, a equipe de 150 colaboradores da empresa está pronta para realizar os mais diversos projetos. Às vezes, utilizando uma mesma disciplina.

Mais que eventos
Este é o caso dos eventos. Para a Ambev, eles promovem o Camarote da Brahma. Para a Editora Abril, a Casa Placar, e para a mais recente conquista, concebem um centro de compras e experiência para a Casas Bahia com o Super Casas Bahia. "O camarote promove a visibilidade da marca junto ao consumidor, a Casa Placar é uma ação de relacionamento e de novos negócios e o Super é eminentemente para promover as vendas", aponta Andréa.

Há também as loucuras que se transformam em inovações. "Aqui há uma competição para ver quem inventa uma coisa mais absurda que a outra", brinca a executiva. No caso do Banco de Eventos, as loucuras não são castigadas. Pelo contrário. Entre os últimos casos de sucesso, eles chamaram a atenção de meio mundo para lavar a roupa suja com Omo em uma máquina de lavar gigante.

A tal máquina era, simplesmente, uma betoneira. Fábio Brandão, Sócio-Diretor de Criação conta como surgiu a invenção. "O desafio era chamar a atenção das pessoas para o ato de lavar a roupa, já que ninguém acorda com desejo de colocar a roupa para lavar", diverte-se. "Daí pensamos em uma máquina gigante, que tem rodinhas, que gira, e a partir daí, até chegar na betoneira, é um pouco de exercício mental, de ver o que o cliente quer e transformar o produto em espetáculo sem fugir da pertinência", garante.


Fábio Brandão, com a camisa do cliente, e sua equipe diante de sua invenção

Exímio planejamento e execução
E as idéias não param de pipocar. Outra que deixou muito manga-larga para trás foi o lançamento da nova geração do Palio. "Agarramos na parte do briefing que falava da vinda dos italianos da Fiat para a festa", explica Brandão. "E aí pensamos que precisávamos contar uma historia brasileira para os gringos e nada melhor que mostrar isso através do Carnaval", relata. Até aí tudo bem. Mas eles colocaram nada menos que 1.500 passistas dentro de um hangar e fizeram um carnaval para o carro passar.

No Banco de Eventos, estas loucuras estão com as rédeas bem firmes no planejamento. "Preciso montar uma explicação para convencer o meu cliente que a ação vai encantar o cliente dele", diz o executivo. "Não existe execução bem feita se não existir um mega planejamento", completa Andréa (foto). E assim os projetos do Banco vão galopando cada vez mais rápido. O faturamento, que em 2003 era de R$ 23 milhões, passou para R$ 85 no último ano.

Para este ano, o crescimento deve ser estável e em 2007 o cavalo vai dar saltos ainda maiores. "Perseguimos sempre o melhor e trabalhar aqui é um grande energético", afirma Brandão. "Isso faz toda a diferença do mundo porque não é só um negócio, é o nosso modo de existir e de ver o mundo. É orgânico, faz parte do nosso existir e respirar", ressalta Andréa Galasso, que com esta filosofia auxilia na estratégia de comunicação dos clientes para ampliar o posicionamento das marcas para as quais o Banco de Eventos faz verdadeiras festas, como o seu fundador. Neste caso, festas de bons resultados.

Principais executivos
Victor Oliva, sócio-fundador do Banco de Eventos
Andréa Galasso, sócia-diretora geral
Joyce Ruiz, sócia-diretora de atendimento e planejamento
Fábio Brandão, sócio-diretor de criação
Fernanda Abujamra, sócia-diretora artística e de produção
José Eduardo Oliva, sócio-diretor administrativo e financeiro

Principais clientes
Ambev, Unilever, Bradesco, Natura, Ford, Honda, Renault, Grupo Pão de Açúcar e Votorantin

Acesse
www.bancodeeventos.com

Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss