Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Publicidade

Brasileiro gasta mais em produtos premium

Pesquisa da Kantar Wordpanel no país indica que consumidores não querem parar de comprar e estão mais exigentes na hora de escolher serviços e produtos

Por | 10/09/2012

isa@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Kantar Wordpanel,classe C,marcas premium,consumidores,classe AB,classe DEO brasileiro está comprando mais e gastando uma fatia maior da sua renda com produtos premium voltados para o lar. Independente da classe econômica e excetuadas as proporções dos gastos de cada uma, a busca e o desejo de adquirir bens diferenciados estão cada vez maiores. Mais da metade do valor destinado a itens de cuidado pessoal é gasto com as marcas mais caras: em 2010 o índice era de 47%, passando a 51% em 2011. A conclusão é parte da pesquisa "O que é caro e barato para o brasileiro", da Kantar Wordpanel.

A entrada da linha premium faz parte de um novo momento do consumidor. Os brasileiros estão mais pré-dispostos a experimentar produtos antes não entravam nos lares. Na categoria limpeza, o gasto com os produtos mais caros saltou de 38% para 40%; em alimentos, de 28% para 35%; e em bebidas, de 25% para 28%.

A principal justificativa para a consolidação do brasileiro como um consumidor ativo é a estabilidade da economia. Dados do Banco Central mostram uma taxa de desemprego de 6,2% no mês de junho, menor índice desde 2002. Outro ponto é o acesso ao crédito, que representava 26% do PIB em 2005 e passou para 46% em 2011. Os números refletem no otimismo do brasileiro: em 2011 81% deles acreditavam que a situação econômica do país estava igual ou melhor que em 2010. A expectativa para 2012 é que este percentual chegue a 86%.

A adesão de produtos mais sofisticados indica que o consumidor vive a "era do valor agregado". "São pessoas que não abrem mão do que conquistaram depois do boom econômico do país e querem ampliar suas opções, tanto que estão mais apuradas na hora de ir aos pontos de venda e selecionarem produtos", avalia Patrícia Menezes, Gerente de Comunicação e Marketing da Kantar, em entrevista ao Mundo do Marketing.

consumidores,Kantar Wordpanel,classe C,marcas premium,classe AB,classe DESem lealdade aos canais
De acordo com a pesquisa da Kantar, o consumidor de hoje é multicanal e, por consequência, a lealdade se torna praticamente inexistente: 84% dos lares brasileiros optam por mais de três canais para se abastecer. O índice de fidelidade vem retrocedendo desde 2001, quando 61% já compravam em diversos canais.

Uma das explicações é a priorização dos benefícios e não apenas do bolso. Em relação à categoria de higiene e beleza, por exemplo, 85% dos consumidores continuam aumentando o volume da compra, mesmo que o preço suba. Na categoria limpeza, 62% também mantêm as compras ainda que haja reajuste, e em relação a bebidas, o índice é de 36%.

Na avaliação da Kantar, os números indicam que o brasileiro não quer apenas comprar, mas gerar experiência. "O brasileiro exclui a escolha entre caro e barato, e fica com o questionamento se aquele produto é bom ou não. Ele se torna um experimentador e essa nova linguagem é o maior desafio para as marcas. O reflexo direto é na comunicação e no Marketing, que deverão focar cada vez mais em ações motivacionais, reforçando a identidade dos seus produtos", afirma Patrícia.

Além da experimentação, os shoppers também levam em conta a proximidade, o relacionamento e o custo-benefício. Nesse cenário, ganha destaque o pequeno varejo, que é responsável por 34% do total das compras dos brasileiros. Em comparação ao período entre 2011 e 2012, a participação desse canal aumentou em dois pontos percentuais. O varejo tradicional recebe 26% das compras e, do ano passado para este, se manteve estável.

Os reflexos negativos
A entrada definitiva dos brasileiros no mercado de consumo está distante da perfeição. Mesmo que o desejo e a realização das compras tenham chegado a um nível nunca antes visto, o reflexo negativo nesse panorama é o endividamento. Segundo o estudo, 52% das famílias brasileiras estão endividadas.

Entre as maiores despesas, o destaque vai para alimentação e bebida dentro do lar, habitação, transporte e serviços públicos.  A penetração de cartões de crédito nas compras de bens de consumo não-duráveis é o principal motivo para o volume de dívidas. Nos últimos três anos e pela primeira vez, dois milhões de lares "experimentaram" o uso do parcelamento de contas via cartão.

Entre as classes, a C é a mais prejudicada. De acordo com a pesquisa, mesmo com mais renda e emprego, a nova classe média não pode contar com a sorte. Na relação gasto versus renda, ela é a única a ter índice negativo, de -2%, chegando a comprometer 41% de seus ganhos mensais familiares. A classe AB tem índice de 1% e a DE de 4%. Estes grupos comprometem 24% e 35% de suas rendas, respectivamente.

O caminho indica um consumo mais consciente e o brasileiro terá que colocá-lo em prática cada vez mais. "A palavra chave é equalizar. O consumidor terá de avaliar o bolso antes de comprar. No caso da classe C, sua ascensão na pirâmide fez com que ela buscasse bens duráveis e melhoria na condição de vida, porém ela acaba pagando por isso em longo prazo. O brasileiro chegou a um padrão que não quer retroceder, mas o consumo deverá ser pensado", indica Patrícia Menezes.

Comentários


Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss