Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Como a tecnologia está transformando o varejo e a indústria

Softwares contribuem para o gerenciamento de informações no ponto de venda em tempo real, otimizando os recursos. Aplicações inovadoras em lojas também atraem consumidores

Por | 02/05/2017

roberta.moraes@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

André Krummenauer, Cofundador e Diretor da InvolvesEnquanto o e-commerce cresce a passos largos, o varejo físico busca mecanismos para gerenciar seus processos a fim de garantir maior eficiência. Assim como a tecnologia está totalmente ligada aos negócios virtuais, as empresas também devem lançar mão de ferramentas para gerenciar informações no ponto de venda em tempo real, monitorar a atuação dos promotores e comparar times, gerir estoque e ruptura. Essas são apenas algumas vantagens que as companhias alcançam quando inserem a inteligência artificial em suas rotinas, garantindo aumento da produtividade.

Esses instrumentos ajudam a solucionar algumas das principais fontes de insatisfação dos clientes, que são preços inconsistentes entre lojas e incapacidade de encontrar um item desejado, seja por não estar em estoque ou estar em alguma posição equivocada dentro da loja. Isto é o que aponta o Estudo Global Sobre Indústria do Varejo 2017, apresentada pela Zebra Technologies Corporation, que aponta ainda que 72% dos varejistas planejam corrigir esses problemas reinventando suas cadeias de suprimentos contando com visibilidade em tempo real viabilizada por automação, sensores e análises.

Sistemas inteligentes agilizam processos e permitem que a tomada de decisão seja feita a partir de informações atualizadas sobre a performance no ponto de venda. "O Agile Promoter permite que nossos clientes aumentem a visibilidade e disponibilidade dos produtos no PDV, melhorando a execução do time de campo. Sem tecnologia, qualquer ação no ponto de venda, como um levantamento de preço em uma determinada categoria, por exemplo, pode levar de sete a 15 dias. Com a nossa tecnologia, ajudamos a indústria a disparar informação que ela tenha necessidade. Como o produto é versátil e adaptável, cada cliente pode moldar o software de acordo com as suas necessidades", explica André Krummenauer, Cofundador e Diretor da Involves, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Solucionando problemas
O sistema é baseado em dois pilares, um que está relacionado à performance, que é a visibilidade, quanto mais visível, maior a probabilidade de venda, e a disponibilidade, que está relacionado à gestão de estoque e de ruptura. Outro pilar está focado no auxílio da equipe de campo. "Ajudamos o profissional de trade e merchandising a gerenciar melhor a operação, seja de pessoas quanto de performance e informações que o time gera em campo", explica o executivo. 

Uma tradicional marca do segmento de relógios, com mais de 60 anos de mercado, mudou radicalmente sua estrutura de merchandising com a utilização de tecnologia para gerar informações e estratégias. Por meio da solução, a companhia passou a desenvolver indicadores chave de performance (KPIs) para controle de equipe (média de visitas diárias, visitas por ponto de venda, tempo médio), execução (taxa de ocupação do expositor, atualização dos materiais do PDV, posicionamento nas vitrines) e mercado (share por player e por cliente). O resultado foi o aumento em 23% a frequência de visitas por meio de alertas e redução de despesas de viagem em 19%, além maior produtividade na equipe de vendas e no planejamento de roteiros.

As tendências para os próximos anos indicam que para atrair o cliente, há a necessidade das marcas unirem tecnologias com experiências sensoriais e personalização, envolvendo o público emocionalmente. "Hoje, as empresas têm que criar vínculo com o consumidor e a tecnologia favorece essa conexão. Quem sabe usufruir bem deste canal, sai na frente e fideliza o cliente. O produto passa a ser parte da sua vida. Para isso, também há a necessidade de quem vende estar muito bem capacitado e ter esta relação sentimental com a marca. Trazer um diferencial personalizado para o público-alvo está entre as ações chaves para o sucesso", afirma o Diretor e Cofundador da Involves.

Experiência no ponto de venda
Com maior maturidade tecnológica, o consumidor está preparado para viver em um mundo híbrido, onde o online e o off-line se integram de maneira harmoniosa. Assim como os smartphones já passaram a fazer parte do processo de compra mesmo em uma loja física, outros recursos podem ser utilizados pelo varejo para estimular a venda e, principalmente, criar uma interação com o shopper.

Muito mais do que contribuir para a gestão de pessoas ou processos, a tecnologia pode estar completamente integrada ao varejo, criando um espaço moderno e interativo. No Rio de Janeiro, a Drogaria Venâncio inaugurou em Copacabana uma loja conceito com 1.500 m² totalmente pensada para oferecer uma experiência inovadora. O espaço conta com painéis gigantes de LED, videowalls interativos e até mesmo um holograma. A concepção é de responsabilidade da produtora Studio Prime, especializada em tecnologia audiovisual, que se inspirou na Galéries Lafayette, em Paris.

As inovações já começam a ser vistas ainda da rua. Na entrada há um telão interativo, com 2,2m de altura e 1m de largura, com um personagem em tamanho real usado para tirar dúvidas e buscar conteúdos relacionados aos serviços da loja. O painel conta com um sensor, que é ativado toda vez que uma pessoa chega perto. Ao todo, são mais de 75m² de painéis de led espalhados pela loja, nos mais variados tamanhos e formatos. Os curvados, ainda pouco encontrados no Brasil, permitem uma comunicação em 360º também podem ser encontrados. Há ainda um holograma, mostruário de produtos com interferências de projeções e vídeos, que resultam em imagens em 3D e realidade aumentada, numa superfície reflexiva. O conteúdo é projetado sobre o produto, que o faz ganhar vida, atraindo ainda mais a atenção do público, num misto de realidade e ficção.

Os recursos também são utilizados para gerar dados para a rede. Há um contador de fluxo de clientes e o mapeamento de áreas quentes. As informações coletadas alimentam uma central de inteligência em tempo real, permitindo analisar as demandas e comportamentos dos consumidores.

Leia mais sobre inteligência aplicada aos negócios no estudo "Por dentro do Big Data. Ferramenta estratégica para tomada de decisão" disponível no Mundo do Marketing Inteligência. Conteúdo para assinantes. 





Comentários


Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2015.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2017. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss