Especial: Polo e loja de rua mostram valor | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Especial: Polo e loja de rua mostram valor

Pequenos varejistas se beneficiam com a união dos lojistas

Por | 06/07/2010

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

A importância de centros urbanos de compras para a movimentação financeira da cidade de São Paulo já é conhecida. Mesmo assim vale ressaltar que os 240 mil estabelecimentos comerciais em polos, compostos por 86 ruas, espremem as lojas de shopping em meros 17% de todo o mercado da cidade. Um exemplo de prosperidade é a marca de moda Líquido que, após iniciar sua história com uma loja na Rua Maria Marcolina em 2004, hoje conta com 42 lojas e planeja atingir 50 pontos-de-venda em curto prazo.

Outro exemplo é o shopping a céu aberto na rua João Cachoeira, em São Paulo, que oferece 130 lojas de aproximadamente 25 segmentos diferentes. Este é mais um polo comercial que após a sua revitalização está sendo visto cada vez mais como um bom negócio. A união dos lojistas deste centro deu início a uma pesquisa sobre as melhorias que poderiam ser feitas para tornar o local mais atraente para as compras.

Tanta oportunidade parecia ser mal aproveitada. As ruas em péssimo estado de limpeza e mal iluminadas, a insegurança e a falta de atrativos esvaziavam os polos e o caixa dos lojistas a cada dia. O estudo sobre as vantagens e desvantagens da Rua João Cachoeira deixou claro seus graves problemas, mas mostrou que, além de local de consumo, o espaço é visto como opção de lazer.

Especial: Pólo e loja de rua mostram valorLojistas unidos pela revitalização
O projeto (foto) apresentado pela associação de lojistas à Prefeitura foi aprovado mediante a adesão de, no mínimo, dois terços das lojas e a divisão do custo para a reforma na calçada. Em contrapartida, a Prefeitura de São Paulo ficou responsável pela iniciativa que envolveu paisagismo, drenagem, recapeamento do asfalto, melhorias de iluminação e sinalização."Uma rua comercial tem que ser confortável, porque o consumo está ligado à sensação de bem-estar", diz Felippe Naufel, Diretor do Centro de Comércio do Estado de São Paulo.

Os pequenos detalhes são muito importantes para as ruas comerciais. Iluminação, estacionamento, bancos para descanso e placas informativas tornam o local mais aprazível para o consumidor. A reforma da calçada da João Cachoeira deu nova identidade ao local, mas o mais importante foi a facilidade de acesso. "Pensamos em quem está caminhando com sacolas nas mãos e em pessoas de baixa mobilidade como grávidas, cadeirantes e idosos", ressalta Naufel.

Após o primeiro ano de vendas com o espaço revitalizado, o polo comercial paulista teve aumento de 11%. "É como uma ação de Marketing que custou para cada lojista cerca de R$ 1.500,00. Alguns recuperaram esta quantia no primeiro domingo depois da reinauguração", aponta o Diretor do Centro de Comércio do Estado de São Paulo.

Shopping eleva preço em até 80%
As lojas de rua podem se espelhar na Líquido para conquistar o sucesso. A marca de moda praia e fitness apostou no comércio popular há seis anos e hoje atinge consumidores de todas as classes sociais comercializando a cada ano mais de três milhões de peças. Neste caso, a prosperidade dos pontos-de-venda não foi baseada em uma estratégia inicial de crescimento em longo prazo.

Especial: Pólo e loja de rua mostram valor"Percebemos que havia uma oportunidade ao criar a loja da Líquido (foto) no bairro do Brás. O local não foi muito bem estudado. O foco foi na população, na carência dos consumidores por este segmento", conta Naim Hassan, sócio da Líquido Biquínis. De acordo com ele, o custo para abrir a mesma loja em um shopping eleva o preço dos produtos em até 80%.

A decisão de iniciar um negócio em ruas comerciais não demorou a ser considerada uma exclusão não forçada (ou idealizada), já que ainda existe a barreira do preconceito por parte dos consumidores de maior poder aquisitivo. "Procuramos trazer a sofisticação de lojas de shoppings para a rua a fim de acabar com o preconceito", explica Hassan.

 

 

*com reportagem de Bruno Mello

Comentários


Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss