Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Publicidade

Indústria mantém pessimismo para 2017

Sem perspectivas de recuperação da economia, setor produtivo está bastante cauteloso e prevê perdas bilionárias com a quantidade de feriados, recessos e fim de incentivos fiscais

Por | 12/01/2017

roberta.moraes@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Guilherme Moreira, Gerente do Departamento de Economia da FiespO setor produtivo não têm projeções otimistas para a economia em 2017. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) estima crescimento de 0,5% para o PIB, com expansão de 1,3% na indústria. Para a entidade, o investimento deve crescer 2,3% em 2017 depois de cair 11,2% em 2016. O estoque acumulado e o endividamento das famílias que estão cortando consumo fazem com que a perspectiva para o ano não seja das melhores.

A situação não é recente. Desde 2013 a indústria encerra o ano com produção física menor que o período anterior. De 2013 a 2016, apenas em São Paulo, meio milhão de trabalhadores perderam seus postos de trabalho. Ainda se não bastassem todas as dificuldades enfrentadas nos últimos meses por conta da crise econômica, alguns setores podem perder R$ 3 bilhões em incentivos fiscais. Os programas que concedem o benefício a montadoras de veículos, construtoras, fábricas de fertilizantes e à indústria audiovisual devem vencer entre 2017 e 2018 e a orientação do Ministério da Fazenda é que não haja renovação no contrato. 

O acúmulo de problemas e a falta de uma solução iminente fazem com que a situação se arraste, aumente a preocupação e não se encontre uma solução em curto prazo. "Este cenário está ainda mais preocupante e mostra que está sendo pior que outras crises, quando as empresas demitiam, mas logo depois se recuperam e voltavam a contratar. Desta vez, as vagas estão sumindo e em certos casos a própria empresa está fechando. Isso sinaliza que a recuperação desta vez será muito mais difícil, trabalhosa e lenta", pondera Guilherme Moreira, Gerente do Departamento de Economia da Fiesp, em entrevista ao Mundo do Marketing. 

Cadeias mais impactadas
Apesar da dificuldade atingir todos os setores, algumas cadeias são mais impactadas do que outras, como a automobilística. A venda de automóveis despencou em 2016, registrando queda de 20%, voltando a patamares de 10 anos atrás. Apesar do registro ruim, nenhuma montadora deixou de apostar no país, mantendo suas unidades fabris, e a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) está otimista, prevendo um crescimento de 2,4% em 2017.

As cadeias longas, com alto valor agregado são as que mais sofrem neste período. Bens que precisam de financiamento ficam para planos futuros, uma vez que as famílias estão mais endividadas, o crédito ficou mais caro e ainda há o temor do desemprego. "Os bens mais sofisticados sofrem maior impacto e, com isso, afeta toda a cadeia. Ninguém deixa de comprar comida, mas adia a compra do carro, porque não tem como comprometer a renda. E com isso vários setores são afetados como as montadoras, concessionárias, as autopeças, os setores de borrachas e plástico. Já a indústria farmacêutica e de alimentos sofrem impacto, mas em menor escala", pondera Moreira.

Além dos desafios econômicos, outro fator pode influenciar diretamente a indústria: o número de feriados neste ano. Os 12 feriados ou pontos facultativos em 2017 pode representar perda de R$ 68 bilhões, o que corresponde a 4,4% do PIB industrial do país, segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan). Pelo mesmo motivo, o comércio também teme perdas, que podem chegar a R$ 10,5 bilhões, de acordo com projeções da Fecomércio-SP. Em contrapartida, o turismo deverá se beneficiar e a expectativa do Ministério do Turismo é que os feriados prolongados devam fazer circular R$ 20 bilhões, sem contabilizar Carnaval, Natal e Réveillon.

Higiene e beleza não sentem a crise
Apesar do enfraquecimento de outros setores da indústria, a categoria de higiene e beleza é uma das que mantêm os números estáveis. Mesmo obtendo uma queda real de 8% em relação ao ano anterior, o ramo da beleza e cuidados pessoais movimentou US$ 30,2 bilhões no Brasil. O montante representa 50,2% da quantia acumulada por todo o mercado latino-americano.

Por esse motivo, indústrias de cosméticos vêm investindo em novos produtos e tecnologias para atender esse mercado. "Dentre algumas coisas que os consumidores não abriram mão foi da vaidade. Por isso continuamos a buscar novidades. Em 2016 passamos por um reposicionamento que nos alinhou ao perfil da mulher jovem e lançamos diferentes produtos que vão desde à uma nova base (Fit Me) à nova linha de batons em formato de lápis (Extreme Matte By Color Sensational), além dos rímeis que são um dos produtos referência da marca", conta Daniella Brilha, Diretora da marca Maybelline NY, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Para 2017, os lançamentos continuarão a movimentar a fábrica da companhia e as ações de Marketing. "Percebemos uma mudança no comportamento do consumidor, por isso buscamos oferecer itens mais em conta, para que as compras em beleza se mantenham. Reforçamos a comunicação no digital e contratamos a Camila Queiroz como porta-voz da marca, que também atuará em suas redes sociais", pontua.

Com os brasileiros viajando menos ao exterior, o pedido por versões importadas aumenta. "Queremos trazer mais produtos exclusivos para o Brasil. Em 2016 já fizemos com o rímel Lash Sensational e com uma estratégia diferenciada: eles são vendidos apenas nos quiosques da marca. No início de 2017 teremos mais produtos para atender a esse nicho que busca o que viram fora do país", conclui Daniella.

Comentários


Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss