Reportagens

Publicidade
Publicidade
Digital

Facebook suspende integrações da plataforma Etus

Usuários estão momentaneamente impedidos de realizar publicações na rede social e Instagram por meio da ferramenta até adequações aos Termos de Serviço. Veja o posicionamento oficial do Facebook.

Por Redação - 10/08/2021

Dois meses após o ocorrido com a Mlabs, outra ferramenta largamente utilizada no mercado acaba de sofrer sanções do Facebook. A Etus, adquirida pela Locaweb em 2020, teve suas integrações para Facebook e Instagram desconectadas ontem, 9, até que a empresa se adeque aos termos das plataformas.

O motivo para o bloqueio, novamente, é, segundo o Facebook, o uso de informações não autorizadas para obter dados da plataforma, ação que fere os termos da plataforma. Contudo, dessa vez, ao contrário do episódio ocorrido com a Mlabs, nenhuma publicação já realizada desapareceu. Segundo o comunicado emitido pela Etus, a sanção afeta cerca de 340 mil empresas usuárias da plataforma.

Leia a íntegra do comunicado da Etus.

Nesta mesma carta aberta, a Etus afirma ter sido a primeira empresa nacional a obter autorização do Facebook para impulsionamento de posts pela própria plataforma, gerando mais de R$ 3 milhões à rede desde então. 

A rede também alega que “possui o Agendamento de Posts para Feed, Relatórios, Inbox e Timeline, de todas as redes sociais integradas OFICIALMENTE e mesmo se tivéssemos uma notificação (como algumas plataformas em todo o mundo vêm sofrendo desde 2019) não precisaríamos de período de adequação, pois já estamos adequados em todos esses pontos.

A mensagem é encerrada com a promessa de trabalho para re-estabilização do serviço e é atualizada constantemente.

Já estamos trabalhando junto ao Facebook, e estamos confiantes que pelo nosso histórico de parceria de mais de 5 anos, nossa API será restabelecida nas próximas horas.”


O que está previsto nos termos do Facebook

Segundo apuração do Mundo do Marketing, o processo de sanção não se trata de casos isolados ou “caças às bruxas”. Desde 2020, mais de 300 casos de uso fora dos padrões das APIs foram documentados. A empresa inclusive reforçou o time e ferramentas para esse rastreamento e adequação dos novos parceiros aos termos da rede social.

Ainda segundo informações dos termos da plataforma, a ação não é uma exclusão ou banimento. As ferramentas podem se adequar  às condições do Facebook após os ajustes para voltarem a operar e prestar os serviços para os clientes, assim como aconteceu com a Mlabs. 

Leia o comunicado oficial do Facebook:

"Usar automação não autorizada para obter dados de nossas plataformas sem nossa permissão é proibido pelos nossos Termos de Serviço. Temos times e ferramentas que monitoram e detectam atividades suspeitas e agimos para proteger a privacidade das pessoas.

Ao longo do último ano, endereçamos mais de 300 violações nesse sentido, incluindo a suspensão de contas e a abertura de processos judiciais para responsabilizar quem cometa essas violações. Estamos comprometidos em seguir aplicando nossas políticas, que têm o objetivo de proteger a privacidade da nossa comunidade. Mais informações sobre os nossos esforços para combater o uso não autorizado de dados estão disponíveis aqui e aqui."

*Continue acompanhando para mais atualizações.