Já não se fazem mais idosos como antigamente. E o marketing para eles? | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Já não se fazem mais idosos como antigamente. E o marketing para eles?

Conheça mais do consumidor independente e disposto que demanda e conquista mais atenção do mercado

Por | 11/04/2007

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Já não se fazem mais idosos como antigamente. E o marketing para eles?

Por Mariana Oliveira
redacao@mundodomarketing.com.br

O mundo já não é o mesmo. E não são só as mudanças climáticas ou as inovações tecnológicas que fazer o planeta ser diferente. As pessoas estão mudando. Projeções prevêem que em breve haverá mais idosos do que jovens no mundo. Só no Brasil eles representam 17% da população e isto significa 31 milhões de pessoas. E não são qualquer pessoa. De acordo com o estudo "A Idade do Poder", desenvolvido pela agência Talent com base em diversas pesquisas sobre a terceira idade, as pessoas com mais 65 anos têm hábitos de consumo peculiares.

No Brasil, a expectativa de vida gira em torno de 71 anos e em 2040 deve chegar aos 80 anos. O diferencial é que este público tem se tornado cada dia mais independente. De acordo com uma pesquisa do GFK Indicator, pessoas desta faixa etária em diante consomem cerca de R$ 150 bilhões/ano, com ganhos mensais que representam R$ 12,2 bilhões. Muitos deles são aposentados que se tornaram aos poucos o público alvo de agências de turismo especializadas, supermercados, farmácias, bancos e até empreendimentos imobiliários, como o Residencial Santa Catarina.

Com foco no público das classes A e B a partir de 60 anos surgiu a iniciativa de dedicar um espaço que é comparável aos senior´s housing estrangeiros, condomínios exclusivos para este público. A diferença é que ali cada família tem seu apartamento e a segurança de contar, além da localização central na cidade de São Paulo, com um serviço médico básico incluído. O boca a boca, como informa Clestiane Cardoso Birello, Diretora Executiva do Residencial, foi a principal forma de divulgação. Apesar de contar com mídias tradicionais, Clestiane afirma que foi necessário tempo para conquistar o público, mas hoje o empreendimento já comemora a ocupação quase que total. "Vale a pena investir", ressalta Clestiane. "A mudança cultural está a caminho", completa em entrevista ao Mundo do Marketing.

Perfil
Para Gilberto Cavicchioli, especialista em comportamento do consumidor da ESPM-SP, o mercado ainda está se adequando a este público. É preciso respeitar as particularidades e fazer com que ele se sinta confortável. Ele explica que todo consumidor idoso possui um conselheiro a quem consulta na hora das compras e que apenas considera idoso aqueles com aproximadamente 20 anos a mais que ele próprio. Áreas como atendimento e infra-estrutura devem receber cuidados especiais, além é claro, de produtos e serviços específicos. Este público confia no boca a boca e valoriza liquidações e promoções. "O idoso adora fazer um bom negócio", conclui.

Nos Estados Unidos, por exemplo, os idosos representam grande fatia do setor de turismo, pois a disponibilidade de viajar em qualquer época mantém aquecida as viagens durante todo o ano. O estudo "A Idade do Poder" também mostra que a avidez pelo consumo se converte em conforto, praticidade e consumo. Seja em informação (jornais, revistas, TVs), lazer (especialmente restaurantes), viagens, entre muitos outros.

"Hoje aos 60 são garotos e garotas com vontade de viver. Isso muda a perspectiva de mercado. São muito menos de moda, do que qualidade e conforto", revela Paulo Stephan, Diretor Geral de Mídia da Talent. A disposição tem sido um dos pontos diferenciais no contato com este público. "O estereótipo da vovozinha fazendo tricô não tem nada a ver", diz Stephan em entrevista ao site. "É um desafio fazer campanhas para eles", adiciona. 

A terceira idade quer investir na qualidade de vida. Exemplos bem-sucedidos como a da Gol, que promove promoções específicas ou até do Banco Real com seus Talentos da Maturidade confirmam as estatísticas de que este é um novo público. "Já não se faz mais velhos como antigamente", se diverte Jimmy Cigler, da Resolvenet. Aos 58 anos, ele diz que começa a entender que as empresas ainda não vêem este público como eles se vêem. "O segredo é a empatia. Tem que se colocar no lugar dele. Sentir o que ele sente", garante.

Acesse
www.talent.com.br
www.residencialsantacatarina.com.br
www.espm.br
www.resolvenet.com.br

Comentários


Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss