Rayovac X Duracell: concorrência acaba no tribunal 15 de junho de 2010

Rayovac X Duracell: concorrência acaba no tribunal

         

Campanha comparativa da Rayovac tem resposta jurídica da Duracell

Publicidade

<p><img alt="Rayovac X Duracell: concorrência acaba no tribunal" align="right" width="226" height="221" src="/images/materias/rayovac_duracell_desafio(1).jpg" />O mercado de pilhas chamou a atenção nos últimos meses. Tudo por conta de uma ação que envolveu duas das principais marcas do produto no Brasil. Rayovac e Duracell. Apesar de utilizar a marca da Duracell, a estratégia adotada pela Rayovac teve como objetivo exaltar a marca e instigar o consumidor a fazer um comparativo entre os dois produtos.<br /> <br /> A ação da Rayovac repercutiu em todo o país. Porém, a Duracell acionou o departamento jurídico da Procter & Gamble a fim de retirar a sua marca da campanha elaborada pela sua concorrente. Além desta ação civil, a Duracell pede indenização e ainda enquadra a Rayovac em uma ação criminal contra a marca.<br /> <br /> Apesar da briga, nenhuma das marcas envolvidas acredita em um “ataque”. Enquanto a desafiante Rayovac adota o discurso da “comparação entre os produtos” a Duracell entende que a campanha pecou ao “violar o direito de marca”. De uma forma ou de outra, o certo é que o imbróglio entre as marcas colocou pilha na concorrência entre as empresas. Resta saber qual delas vai durar mais.<br /> <br /> <strong>Ataque X violação</strong><br /> De acordo com a legislação brasileira, para utilizar uma marca qualquer – que não seja a sua – em uma estratégia de comunicação, é preciso ter a autorização da mesma. E não foi isso o que aconteceu no desafio Rayovac X Duracell. “A Rayovac teve até o dia 3 deste mês para retirar a marca Duracell de suas peças. Além desta liminar, entramos com uma ação criminal contra a Rayovac por causa da utilização indevida do logotipo do produto”, explica Marcel Michelman, Gerente de Propriedade Intelectual da P&G para a América Latina e responsável jurídico da ação judicial, em entrevista ao Mundo do Marketing.<br /> <br /> <img alt="Rayovac X Duracell: concorrência acaba no tribunal" align="right" width="150" height="207" src="/images/materias/rayovac_duracell_Marcel(1).jpg" />Diferente do que acontece em outros segmentos, a Duracell não pretende responder à Rayovac. “Vamos continuar com o slogan atual. Não temos nada contra o concorrente até porque a propriedade intelectual da P&G é não fazer propaganda direta usando comparativos”, diz Michelman (foto).<br /> <br /> Ao que parece, a Duracell não vê a propaganda feita por Rayovac como uma insulta. “Acreditamos que toda a concorrência é saudável e que o maior beneficiado com isso é o consumidor. Mas existem regras legais que devem ser observadas sob pena de gerar descrédito no mercado”, acredita Gabriela Onofre Editore, Diretora de Assuntos Corporativos da P&G do Brasil.<br /> <br /> <strong>Concorrência X confiança<br /> </strong>Além de atribuir, de certa forma, as características de seu produto ao concorrente, a Rayovac não contou com uma boa assessoria jurídica nesta estratégia. “Consultamos escritórios de advocacia especializados no assunto, de maneira que a propaganda fosse completamente ética e estivesse amparada nas leis que permitem a propaganda comparativa no Brasil”, afirma Thiago Melo, Gerente de Produto da Rayovac, ao site.<br /> <br /> <img alt="" align="left" width="150" height="188" src="/images/materias/rayovac_duracell_Thiago(1).jpg" />A ideia da Rayovac de fazer a campanha citando a Duracell teve como principal objetivo oferecer ao consumidor de todo o país as melhores informações para a decisão de compra. Além disso, mesmo com os problemas jurídicos, a Rayovac atinge o seu objetivo. “Este é um trabalho de longo prazo, que mostrará ao consumidor quais opções de compra ele possui no mercado de pilhas. Temos que ter cuidado para não parecer que queremos atacar nosso concorrente. A intenção da campanha é mostrar ao consumidor uma nova opção, com isso ele poderá fazer a sua escolha”, aponta Melo (foto).<br /> <br /> Para alguns consumidores a Rayovac atacou a Duracell. Para outros, esta é uma oportunidade que a Rayovac criou para ganhar mercado e visibilidade. No meio das opiniões diversas, manter a confiança do consumidor no produto depois desta ação não é um desafio para a Duracell. “Não entendemos que deva ter havido uma quebra de confiança do nosso consumidor. Só haveria quebra de confiança no caso de queda da qualidade e esse não é o caso. Nos limitamos a tomar as providências legais. Quem, no fim das contas, decide esse tipo de situação é o consumidor”, completa Gabriela Onofre, da P&G.</p>


Publicidade