SuperPrix distribui Bolsas solidárias | Promoções | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing

Promoções

Marca: SuperPrix

Promoção: INCAvoluntário

Premiação: Doação de Bolsa de Alimentos

Link: https://www.superprix.com.br/variedades/bolsa-solidaria

Mecânica: O Outubro Rosa - campanha que acende não só o alerta para atitudes que influenciam o diagnóstico precoce do câncer de mama, mas também desperta o sentimento de solidariedade na população, já se aproxima e o INCAvoluntário, em parceria com o SuperPrix, aposta no programa Bolsas solidárias para aumentar as doações em prol do instituto. Os alimentos, distribuídos para os pacientes da organização, podem ser comprados pelos clientes através do site e conta com frete gratuito. As bolsas são enviadas diretamente ao INCAvoluntário, para distribuição aos pacientes assistidos.

O objetivo é possibilitar que eles mantenham uma alimentação equilibrada em sua residência durante o tratamento - como muitos precisam parar de trabalhar durante o processo de recuperação, a renda familiar é afetada e consequentemente a alimentação adequada. São quatro opções cujos valores variam de R$20,00 a R$85,00. Cada uma abrange vários tipos de produtos, conforme as orientações do INCAvoluntário – como a Bolsa Alegria, a Bolsa Amor, a Bolsa Abraço e a Bolsa Sorriso – com produtos que vão de leite em pó integral a feijão e arroz. O projeto espera manter o ritmo não só no mês de outubro, mas em todos os outros já que são distribuídas 850 bolsas por mês para os pacientes do Instituto em condições socioeconômicas desfavoráveis.

  • cb1ea5cfa275fc4150c3e74e87e6dba0.jpg

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss