Pioneiro há 22 anos, Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência 10 de março de 2010

Pioneiro há 22 anos, Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência

         

Marca aproveita bom momento e espera chegar a 450 lojas até 2015

Publicidade

<p><img height="200" width="200" align="right" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_logo-mundinho.jpg" />Sustentabilidade, alimentação saudável e qualidade de vida. Valores que hoje começam a ganhar força já faziam parte da cultura do Mundo Verde há mais de 20 anos. Com a mudança no comportamento das pessoas, muito mais preocupadas em consumir de forma consciente, a marca se firma como referência em seu segmento e chega a 150 pontos-de-venda espalhados por 17 estados brasileiros.<br /> <br /> Com foco na oferta de serviços e de experiências no ponto-de-venda, além de treinamento dos funcionários para atender os consumidores de forma diferenciada, o Mundo Verde tornou-se sinônimo de saúde e bem-estar. Hoje, a rede atende a um público diversificado, muito diferente de um grupo restrito que buscava alternativas saudáveis para a alimentação no final da década de 1980.<br /> <br /> A empresa nasceu em 1987, na cidade serrana de Petrópolis, no Rio de Janeiro, resultado da observação de uma lacuna no mercado. Mas sua história começa dois anos antes e é exemplo de que um momento de crise pode ser também um momento de oportunidade. <br /> <strong><br /> Foco na experiência de compra</strong><br /> Morando nos Estados Unidos, os irmãos e futuros fundadores do Mundo Verde – Isabel, Elísio e Arlindo Antunes – voltaram ao Brasil depois da notícia de que a mãe fora diagnosticada com câncer. Formada em nutrição, durante o período em que esteve no exterior, Isabel pode estudar sobre alimentação saudável. Chegando aqui, percebeu o espaço que havia para ser preenchido e inaugurou, ao lado dos irmãos, a primeira loja do Mundo Verde com dois objetivos: ter acesso aos fornecedores para consumo próprio e disseminar os benefícios dos alimentos naturais e não-industrializados.<br /> <br /> <strong><img height="263" width="300" align="left" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_primeira-loja2.jpg" /></strong>A pequena loja (foto) passou a ser referência na cidade, encantando os consumidores e transmitindo os valores de bem-estar e qualidade de vida a partir de produtos não somente alimentícios como também de aromaterapia, música, livros, incensos e itens esotéricos. A proposta despertou a atenção dos consumidores e, em 1992, um empresário de Nova Friburgo, cidade localizada também na serra fluminense, demonstrou interesse em abrir a primeira filial do Mundo Verde.<br /> <br /> O crescimento nos primeiros anos foi sedimentado na essência e nos valores que a marca propagava para os seus consumidores. Desde o surgimento, os investimentos em Marketing sustentam-se principalmente na experiência de compra transmitida em seus pontos-de-venda, característica que continua sendo o foco da marca.<br /> <br /> <strong>Relacionamento é peça fundamental</strong><br /> “Temos que capacitar as equipes de forma técnica, mas também emocional. Fazer com que o funcionário seja educado, deixe o cliente se sentir em casa, seja atencioso. Temos diversos modelos de treinamento para potencializar o nosso modelo de atendimento”, explica Donato Ramos, Diretor de Marketing do Mundo Verde, em entrevista ao Mundo do Marketing.<br /> <br /> A iniciativa mais recente para a formação das equipes é a Universidade Corporativa Mundo Verde, que começará a funcionar em abril. A novidade terá cursos on-line responsáveis por capacitar os colaboradores que ainda poderão receber prêmios de incentivo por participação e pelas notas. A importância da formação adequada destes profissionais é explicada pelo fato de que, no Mundo Verde, os vendedores são verdadeiros consultores, responsáveis por direcionar o cliente para o produto que precisa e deseja, explicando suas características, e ainda oferecendo um atendimento personalizado, essencial para a cultura da marca.<br /> <br /> “Os produtos são o meio de oferecer o nosso maior produto, que é qualidade de vida, saúde e bem-estar. Para isso, é essencial criar relacionamento. O consumidor deve ver o atendente como a pessoa em quem confia e que possa dar uma solução para o seu problema, oferecendo uma experiência inesquecível de compra”, diz Ramos.<br /> <br /> <strong><img height="219" width="200" align="right" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_alo-nutricionista.jpg" />Relacionamento multicanal</strong><br /> O atendimento é um dos pontos principais para criar este vínculo entre consumidor e marca, mas não é o único. O Alô Nutricionista é um forte canal de relacionamento com o consumidor e um importante exemplo de que é possível agregar valor oferecendo serviços relevantes. Pelo telefone ou pela internet, os clientes podem entrar em contato com uma das cinco nutricionistas que estão à disposição para atendê-los gratuitamente. <br /> <br /> O Mundo Verde conta ainda com o site e a newsletter com informações sobre saúde e nutrição, dicas de produtos e receitas. São 120 mil pessoas cadastradas que recebem o conteúdo distribuído pela marca. As mídias sociais também são importantes para a empresa, que contabilizou 16.500 acessos em seus blogs em fevereiro deste ano contra apenas seis mil em junho do ano passado. Atualmente, o Mundo Verde também faz ações no Twitter, como promoções e concursos culturais, e tem um perfil no Formspring, site que permite perguntas anônimas, onde consumidores podem tirar suas dúvidas.<br /> <br /> Há ainda a Revista Mundo Verde, com informações sobre os temas que se relacionam com a marca. Para 2011, a empresa pretende lançar um cartão de fidelidade. A iniciativa espera ampliar o conhecimento sobre o consumidor e recompensá-lo com experiências como viagens, jantares, SPA, entre outras.<br /> <br /> <strong>Lojas quase que customizadas</strong><br /> Há três anos, a rede começou a participar de eventos ligados à área médica para ser reconhecida pelos profissionais de nutrição, saúde e fitness. Durante as ações, a marca disponibiliza uma equipe de nutricionistas que dá palestras, desenvolve o coffee break e promove degustação. No ano passado, o Mundo Verde participou pela primeira vez de uma feira de franquias, o que faz parte da estratégia de expansão da rede.<br /> <br /> <strong><img height="271" width="350" align="left" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_BarraShopping2.jpg" /></strong>Para 2010, a expectativa é de que sejam abertas mais 40 unidades. Já nos próximos cinco anos, o plano de expansão prevê 450 lojas em operação. Um investimento inicial, numa loja de 60 m², pode chegar a R$ 250 mil, já com estoque e capital de giro. O formato dos pontos-de-venda também varia de acordo com o lugar e o público-alvo, chegando a uma espécie de customização. A variedade de produtos permite que se adequem ao formato de cada loja, já que o mix vai desde alimentos naturais a itens esotéricos como CDs, livros, aromaterapia e artesanato local, passando ainda por cosméticos e até por lanchonetes.<br /> <br /> “A franqueadora não impõe o mix de cada loja, que se adapta de acordo com o cliente local. Fazemos isso há 20 anos e, assim, ganhamos consumidores mais satisfeitos e franqueados com menor investimento em estoque”, acredita o Diretor de Marketing da rede e um dos executivos que assumiu a gestão do Mundo Verde em agosto de 2009 juntamente com o Axxon Group. <br /> <br /> <strong>São Paulo desponta como mercado em expansão</strong><br /> O principal mercado da marca hoje é o Rio de Janeiro, não somente por ser o local de origem do Mundo Verde, mas também pela afinidade que o carioca tem com valores como cuidado com a saúde e com o corpo, alimentação natural, prática de exercícios físicos e qualidade de vida. Com um faturamento de R$ 90 milhões em 2009, o Mundo Verde cresceu 20% no Rio. Outro mercado importante para marca é o do nordeste, que expandiu 35% no período, indicando que a região ainda oferece muitas oportunidades.<br /> <br /> <strong><img height="270" width="200" align="right" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_donato-ramos.jpg" /></strong>Mas é para São Paulo que o Mundo Verde direciona seu foco. Com crescimento de 55% no último ano, as lojas paulistas superam, a cada mês, o seu faturamento. Somente este ano, a rede terá 10 novas lojas na cidade, duas delas sob o formato conceito, com cerca de 150 m², que pretende incentivar atitudes sustentáveis, como horta comunitária, por exemplo.<br /> <br /> “Até 2007, 2008, o recall era muito baixo em São Paulo. Hoje, a marca ganha representatividade pelo número de novas lojas”, conta Ramos (foto). O crescimento total de 20% ao ano alcançado pela rede e a participação dos alimentos em 65% do faturamento indicam a mudança no comportamento do consumidor, mais consciente dos benefícios da alimentação saudável e orgânica.<br /> <br /> <strong>Consumidor movimenta o mercado com mudanças</strong><br /> “Hoje, ouvimos formadores de opinião falarando sobre a importância do cuidado com a alimentação. O consumidor está mais preocupado com o que está comendo. Ainda não é um mercado de massa, mas está em expansão. Atualmente, o Mundo Verde tem clientes diversos, todos com interesse em saúde”, aponta Fabio Mariano, especialista em comportamento do consumidor e professor da Pós-Graduação em Ciências do Consumo Aplicadas da ESPM, em entrevista ao Mundo do Marketing.<br /> <br /> <img align="left" alt="Mundo Verde aposta em conceitos que viraram tendência" src="/images/materias/mundo-verde_fabio-mariano.jpg" />Se no começo da década de 1990, quando o Mundo Verde surgiu, o perfil do consumidor era praticamente estereotipado como “bicho grilo” e “hippie”, pessoas que há anos já buscavam um modelo de vida saudável, hoje o cenário é diferente. Principalmente nos últimos cinco anos, o mercado tem acompanhado um movimento em direção à conscientização tanto do consumo, quanto do que compõe os produtos consumidos.<br /> <br /> Por isso, o cliente da rede não pode ser rotulado com idade, gênero ou classe social: são pessoas que buscam qualidade de vida, estão atentas à procedência dos produtos e querem alimentos funcionais, que atuem oferecendo benefícios específicos. Neste sentido, o Mundo Verde não tem o que mudar. “Não precisamos reformular por moda, somos assim desde 1987. Quando ninguém falava em sustentabilidade e bem-estar, o Mundo Verde, numa pequena loja em Petrópolis, já o fazia”, conta o Diretor de Marketing da rede.<br /> <br /> Ter enxergado uma oportunidade de mercado quando poucos fizeram rendeu à marca, além do sucesso, um importante papel no segmento em que atua. “O Mundo Verde foi investidor. Se não há os que arriscam e acreditam na expansão dos negócios, ou as mudanças não acontecem ou demoram mais. A marca teve um papel marcante e significativo em divulgar e tornar os produtos acessíveis, tanto no sentido geográfico, quanto no financeiro”, avalia Mariano (foto), da ESPM.</p>


Publicidade