O vendedor do futuro – Não vende, leva soluções! 30 de abril de 2010

O vendedor do futuro – Não vende, leva soluções!

Publicidade

<p>Em um mundo globalizado com a democratização dos recursos e meios de produção, da tecnologia da informação (consequentemente, da informação) ocorre o aumento da concorrência em níveis preocupantes, fazendo com que as empresas adotem mecanismos de proteção de seus mercados. Um dos principais focos de ação é a melhoria da informação e o desenvolvimento de competências da equipe de comercialização, representada pelos profissionais que têm contato direto com o cliente e a responsabilidade de coordenar as atividades de campo.</p> <p>Gerar diferencial competitivo pelas empresas passa por, além da melhoria de produtos, pela melhoria do relacionamento com o cliente, através da adoção de sistemas que permitam a identificação e a utilização de informações sobre o comportamento desses clientes. Em geral, as empresas têm adotado ferramentas de CRM (Customer Relationship Management) que possibilitam essa interação e criação da imagem de proximidade necessária.</p> <div>Os produtos, função da facilidade de produção e acesso à informação, tornam-se a cada dia mais parecidos. A necessidade de traduzir corretamente as demandas do mercado passa a ser fundamental para o crescimento e a manutenção das empresas. As equipes de campo devem ter a capacidade de administrar estrategicamente o relacionamento com o cliente, não se limitando a “… Convencer o cliente a comprar…”. O papel do vendedor ou executivo de vendas como provedor de soluções é imperativo para o estabelecimento dessa relação.<br /> <br /> A cada dia, com a globalização, os produtos passam a ser tratados como comodities. Hoje é muito fácil oferecer produtos semelhantes. A competência para <b>cria</b><strong>r</strong> <b>diferencial competitivo</b> a partir de ações de <b>venda consultiva</b> passa a ser um imperativo para a sobrevivência futura das organizações. Ter competência para interpretar e traduzir corretamente as demandas do mercado e os movimentos da concorrência é hoje uma condição fundamental.</div>


Publicidade