O que seria do comércio sem o pecado 19 de julho de 2011

O que seria do comércio sem o pecado

         

Como a sua loja pode pecar mais para vender mais?

Publicidade

<p>Por Helga Silva*<br /> <br /> O pecado… esse mal tão censurado que atormenta as consciências e nos faz sentir culpados, mas na verdade tão frequente que acaba por se tornar normal. Por que? Porque é parte da condição humana, parte integrante do que somos, que nos define tanto quanto as nossas qualidades. Mas estará esse pecado presente no nosso dia a dia de consumidores? E estará a sua loja a retirar o verdadeiro proveito dele? <br /> <br /> Pecado no comércio é, nada mais, nada menos, que o motor de venda/compra que movimenta o dia a dia e que permite a sobrevivência de tantas lojas e tanta variedade de consumo, sendo, nesta ótica, prazer e satisfação. Então, como a sua loja pode pecar mais para vender mais? <br /> <br /> Comecemos pela <em>avareza</em>: não há nada que faça o consumidor feminino se sentir mais poderoso do que uma bolsa da marca X ou uns sapatos da marca Y. Entrar numa festa cheia de pessoas conhecidas com aquele par de sapatos é muito mais que vaidade: é pura afirmação. É status, é poder… e esse poder é você, comerciante, que o vende. <br /> <br /> Depois temos a <em>inveja</em>: aquelas imagens das celebridades que usam este ou aquele modelo ajudam (e muito) a vender determinadas peças, que prometem uma proximidade fácil e desejada àquele estado de glória! Quem vende essa glória? Você comerciante. Basta colocar o seu vestido junto a um cartaz da Beyoncé a usar um muitíssimo semelhante! <br /> <br /> <em>Soberba</em>: não necessariamente por falta de humildade, mas todos adoramos nos sentir auto suficientes nem que seja por uns momentos. Como? Conduzindo aquele carro estrondoso que grita pelas ruas que temos o controlo da situação. <br /> <br /> <em>Ira</em>: o que mais nos acalma naqueles dias em que o sentimento de raiva com o mundo é tão desesperante e incontrolável? Comprar um miminho, ser bem atendido numa loja e ainda ouvir um elogio da pessoa que nos atendeu. Ou então, ir à pastelaria da esquina e comer o bolo maior que lá existir – o que atrair mais à vista. Pensemos por um instante num restaurante de comida gourmet, com um dos maiores chefs do mundo, que trabalha diariamente para satisfazer os paladares mais exigentes. A que se apela aqui? Ao gosto pela comida, ao prazer de saborear um belo prato feito com conhecimento e paixão. <br /> <br /> O que seria deste restaurante sem um pouco de <em>gula</em>, que permite aos que nas suas mesas se sentam, comer não pela necessidade de se alimentar, mas pelo prazer inigualável de sentir a textura de um belo petisco a lhes passar pela boca. Ou o que seria dos produtores de vinho, se não fossem aqueles que vêem numa taça de tinto um momento de paragem no tempo e puro deleite! <br /> <br /> Segue-se a <em>preguiça </em>(muito associada nos dias de hoje à falta de tempo): aquele robot doméstico que limpa a casa praticamente sozinho, aqueles saquinhos do supermercado que já trazem as verduras todas cortadas e lavadas… <br /> <br /> Por fim a <em>luxúria</em>: um spa e as suas massagens relaxantes, os cremes hidratantes de cheiro apetecível para provocar o companheiro lá em casa… ou o creme que promete deixar as suas pernas iguais às de uma super model, aspirando ao corpo perfeito…<br /> <br /> Esta associação é uma pequena reflexão de como o viver em sociedade faz de nós seres que convivem com o pecado todos os dias. Não da forma condenável, mas sim de forma natural, humana e tão prazível! O que o consumidor espera encontrar numa loja de é nem mais nem menos a resposta a todos estes estímulos, a ajuda em responder a estas necessidades e caprichos, na maioria das vezes de forma inconsciente. Você como lojista é que tem de estar bem consciente de tudo isto! <br /> <br /> Recorra ao seu lado de consumidor pecaminoso para ser um comerciante ainda mais próximo dos seus clientes. Torne a sua loja excitante. Ajude o seu consumidor a cometer os seus pecadinhos diários! Ele agradecerá, voltando!<br /> <br /> * Helga Silva é Pós-graduada em Protocolo, Assessoria de Imprensa / Comunicação. É Consultora Formadora do Projeto Mais Comércio – projeto de apoio ao comércio tradicional desenvolvido pela empresa RHmais em parceria com a ACIF (Associação Comercial e Industrial do Funchal).</p>


Publicidade