O que Employer Branding, Comunicação Interna e Marketing de Recrutamento têm em comum? Bruno Mello 28 de setembro de 2023

O que Employer Branding, Comunicação Interna e Marketing de Recrutamento têm em comum?

         

Andressa Filgueiras traz comparativo para melhor tomada de decisão

O que Employer Branding, Comunicação Interna e Marketing de Recrutamento têm em comum?
Publicidade
Amazon Prime Day

Para garantir o sucesso dos negócios, as empresas sabem que precisam atrair e conquistar os melhores talentos do mercado. A questão é que há uma infinidade de metodologias e conceitos que podem ser usados para conduzir estratégias de relacionamentos com esse público e, diante de tantas possibilidades, é natural que os profissionais de recursos humanos fiquem em dúvida sobre qual adotar. Para isso, é importante reconhecer as diferenças entre as principais alternativas e, assim, identificar o resultado que pode ser conquistado por meio de cada uma delas.

Um dos conceitos mais difundidos e enraizados na cultura de recursos humanos é o de Comunicação Interna, que trata das estratégias de comunicação que uma empresa pode aplicar para se relacionar com o time de colaboradores já contratados. Nesse caso, o objetivo principal é garantir um processo de comunicação ativo, perene e saudável sobre os mais diversos assuntos com o intuito de assegurar o alinhamento das informações e promover o engajamento e o acolhimento de todos.

Outro conceito importante é o de Employer Branding que, em português, significa ‘marca empregadora’. Baseado nos princípios convencionais do Branding, que visam fortalecer a imagem e a reputação de uma marca para um público externo, o Employer Branding corresponde à estratégia de cuidar da imagem e da reputação de uma organização como empregadora. O Employer Branding consiste em garantir que a percepção que as pessoas têm sobre uma organização esteja alinhada aos objetivos do negócio e faça com que todos compreendam sua essência. Em outras palavras, desperta o desejo e admiração das pessoas sobre uma determinada empresa, fazendo com que os colaboradores sintam orgulho de trabalhar nela bem e os candidatos tenham vontade de participar de seus processos seletivos. Participar de reconhecimentos públicos como Melhores Empresas Para Trabalhar (GPTW), LinkedIn Top Companies, Best WorkPlaces, entre outros, são boas formas para avaliar o desempenho dessa estratégia.

Embora Employer Branding seja uma estratégia relevante para contar com os melhores talentos no time, a quinta edição da pesquisa “Perspectivas do Employer Branding”, realizada pela Employer Branding Brasil (EEB), deixa claro que, na prática, as empresas ainda  têm um longo caminho pela frente para conquistar um bom patamar de maturidade sobre o assunto.

Entre os 878 respondentes da pesquisa recém-divulgada, 51,1% disseram que as organizações em que trabalham ainda estão em estágio inicial quando o assunto é Employer Branding. Possivelmente esse resultado seja decorrente de que apenas 30,1% delas possuem profissionais dedicados exclusivamente à criação e execução da estratégia de Employer Branding, somente 4% da liderança sênior está comprometida com o sucesso da estratégia de Employer Branding e 47,4% afirmam que não há perspectiva de realizar mais investimentos para evoluir com o tema.

Publicidade

Por outro lado, quando o principal propósito é atrair candidatos para vagas de emprego, o melhor caminho é o Marketing de Recrutamento. Este diz respeito essencialmente à aplicação de estratégias de marketing para ampliar a visibilidade dos processos seletivos de uma companhia e, assim, chamar a atenção dos profissionais que têm as habilidades e competências mais adequadas para cada oportunidade.

Encontrar o candidato ideal às vezes pode até parecer desafiador, mas, com a aplicação das ações corretas, fica mais fácil encurtar esse caminho e garantir o ‘match’ perfeito entre empresa e profissionais. Para mensurar o sucesso de uma iniciativa de marketing de recrutamento, a dica é avaliar dados como o volume de inscritos, a taxa de engajamento dos participantes de cada processo seletivo, o percentual de aceitação das propostas por parte dos candidatos aprovados e, posteriormente, o tempo de permanência dos contratados na empresa. Para isso, é importante fazer um bom uso de tecnologias, estruturar adequadamente os processos e, assim, acompanhar no detalhe a jornada dos candidatos.

O Marketing de Recrutamento e a Comunicação Interna, de certa maneira, podem ser percebidos como componentes das ações de Employer Branding, mas saiba que eles não funcionam sozinhos. O potencial de contribuição deles depende de outros fatores como o plano de carreira que uma empresa oferece aos seus colaboradores, a estrutura de cargos e salários praticada, o pacote de benefícios disponível, o clima organizacional, a cultura, os valores do negócio, entre outros. Tudo isso colabora para alcançar o sucesso organizacional dos times de RH e Marketing.

*Andressa Filgueiras é Gerente de Comunicação e Marketing na Companhia de Estágios. Formada em Relações Públicas pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduada em Engenharia de Marketing pela FIA Business School, Andressa tem grande experiência com gestão de equipe, processos de marketing, performance digital e reposicionamento de marcas.

Andressa Filgueiras é Gerente de Comunicação e Marketing na Companhia de Estágios


Publicidade
Amazon Prime Day