Notícias Corporativas

A neurociência permite aumentar suas vendas

Estudos científicos, mostram que existe um fator na neurociência que prova ser mais efetivo na hora de vender. O especialista, André Buric, explica o fenômeno, e como isso vem sendo usado desde o passado, e como podemos aplicar hoje em nossas vendas e negociações.

São Paulo, SP

Categoria: Negócio

Autor: DINO

Data de Publicação: 09/03/2020
O poder do cérebro
Neuro Persuasão

Vender é a meta de todas as empresas, grandes ou pequenas, e até mesmo de profissionais liberais e empreendedores. O lucro é o que determina um bom negócio, e para isso são necessários clientes. Por conta disso, os conhecimentos da neurociência podem ajudar.

O especialista em neurociência e fundador do Brainpower, André Buric, explica:

“Hoje, a atenção das pessoas é a cada dia mais dividida e disputada. O que antes funcionava como forma de comunicação, não mais significa um estímulo atrativo para o cérebro das pessoas. A neuropersuasão é exatamente a ciência que torna a sua mensagem muito mais impactante e atrativa.”

O André Buric, criou um método chamado Neuro Persuasão, e uma das bases é exatamente a neuroeconomia, que é a ciência que estuda o processo decisório do cérebro humano. Já existem estudos clínicos que mostram que, antes mesmo de uma decisão se tornar consciente, já temos indícios dela no cérebro.

“Já está cientificamente comprovado por experimentos com eletrodos no cérebro de uma pessoa, que é possível avaliar e concluir a decisão que a pessoa tomará, antes mesmo de ela se tornar consciente disso. Se você quer conduzir uma pessoa a uma decisão, a uma ação, a qualquer coisa, você tem que entender como o cérebro processa decisões.”, explica o especialista.

André Buric destaca que em seu mestrado em Londres, em Neurociência e Neuropsicologia, vários estudos científicos demonstram a importância de gerar uma conexão emocional forte com as pessoas. Um desses estudos, que é conhecido como o experimento da Ponte Capilano de 1974.

Neste estudo, os participantes do sexo masculino foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo tinha que atravessar uma ponte suspensa sobre uma grande profundidade, uma ponte visivelmente assustadora, com 70 metros de altura. Era uma ponte velha, que balançava com o vento e tremia a cada passo dos participantes. Enquanto isso o outro grupo andaria em uma ponte normal, segura. E no final da travessia os homens faziam uma entrevista com uma pesquisadora muito atraente, que deixou seu telefone caso eles tivessem alguma dúvida sobre o experimento.

O que os pesquisadores descobriram foi que o primeiro grupo, que atravessou a ponte assustadora, eram mais propensos a entrar em contato com a pesquisadora em comparação com outro grupo de homens que haviam atravessado uma ponte não assustadora.

O ponto é que como a ponte era mais assustadora, estavam ansiosos, tensos, excitados, e ao conversar com a experimentadora, essa experiência foi marcante. Por isso eles não esqueceram mais da conversa, nem da entrevistadora. Eles interpretaram isso como se sentindo atraído por ela. E, na verdade, de fato ficaram mais atraídos.

O especialista explica: “Nesse estudo podemos ver que a mesma pessoa, de repente, se tornou mais atrativa, com base no que aconteceu antes da conversa. Não foi a conversa. Não foram aqueles 5% finais. O que muda são os 95% que vêm antes. E poucas pessoas, marcas e empresas sabem ativar emocionalmente um cliente”

André Buric também explica que, “se você aprender a ativar emocionalmente uma pessoa, ou seja, trabalhar nos 95% que realmente levam a uma decisão. Você, sua marca, sua empresa, sua carreira, seu nível de admiração, irão mudar de patamar. Afinal, as pessoas darão atenção a você, e lembrarão do que você é, representa e diz.”

Dentre diversos outros princípios da neuropersuasão, um dos mais fundamentais é o cérebro trino, que influencia diretamente na tomada de decisão do cliente. Essa teoria foi criada pelo neurocientista Paul MacLean, em 1970. Segundo essa teoria, nós e nosso cérebro somos decorrência do processo evolutivo de toda a história dos seres vivos, e nós temos algumas divisões no nosso cérebro, e é fundamental que você aprenda a conectar com cada uma delas, se quiser ativar o cérebro por completo.

"Os riscos, as emoções e a razão, precisam ser trabalhadas de forma diferente. E o conhecimento das partes do cérebro é absolutamente imperativo para você conseguir influenciar e cativar as pessoas. Depois de estudar e ter conhecimento disso, as negociações e vendas ficam mais fáceis e fluidas. Eu ensino e mostro essas três partes do cérebro no meu evento online e gratuito.”, diz André Buric.

E complementa, “somos a única espécie que consegue ter um processo de comunicação que desperta desejos e, por isso, leva outros seres humanos. Se você reparar, os que são líderes de nossa espécie, todos dominam esse processo de comunicação. Quem domina a persuasão lidera. São pessoas que influenciam seu mercado, seu segmento.”, conta.

O especialista, André Buric, está com um evento, 100% online e gratuito, onde aborda este assunto. O objetivo do evento é entender como a raça humana chegou a dominância, e ainda, como alguns seres humanos se destacam dentro de nossa espécie. 

“Se as pessoas entendessem como interferir no processo decisório do cérebro, teriam muito impacto em seus mercados, e em suas vendas de forma exponencial. Assim como muitos alunos do Brainpower já estão vivenciando esses resultados.”

Para participar do evento online e gratuito, é só se cadastrar em: http://neuropersuasao.com.br 



Website: http://neuropersuasao.com.br 
Publicado por: dino

Este conteúdo de divulgação comercial é fornecido pela empresa DINO e não é de responsabilidade do Mundo do Marketing.