Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing - Dino

Notícias Corporativas

198917

Tabu, empresas do setor funerário apostam em planos acessíveis para classe C e D

Colina dos Ipês, em Suzano, possui planos específicos e desenvolve diferentes serviços de apoio às pessoas

Categoria: Negócio

Autor: DINO

Data de Publicação: 12/02/2019

Ainda que a morte seja a "única certeza da vida", não é fácil tratar este tema com amigos e familiares - muito menos encará-la como um negócio e buscar "potenciais clientes". Este é o desafio que as empresas do setor funerário precisam lidar. A maioria delas aposta na oferta de planos acessíveis para desmistificar o assunto e aumentar as vendas.

A missão realmente não é das mais simples. De acordo com levantamento do Sincep (Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil), apenas um a cada dez brasileiros se preparam para a morte, seja a sua ou de algum parente, e adquire um plano funerário para auxiliá-lo nesta situação.

Não bastasse isso, o aspecto cultural ainda influencia a decisão das pessoas. Uma boa parte da população sequer cogita pensar no assunto: praticamente três em cada quatro brasileiros admitem que a morte é um tabu e 73% não gostam de falar a respeito, de acordo o sindicato.

"A sociedade brasileira de um modo geral não costuma encarar este tema de frente, mas é justamente por isso que eles deveriam contratar serviços especializados. Quando a morte acontecer em sua família, ela terá o apoio de uma empresa que tem know-how em lidar com este momento de tristeza", explica João Paulo Magalhães, Diretor Comercial do Cemitério Colina dos Ipês.

A empresa, localizada em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, já se preparou para este momento. Com planos funerários específicos para as classes C e D, com valores a partir de R$ 49 mensais, possui mais de 12 mil contratos ativos e realiza uma média de 80 sepultamentos por mês.

Além do preço mais acessível, o cemitério apostou no conceito de deathcare, ou seja, oferece assistência humanizada às famílias em um momento tão difícil como esse. Nos últimos anos, houve investimento em estrutura e capacitação em funcionários para que eles possam proporcionar um maior acolhimento.

Por fim, as salas de velórios possuem decoração e pinturas para as mais diferentes religiões, desde o cristianismo até o budismo, e um cerimonialista para auxiliar as pessoas que precisam de orientação após a morte de um familiar. Ele ajuda a definir todos os ritos do velório e do enterro.

"Hoje, os familiares querem ser bem atendidos e essa preocupação é ainda maior quando se fala de uma empresa funerária. Eles querem que a última homenagem ao ente querido seja perfeita, mas normalmente não têm cabeça para todas as decisões. Temos que estar ao lado dele nesses momentos", conclui João Paulo.




Publicado por:

Este conteúdo de divulgação comercial é fornecido pela empresa DINO e não é de responsabilidade do Mundo do Marketing.

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss