Mercado de PCs registra queda em 2009 2 de março de 2010

Mercado de PCs registra queda em 2009

         

Período comercializou 11 milhões de unidades e sofreu baixa de 6,4% em relação a 2008

Publicidade

<p>O mercado de notebooks e desktops fechou 2009 com cerca de 11 milhões de unidades vendidas. O último trimestre foi o que mais comercializou PCs, com 3,1 milhões de computadores. Já o trimestre menos expressivo foi o primeiro, com 2,1 milhões. Os dados são da pesquisa Brasil Quarterly PC Tracker, da IDC. A expectativa é de que, neste ano, o mercado de PCs cresça aproximadamente 16%, atingindo cerca de 12,8 milhões de unidades comercializadas, com destaque para os computadores portáteis, tanto notebooks, como netbooks.<br /> <br /> O crescimento da categoria de notebooks foi de aproximadamente 20% a mais do que o registrado em 2008, impulsionado pelas compras de usuários domésticos, Governo e do setor de educação. As compras efetuadas por usuários domésticos cresceram quase 36%, ao contrário do que aconteceu com o registrado na área corporativa, que teve uma queda de 16%. Já a categoria de desktops teve queda de 16% somando os mercados doméstico e corporativo.<br /> <br /> Ainda segundo o estudo, em 2009, o mercado brasileiro sofreu queda (-6,4%) pela primeira vez no comparativo ano a ano, devido ao baixo investimento do segmento corporativo no setor. Fatores como a crise financeira mundial e as oscilações do câmbio e do PIB contribuíram para o desempenho abaixo do esperado. No último ano, as vendas do primeiro computador continuaram crescendo na classe C, especialmente com a aquisição de desktops. No entanto, esses consumidores também já começam a comprar o primeiro notebook. </p> <p>As classes A e B deixaram de comprar desktops para adquirir notebooks para um segundo ou terceiro membro da família. No período, o mercado cinza registrou uma queda de três pontos percentuais comparado a 2008. A previsão é de que, em 2010, a comercialização nesse setor seja ainda menos expressiva devido à legalização das marcas importadas, que ganham espaço no mercado nacional.</p>


Publicidade