Luxo no Brasil e no mundo se transforma 24 de maio de 2011

Luxo no Brasil e no mundo se transforma

         

Mudanças colocam o Brasil como um dos destaques

Publicidade

Carlos FerreirinhaUma década de estudo sobre a gestão do Luxo no país mostra como o mercado mudou nos últimos tempos. Há uma transformação do significado sobre o Luxo no mundo e, principalmente, no Brasil. O segmento não é mais orientado apenas pelas grandes marcas e pelos consumidores endinheirados. Novas marcas e novos consumidores agora fazem parte deste universo que tem cada vez mais oportunidades.

A democratização do consumo mudou o luxo, uma vez que deu mais acesso a produtos e marcas de forma ampla e praticamente irrestrita. “As gôndolas dos supermercados estão cheias de produtos que se posicionam como premium. O Marketing levou a estratégia de gestão do Luxo para o negócio”, afirma Carlos Ferreirinha, Presidente da MCF Consultoria. “Há também cada vez mais consumidores querendo comprar algo especial. Até quem adquire um carro popular, como um Celta, quer customização”, completa, durante a primeira palestra do Atualuxo 2011.

A dinâmica do Luxo foi alterada. Mercados que eram fechados como o próprio Brasil, a Rússia e a China hoje têm parcela importante nas vendas de grandes grupos. A ordem é diversificação. Por isso, as marcas tradicionais precisam ter cuidado. “A marca pode aumentar a sua base, mas tem que estar concentrada em manter a característica especial, de excelência, de valor genuíno, do encantamento e do compromisso com a excelência”, ressalta Ferreirinha.

Nesta transformação, o Brasil se tornou essencial para algumas operações mundiais e vê sua importância crescendo, apesar dos entraves tributários e de infraestrutura. Se antes os executivos não sabiam nem onde se localizava a capital do país, hoje partem para montar filais prioritariamente em São Paulo. “Mas há muitas oportunidades no interior das grandes cidades e no Norte e no Nordeste”, acredita o especialista brasileiro.

Oportunidades também para as marcas nacionais que podem ser referência. “O Brasil virou o Brasil do Luxo. O país está construindo marcas de Luxo e me arrisco a dizer que teremos empresas de fora vindo aprender sobre a excelência na área de serviços, por exemplo”, diz Ferreirinha. O desafio será a melhora contínua. Se há empresas hoje que já têm um posicionamento premium, segmentações VIPS, Vermelho ou Black, qual é o próximo passo? “Qual será o próximo movimento que as marcas devem promover para continuar encantando seus clientes?”, questiona Ferreirinha.

Publicidade

Publicidade