Como as novas relações pessoais estão mudando o consumo? Bruno Mello 11 de julho de 2024

Como as novas relações pessoais estão mudando o consumo?

         

Estudo mostra tendências nas relações sociais que se tornarão realidade no Brasil até 2030 e destaca pontos de atenção e oportunidades que elas trazem para a economia

Como as novas relações pessoais estão mudando o consumo?
Publicidade

A facilidade de acesso e velocidade da internet traz, cada vez mais, novas formas de interação humana no ambiente digital. Cada vez mais conectadas, as pessoas estão ficando cada vez mais cansadas frente ao excesso de estímulos e demandas e concentra o futuro em três grandes fenômenos, segundo o estudo “Conexão do Futuro – Tendências de Socialização em 2030”, realizado pela Sensorama Design.

O levantamento foca no entendimento dessas tendências de socialização no Brasil que já caminham para se tornar realidade e em como elas podem impactar a economia, as empresas e os negócios. Ele concentra o futuro em três grandes fenômenos: compartilhamento, relacionamentos genuínos e identidade.

Compartilhar experiências ganha um novo significado

Muito se fala sobre as experiências, um conceito que se tornou um mantra no Marketing para quem quer ser uma marca amada. E compartilhá-las, pelo menos por enquanto, tem o significado de vivê-las em companhia, valorizar momentos com quem realmente importa. Mas como isso será possível num mundo cada vez mais individualista e acelerado?

No estudo, 58% dos entrevistados afirmaram que se relacionam com amigos e parentes mais no ambiente digital do que pessoalmente, com destaque para as atividades citadas para o lazer sem verbalizarem, em nenhum momento, a necessidade de uma companhia, seja para ver séries, viajar ou ir a shows e restaurantes.

Publicidade

Sendo assim, compartilhar experiências ganha um novo significado, que é utilizar os meios digitais para compartilhar o que vivemos com outras pessoas. Compartilhar a informação com alguém ganha uma posição tão importante quanto ter esse alguém por perto.

Amizades 100% digitais e 100% genuínas

Não encontrar alguém pessoalmente perde a cada dia sua importância na construção de relacionamentos genuínos e sólidos, talvez uma transformação que caminha num ritmo um pouco mais lento que a mudança do conceito de compartilhar experiências. Afinal, 65% dos entrevistados ainda acreditam que o encontro presencial é condição para que uma amizade se solidifique.

Um destaque nessa tendência de comportamento apontada pelo estudo é que entre os entrevistados que se identificam como gamers, 60% afirmam que durante as partidas online, mesmo com estranhos, conversam sobre outros temas e questões pessoais sem relação com o jogo.

Uma nova geração de jovens e crianças que já considera normal criar amizades no ambiente digital está chegando e ocupando seu espaço, mesmo que esse espaço seja no metaverso. 

Expressão de diferentes identidades 

O meio digital do futuro possibilita um leque muito maior de possíveis experiências e possíveis novos amigos, também abre uma porta para que as pessoas possam expressar diferentes identidades. As modas e tendências serão cada vez mais rápidas e diversas e, tendo a oportunidade de sermos vários “eus”, todas elas poderão ser experimentadas de alguma forma. Será como um grande jogo de videogame no qual, a cada dia, podemos escolher diferentes skins e diferentes avatares.

Expressar diferentes identidades e conviver com pessoas que as fazem pode parecer complexo, contudo, no futuro, é provável que esse processo se normalize devido à crescente oferta de experiências altamente imersivas. Entre as pessoas entrevistadas, 26,1% afirmaram que seu maior interesse em vivenciar o metaverso é mergulhar em ambientes virtuais, enquanto para 24,2% o que mais se destaca é a possibilidade de criar outra realidade para si.

Um sinal no qual já percebemos isso é a velocidade com que a nova geração muda de emprego e tenta diferentes áreas e setores. Esse fenômeno viabiliza uma reinvenção da própria identidade e iniciar novos relacionamentos sem confrontar o passado. A cada novo círculo social, é possível começar do zero sem que isso seja problemático.

Como as empresas devem se preparar para essas transformações? 

Do ponto de vista empresarial, entender como as pessoas irão formar laços e interagir a partir de hoje e no futuro é fundamental para compreensão dos rumos que o consumo deve tomar. É imprescindível se preparar para as mudanças comportamentais do público e assim oferecer produtos e serviços que atenda novas demandas e necessidades. O estudo traçou exemplos de oportunidades que essas mudanças comportamentais proporcionam (e podem ser úteis) aos negócios, entre elas:

  • Criação de comunidades em torno de produtos e serviços das empresas, o que fomenta o consumo.
  • Promoção de espaços de interação que proporcionem imersão (experiências) onde as pessoas entrem em contato com a marca, serviço ou produto, seja individualmente ou em grupos.
  • Utilizar ambientes virtuais (como jogos online) para teste de novas iniciativas e identificação de novos negócios e oportunidades.

Leia também: 10 tendências que impactarão a indústria criativa até 2040

Clube Mundo do Marketing


Publicidade