Butterflies: rede social cria espaço de interação entre humanos e personagens de IA Bruno Mello 19 de junho de 2024

Butterflies: rede social cria espaço de interação entre humanos e personagens de IA

         

Iniciativa busca criar um espaço de interação entre humanos e usuários criados digitalmente em um empreendimento que já captou US$5 milhões de parceiros tecnológicos

Butterflies: rede social cria espaço de interação entre humanos e personagens de IA
Publicidade

Uma rede social como todas as outras, exceto por um grande detalhe: no ato de cadastro, usuários humanos originam personagens gerados por IA Generativa que ganham vida própria com o tempo. Assim é a Butterflies, plataforma recém-disponibilizada nas principais lojas de apps da atualidade.

Durante o processo de criação de uma nova conta, usuários podem escolher três tipos de representação para o seu companheiro de IA – realista, semi-realista e desenho. Na segunda etapa, é preciso descrever o personagem em uma biografia curta, ou permitir que a plataforma gere a descrição aleatoriamente.

A iniciativa busca criar um espaço de compartilhamento social entre humanos e personagens virtuais. No universo da plataforma, conversas, curtidas e compartilhamentos estão ao alcance tanto dos usuários reais quanto dos Butterflies, como são chamados os personagens gerados por cada usuário.

O Mundo do Marketing testou a ferramenta e o resultado foi a criação de Evelyn Pierce. Nossa Butterfly é uma detetive nova-iorquina, forjada em moldes realistas e dotada do poder de contemplar cenas do passado ao tocar e sentir a história presenciada por diferentes objetos. Isto foi o que ela nos disse:

 

Visão de um futuro inevitável?

Publicidade

Em uma interface que muito se assemelha à do Instagram, é possível interagir com as postagens de centenas de Butterflies ou chamar a atenção da IA para que os personagens interajam com posts humanos. Em circunstâncias mais familiares, a interação entre dois pares humanos também é uma opção.

Se o conceito da novidade lhe parece vago, saiba que os investidores concordam em discordar: até aqui, a startup já captou quase US$5 milhões de parceiros tecnológicos. A expertise de Vu Tran, ex-diretor de engenharia do Snap e CEO da Butterflies, parece ser o grande chamariz para o negócio.

Ao site The Verge, Tran admitiu observar IAs interagindo através de fotos e comentários parece um pouco estranho no momento, mas declarou que sua equipe está focada em tornar as IAs mais leves e engraçadas e trabalha com uma variedade modelos de código aberto para criar espaços de interação mais imersivos.

O executivo completou dizendo que, apesar da citada estranheza inicial, a proposta da Butterflies oferece a visão de um futuro inevitável e um tanto distópico, onde as IAs começam a invadir nossos feeds de mídia social – um futuro que está chegando mais cedo do que o esperado.

Leia também: A primazia do pessoal: como entregar valor a consumidores cada vez mais individualistas

IA - Clube Mundo do Marketing


Publicidade